seta

220 postagens no blog

Dr. Dráuzio tem um recado para quem acha homossexualidade doença

20/09/2017 12:03

Dráuzio Varella, um dos médicos mais importantes do Brasil, em vídeo, quer saber: “Que diferença faz para você, para a sua vida pessoal, se o seu vizinho dorme com outro homem, se a sua vizinha é apaixonada pela colega de escritório? Que diferença faz para você? Se faz diferença, procura um psiquiatra. Você não tá legal.”

A gravação, feita em 2014 no calor das discussões sobre a legalidade do casamento gay, voltou a circular com força nas redes sociais por causa da liminar de um juiz federal que abre precedente para que psicólogos ofereçam a absurda terapia de reversão sexual, conhecida como “cura gay”, um tratamento proibido desde 1999 pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP).

No vídeo, o médico deixa bem claro: homossexualidade NÃO É DOENÇA. Ou seja, não precisa ser tratada. “A sexualidade é. Ela se impõe. A gente não escolhe. Aqueles que acham que a homossexualidade é um desvio, uma aberração da natureza, dizem isso por ignorância. Porque se fosse assim ela seria exclusiva dos seres humanos, mas a homossexualidade tem sido documentada em todos os animais, praticamente. Em todos os vertebrados”, diz ele, citando primatas, pássaros e répteis”, explica.

De acordo com ele, a homossexualidade é um tipo de comportamento sexual tão normal quanto a heterossexualidade. “Você pode controlar o comportamento. Você vive numa sociedade heterossexual, então você se comporta daquele jeito, como se comportaria numa sociedade homossexual. Mas você não controla o desejo. O desejo humano é incontrolável. Comportamento pode ser, mas o desejo não há como controlar”, disse.

Assista ao vídeo: https://www.youtube.com/watch?time_continue=6&v=rqi-UTb9f9Y

 

 

seta

Conheça os principais nutrientes deste superalimento

19/09/2017 10:54

Cada vez mais estudos e pesquisas reafirmam que o ovo é uma rica fonte de pura saúde e que seu rótulo de “vilão” foi uma injustiça propagada durante muitas décadas. Acessível, barato e saboroso, o alimento quebrou vários mitos nos últimos anos, como o fantasma de que o seu consumo aumenta o colesterol. Ao contrário disso, muitos benefícios para a saúde têm sido comprovados. Para comemorar o Dia Mundial do Ovo, que em 2017 é celebrado no dia 13 de outubro, o Instituto Ovos Brasil compartilha uma lista dos mais importantes nutrientes do alimento, elencados pela nutricionista Lúcia Endriukaite.

> Proteína

Carro-chefe de uma verdadeira coleção de nutrientes deste alimento, a proteína presente nos ovos é chamada de completa. Isso significa que ela é considerada de alto valor, e tem boa absorção pelo organismo. “Além de ser uma fonte de energia fundamental para o corpo humano, a proteína possui essencial papel na fundação dos tecidos, sendo componente estrutural de todas as células – em especial os músculos”, afirma Lúcia. Não à toa a proteína dos ovos é usada como base para muitos complexos vitamínicos e suplementos para atletas. Um único ovo possui cerca de 6 g de proteína, aproximadamente 10% da necessidade diária.

> Vitaminas

Os ovos são ricos em vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) e do complexo B. Este conjunto de substâncias é essencial para a visão, promove o crescimento, dá energia e disposição para as atividades físicas e intelectuais e, dentre outros benefícios, combate radicais livres. As vitaminas presentes no ovo também aumentam a resistência contra infecções, previnem a ocorrência de doenças respiratórias.

> Colina

A colina também é uma vitamina, mas cabe ressaltá-la por sua presença em abundância nos ovos. Integrante dos fosfolipídios, estruturas essenciais na composição de membranas celulares e da fosfatidilcolina e componente destas membranas, esta substância atua na sinalização celular, no metabolismo e no transporte de lipoproteínas. “Estudos de longo prazo demonstram que dietas ricas em colina geram satisfatórios resultados para funções do cérebro humano e foram identificadas melhoras significativas em testes de memória e baixos índices de alterações cerebrais associadas à demência”, diz a nutricionista do Instituto Ovos Brasil.

> Ferro

Grãos como o feijão e lentilha, carnes vermelhas e a beterraba são famosas fontes de ferro na alimentação dos brasileiros. Nem todos ainda sabem que a gema dos ovos também é uma rica fornecedora deste mineral para o organismo humano. Linhas gerais, ela possui cerca de 1 mg de ferro – o recomendável para homens adultos é a ingestão de 8 mg por dia, bem menor que as necessidades das mulheres adultas, que são de 18 mg diárias. Nas crianças, o ferro do ovo surge como um aliado ainda mais poderoso, e se torna mais um alimento a ajudar a reduzir o surgimento de anemias.

> Selênio

Ingerido em quantidades adequadas, este mineral também presente nos ovos auxilia no fortalecimento do sistema imunológico, no controle glicêmico e na regulação da tireoide. “O selênio também é um elemento que desempenha importantes funções biológicas, como a formação de hormônios, a síntese do DNA e afeta de maneira muito positiva a fertilidade e a capacidade reprodutiva”, afirma Lúcia. Em adultos, a recomendação da ingestão desta substância varia entre 45 a 55 microgramas por dia – e um ovo possui aproximadamente 15 mcg, o que representa 33% das necessidades do corpo humano.

> Luteína e Zeaxantina

Apesar de serem duas substâncias diferentes, estes carotenoides atuam juntos em prol de uma boa saúde dos olhos ao longo da vida. “Ambos possuem funções antioxidantes, que também têm a capacidade de combater o envelhecimento das células, reduzindo riscos relacionados ao surgimento de doenças crônicas”, explica a nutricionista. Muitos optam por suplementações em cápsulas para suprir a demanda diária destes nutrientes, no entanto, uma gema já possui algo em torno de 0,2 mg de cada uma destas substâncias – isso torna o ovo um alimento rico em luteína e zeaxantina.

Cabe ressaltar que estas são somente algumas das propriedades positivas dos ovos, hoje reconhecidos como um verdadeiro superalimento. Tanto para crianças, adultos, atletas e idosos, seus nutrientes são essenciais e perfeitos para uma vida saudável.

Semana do Ovo 2017

A data celebra o Dia Mundial do Ovo, uma homenagem estabelecida há 20 anos pela International Egg Comission e lembrada toda segunda sexta-feira do mês de outubro. Em 2017 o IOB realizará um curso para nutricionistas e manipuladores de alimentos, uma iniciativa inédita durante a Semana, novas campanhas de marketing, que envolvem vídeos e a renovação de todo o material de divulgação distribuído pelo Brasil e grandes ações de imprensa que visam a levar informações de qualidade para toda a população neste período. Este ano, a data marca também o aniversário de 10 anos de fundação do Instituto Ovos Brasil.

Sobre o IOB

O Instituto Ovos Brasil é uma entidade sem fins lucrativos criada em 2007 com objetivo de esclarecer a população sobre as propriedades nutricionais do ovo, os benefícios que este alimento proporciona à saúde, além de desfazer mitos sobre seu consumo. O IOB tem atuação em todo o território nacional e hoje é referência em informação sobre ovos no Brasil. O site da instituição (www.ovosbrasil.com.br) reúne campanhas, dados, pesquisas e artigos de credibilidade para o público em geral e profissionais das mais diversas áreas.

seta

O número zero acaba de ficar 500 anos mais velho

14/09/2017 22:52

O Império Romano, em seu auge, tinha 60 milhões de habitantes. Mas essa é só uma estimativa, feita por historiadores.  

Júlio César, mesmo, não fez um censo demográfico, para a sorte dos funcionários do “IBGE” da época. Afinal, já pensou o trabalho que daria registrar a população de cada cidade em uma tábula de pedra, usando só letras maiúsculas? 4435 vira MMMMCDXXXV. 3457, MMMCDLVII. O repórter até tentou converter um número com seis ou sete casas decimais, mas deu pau na calculadora – ela não sabia o alfabeto inteiro, pelo jeito, ou não tinha linhas suficientes para exibir o resultado.

Viu só a falta que faz um zero? Com ele, você consegue diferenciar “66” de “606” colocando um círculo entre os dois algarismos.  Bem mais fácil do que usar LXVI e DCVI – não só pela simplicidade da representação do número no papel, mas principalmente pela possibilidade de se fazer contas simples de adição e subtração no dia a dia.

É por isso que, em mais ou menos 300 d.C. – enquanto o cristianismo tomava conta do ocidente e povos germânicos invadiam a Península Itálica – os indianos, do outro lado do mundo conhecido, acabaram com a complicação e inventaram a coisa mais importante da história da matemática. Sim, o zero.

A novidade aí não é o povo, mas a data.

Que os indianos eram os pais do zero usado hoje na matemática – o redondo, com um buraco no meio –, nós já sabíamos. Os mais antigos zeros já registrados estão nos manuscritos de Bakhshali, encontrados em 1881 no atual território do Paquistão e hoje guardados na Universidade de Oxford. Muitos matemáticos já leram e interpretaram esses documentos várias vezes.

O problema é que essas relíquias em sânscrito (que contém mais de cem zeros, uma quantidade notável de nadas) nunca haviam passado por uma datação por carbono-14, a maneira mais segura de descobrir a idade de um achado arqueológico. Acadêmicos do mundo todo apostavam que esses zeros primitivos eram de depois século 9 d.C – mas só apostavam, mesmo, com base nas portas de um templo dessa época que também continham inscrições do redondinho.

A nova datação, que põe os manuscritos em algum ponto entre 224 d.C. and 383 d.C., torna a maior revolução da história da matemática 500 anos mais antiga do que imaginávamos.

Esses avós do zero que conhecemos hoje eram apenas bolinhas, sem o buraco no meio. E eles serviam justamente para preencher casas decimais vazias. “5·5″, por exemplo, era “505”. “5··5”, “5005”, e por aí vai. Nessa época, uma conta como “5 – 5 = ?” ainda não era factível: o zero existia apenas para preencher espaço, e não para representar uma quantidade nula – um conceito inconcebível para os matemáticos da antiguidade.

“Hoje nós damos por certo que o conceito de zero é usado em todos os lugares do mundo”, explicou ao The Guardian Marcus du Sautoy, matemático de Oxford responsável pela descoberta. “Afinal, todo o mundo digital é baseado em nada ou alguma coisa [referência ao sistema binário, feito de combinações de 1s e 0s]. Mas houve uma época em que esse número não existia.”

Que o digam os romanos. Sautoy especula que os indianos tenham tido a sacada antes dos europeus porque a própria religião indiana encara com mais naturalidade a ideia de vazio ou vácuo. Afinal, o zero é um conceito bastante abstrato, e aceitá-lo, logo de cara, seria contraintuitivo para alguém que leva uma vida prática com os números, como um comerciante.

Vale lembrar que, antes dos indianos (e de Cristo), babilônios e maias já usavam símbolos análogos ao zero para criar seus próprios sistemas numéricos. Mas foi a bolinha do Paquistão, embalada pelo vai e vem comercial da Rota da Seda, que evoluiu, ganhou um buraco no meio e alcançou os árabes, chegando à forma adotada hoje.

seta

Obesidade: educar ou chocar?

14/09/2017 11:12


Há 20 anos me dedico a cuidar e entender o que acontece aos pacientes com obesidade. Operei no mundo todo, escrevi livro e artigos, fiz mestrado e doutorado e, principalmente, vivenciei e vivencio a vida deles. Aprendi muito. O Brasil é um dos países com uma das maiores epidemias de obesidade, mas será que nós e o governo sabemos realmente quais as reais consequências dessa doença?

Será que a população sabe que a infiltração gordurosa no fígado, conhecida como esteatose hepática, pode levar a uma hepatite por gordura e cirrose hepática? Hoje, essa já é a segunda causa de transplante de fígado. E quantas das mortes anotadas como infarto decorreram de uma barriga volumosa, que sabidamente inibe uma enzima protetora das coronárias e facilita o acúmulo de gorduras nela?

Diversos estudos demonstram que, em alguns anos, nenhum sistema de saúde terá capacidade financeira de arcar com os custos de pacientes infartados, hipertensos, diabéticos e com outras tantas doenças causada pela obesidade.

Estamos lidando com uma epidemia de ramificações descontroladas, potencializada por uma população mal informada. Campanhas para enfrentar a aids, o tabagismo e mesmo para estimular o uso do cinto de segurança inicialmente chocaram a população, mas pouco a pouco todos entenderam que, às vezes, o impacto de uma má notícia serve como aprendizado.

É dever nosso, e principalmente do governo, demonstrar a trágica história de saúde que acompanha a obesidade — assim como fizemos com o fumante. É a partir daí que cada um deve decidir se é esse o caminho que planejava trilhar. Era isso que você imaginava quando criança?

O excesso de peso pode dificultar o caminhar e as atividades cotidianas mais simples, como tomar banho ou se higienizar. Não se trata de discriminar o obeso. Pelo contrário. Estamos falando de uma doença, e não de preguiça ou gula. Existem milhões de indivíduos com obesidade em filas para tratarem problemas associados a ela.

O Sistema Único de Saúde incorporou às suas diretrizes medidas como a disponibilização da cirurgia bariátrica por acesso videolaparoscópico, sabidamente muito mais seguro e menos invasivo. No entanto, essa ainda não é uma realidade na maioria dos serviços espalhados pelo país afora.

O acesso ao procedimento ainda está limitado, e não cresce na mesma progressão que a quantidade de obesos em situação de morbidade. O tempo de espera nas filas para a cirurgia bariátrica, dependendo do Estado, pode chegar a sete anos. Alguns, como Rondônia, Paraíba, Acre, Roraima e Piauí, sequer disponibilizam o procedimento.

O Rio de Janeiro, no entanto, tem dado o exemplo e está garantindo vida a essa população. Em pouco mais de seis anos, saímos de uma realidade de 20 cirurgia por ano para cerca de 500 em 12 meses. E todas por acesso videolaparoscópico, o que inspirou o Ministério da Saúde a recomendar o mesmo para todo o país.

O tempo de espera médio para atendimento no Rio de Janeiro não chega a um ano e a chamada fila está totalmente equilibrada. Estamos chegando a 2 mil pacientes operados, que juntos perderam quase 100 toneladas de peso.

No Rio, provamos que é possível. Dignidade no tratamento de uma doença que é grave e está matando.

*Dr. Cid Pitombo é cirurgião e coordenador do Programa Estadual de Cirurgia Bariátrica do Rio de Janeiro

seta

A importância dos sonhos para a saúde física e mental

12/09/2017 11:45

Frequentemente associados a fantasias, os sonhos possuem uma importância real para a saúde: eles auxiliam na fixação da memória, revelam traços importantes do nosso estado emocional e podem fornecer boas ideias para os problemas do dia a dia.

Jogo da memória
A final, o que são os sonhos? A pergunta pode até parecer simples, mas um século de intensas pesquisas não foi suficiente para que médicos e psicólogos chegassem a um veredito. Há desde as antigas teorias que defendem os sonhos como mera atividade neurológica até os pesquisadores que se alinham ao pensamento de Sigmund Freud, que entendia o fenômeno como um material emocional passível de interpretação.

Na turma do meio-termo, encontra-se a psicóloga Deirdre Barrett, professora da Harvard Medical School. Para ela, sonhos são apenas pensamentos em um diferente estado bioquímico. “Dormindo, nós continuamos tendo as mesmas preocupações, medos e objetivos de quando acordados. Porém, os sonhos muitas vezes paracem não ter sentido porque o cérebro se encontra mais visual e emocional do que verbal”, explica a pesquisadora. Mas em um aspecto quase todos concordam: os sonhos podem revelar muitos aspectos de nossa saúde física e mental.

O ato de dormir ajuda a suprir demandas fisiológicas importantes. Por exemplo, é durante o sono que ocorre a reposição dos neurotransmissores, substâncias responsáveis por modular as sensações de ansiedadefelicidade, a capacidade de fixar a atenção, entre outras funções. Ao que tudo indica, os sonhos – que geralmente ocorrem na fase mais profunda do sono – também exercem um papel importante na saúde neurológica. Sua atuação está principalmente vinculada à cognição. “O sonho aparenta estar ligado à consolidação da memória  emocional  e à aprendizagem. As outras fases do sono paracem ser necessárias para a consolidação da memória simples”, resume a especialista Deirdre.

Ninguém precisa sonhar com o Freddy Krueger para acordar assustado. Assaltos, assombrações e acidentes fazem parte da lista dos pesadelos que assombram crianças e adultos. Os pesadelos não diferem em nada dos outros tipos de sonhos. “A maioria dos nossos pensamentos quando acordados também são de medosfobias sofrimento por antecipação. Ao dormirmos, esses mesmos pensamentos passam a ser representados de forma viva e surreal”, desmistifica Deirdre.  É ainda comum pessoas que vivenciaram situações traumáticas marcantes – como violência urbana ou desastres naturais – apresentarem pesadelos recorrentes com o ocorrido. Nesses casos, os sonhos ruins podem ser sintomas de alguma coisa mais séria. “Pesadelos frequentes é um dos critérios menores para o diagnóstico do distúrbio do estresse pós-traumático. Evidentemente, isto não significa que todo indivíduo que apresente pesadelos recorrentes seja portador de perturbações”, contrapõe MarcosLima de Freitas, médico especializado em neurologia pela Universidade Autônoma de Barcelona. Para Deirdre, os pesadelos causados por estresse pós-traumático resultam da ansiedade e da sensação de vigilância que a situação vivida acarreta. “É como se o sonhador fi casse sempre pronto para lutar ou fugir”, completa.

Programando os sonhos

Assim como ocorre com os pensamentos, os sonhos podem ser programados. “Existem treinos mentais para estimular certos sonhos. Podemos torná-los mais lúcidos e, dessa forma, modificar o seu conteúdo”, pontua Júnior. O processo, entretanto, não é simples. Especialistas orientam que é preciso estar relaxado e definir especificamente o assunto com o qual se deseja sonhar enquanto estiver deitado. Além disso, é importante visualizar o sonho como se ele estivesse acontecendo durante o estado de sonolência. ‘Também é possível se programar para lembrar o que se sonhou; Basta definir essa intenção na hora em que for adormecer”, orienta a pesquisadora.

Dicas para recordar o que sonhou

  • Durma oito horas por dia. “Vai ser mais fácil acordar em algum momento durante a noite e, assim, gravar o que se sonhou”, explica Deirdre Barrett.
  • Quando adormecer concentre sua atenção no desejo de lembrar seus sonhos ao acordar. “Repita para si mesmo diversas vezes: ‘eu irei acordar e recordá-los’”, orienta a psicóloga.
  • Acorde calmamente. Antes de se mover, abrir os olhos ou desviar o pensamento para outro assunto, tente se lembrar do que sonhou sem ansiedade.
  • Se vierem apenas algumas imagens, tente montar a sequência do sonho nos seus pensamentos. Basta focar na última imagem e se questionar: antes disso acontecer, o que eu estava fazendo?
  • Se ainda assim os sonhos permanecem desconhecidos, avalie os seus sentimentos. “Sonhos sempre nos deixam com algum resíduo emocional”, finaliza a especialista.

 

seta

Primeira Edição © 2011