seta

13 postagens no blog

Lançamento da Abertura do São João Nordestino

05/05/2018 21:34

O São João é a maior festa popular do nordeste e a cada ano começa mais cedo, já nos primeiros dias de maio encontramos nos calendários de festas diversos eventos relacionados em  homenagem  a Santo Antônio,  São João e São Pedro,  que tem seu ápice em junho e vai julho afora.

O São João do Nordeste tem uma importância significativa na economia nordestina com a movimentação do turismo e o estado de Alagoas vem, a cada ano, aumentando investimentos, em todos os setores,  para receber a demanda interna e externa de turistas. Campina Grande (PB), Caruaru (PE) e Mossoró(RN) ainda detêm os títulos de maiores “São João do Mundo”, são megas estruturas  para shows e atrações que atraem multidões durantes todos os dias dos três meses de comemorações.

O maceioense também festeja muito o São João, é a época onde as comidas típicas, como a  pamonha,  curau,  cuscuz, tapioca, canjica,  bolo de milho, milho cozido, arroz doce,  cocada, pé de moleque, paçoca, bolo de tapioca, de fubá. etc., tem lugar de destaque em suas mesas e até em festas e restaurantes. À vésperas dos dias dos santos, Santo Antônio (13/06), São João (24/06) e São Pedro (29/06), ainda é tradição de muitas famílias do interior e bairros populares acenderem fogueiras em suas portas, já nas áreas de maior concentração de edifícios/condomínios  residenciais quase não se vê essa prática. Os arraiás, concursos de quadrilhas e de bois se espalham pela  cidade  e levam milhares de pessoas para as palhoças montadas nos bairros.

A alegria se espalha pelos quatro cantos, tudo ganha cores e cheiros de festa junina e o vento leva suave o animado ritmo do trio de forró. A sanfona, zabumba e triângulo são os instrumentos típicos dos festejos juninos.

Neste sábado ( 05 maio) o empresário do setor de eventos, Dinho Lopes, ofereceu um farto e saboroso café da manhã com pratos típicos do restaurante Bodega do Sertão,  reunindo imprensa, convidados  e diversos músicos e trios de forró, para  lançamento da abertura do São João do Nordeste em Alagoas e comemoração dos 60 anos do Trio Nordestino. Foi o evento com maior número de sanfonas por m² que já vi. A festa já começou, se avexe não e bora comemorar.

seta

Meus 60 anos

19/03/2018 01:01

Um sessentão que não envelheceu!

19 de março de 1958, parece que foi ontem, e foi, mas já se passaram sessenta anos, meio século mais uma década. Olhando pra frente terei menos tempo de vida do que já vivi. Mas estou vivo e viverei com mais intensidade, com mais qualidade, saberei desfrutar da vida com mais sabedoria e  requinte, não terei mais tanta pressa com o “fazer’, não quero mais apenas “ser”, quero “viver’’ os dias,  as noites e as madrugadas que estão por vir.  Posso me orgulhar do passado, construí uma história de vida bonita, não sei se tão “certinha” como se apregoa por ai, mas nada a envergonhar.         Tanta coisa pra contar e, pra minha felicidade,  encontro ouvidos ávidos para ouvir e quando meu tempo se expirar não serei extinto nas memórias dos que ficam, serei imortal pois renasço nas minhas descendências, no  meu maior e  mais valioso legado, meus quatro filhos e  dois netos. Se posso citar um grande orgulho que carrego, são eles.

60 anos...se.xa.ge.ná.ri.o, seis  sílabas, quase um trava língua que se bem pronunciado  tem uma sonoridade poética. Muitas leis foram criadas para dar maior significado e importância à essa fase da vida, uma delas foi a do sexagenário  promulgada em 1885,  onde  escravos com essa idade ganhavam a liberdade, aqui no Brasil tem a tal lei do idoso que dá equivocadas prerrogativas a partir dos 60, mas é Brasil e,  de acordo com a tradição chinesa, o ciclo sexagenário começa no ano do nascimento e termina nos 60 anos, e aí se inicia tudo de novo. Então hoje conquisto  essa liberdade, não preciso ficar preso a dogmas nem a estigmas e paradigmas, sou um homem livre e preciso da minha liberdade para começar tudo de novo...faria tudo igual.

Eu nunca tive medo do tempo, sempre vivi o tempo presente, aliás, minto, recordo-me de um tempo que eu desejava viver além, aos 15 desejava estar nos 18 unicamente para poder realizar o que era proibido, dai pra frente fiz tudo que deveria e poderia fazer, não me arrependo por nada.  Percebo atentamente todas as transformações em meu corpo, de uma pele lisa,  viçosa, para outra mais elástica e flácida, os fios negros dos cabelos ganhando o brilho e o charme dos grisalhos, no rosto, as marcas dos anos foram se juntando em rugas ao redor dos olhos e formando linhas paralelas pela testa com acentuados sulcos. Para enxergar o mundo com a mesma nitidez dos 20, 30 e até dos 50, já preciso recorrer às lentes. Não tenho o mesmo  vigor, a mesma força dos anos passados, mas não deixo me abater. Conheço e respeito meus limites,  faço exercícios constantes para não perder a vitalidade, mesmo assim o tempo é inexorável...mantenho a mente ativa e vivo cada dia como se fosse o único. Fernando Pessoa escreveu:   “ O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela” , pura verdade.

Desejo uma vida longa pois aos 60 ainda tenho sonhos de adolescentes. Não com bens materiais, riquezas, quero sim muitas oportunidade para conviver com meus filhos e  netos, tempo e saúde para preparar minha caçula para enfrentar o mundo, ter mais tempo para família e amigos. Se tenho a liberdade, quero viajar mais, ter mais oportunidade para cantar e tocar meu violão, dançar, amar, fazer muito sexo, tomar  bons vinhos, whiskys  em boas companhias, fazer comidinhas deliciosas para momentos  especiais com meu amor.

Dizem que idade trás experiências, que pessoas idosas são mais prudentes, cautelosas, capazes de reagir melhor diante situações de conflitos. Não é bem assim, cada fato, cada coisa que acontece é diferente na vida das pessoas e as respostas e reações completamente distintas. Em algum lugar eu lí ou ouvi que “...experiência é um farol que ilumina pra trás...”  (não sei o autor) e é isso mesmo só serve para iluminar o passado.

Eu nunca fiz muitos planos para o futuro, as coisas foram surgindo naturalmente. Deveria ter feito algum e seguido. Conquistas fazem partes da nossa jornada, mas nessa altura do campeonato já não faz tanta diferença, fiz algumas.  Sou um sessentão de mente aberta para o novo , como sempre fui, não tenho preconceitos, todos somos iguais e o sol brilha pra todo mundo.

Tive um tempo de egoísmos, pensava muito mais em mim, não vale a pena, as pessoas ao seu redor precisam estar bem para que você também fique.

Um dia desses, bem recente, um marmanjo me chamou de ‘’tio’’, mandei ele se ‘’fuder’’. Mas lembro também quando,  alguns anos atrás, me chamaram pela primeira vez de ‘’coroa’’,  me senti o máximo. E nem era, não me incomodo mais.   Aos 51 ainda fui pai e quando estou em locais públicos com nossa filha Nicole e pessoas me perguntam se ela é minha neta,  respondemos que sim, nos divertimos com isso. Acho incrível o dom de ser pai e avô!

Uma possibilidade, isso sim me assusta, é a de perder o poder da virilidade, de " broxar" mesmo. Eu disse que não me assusta envelhecer e é verdade, mas pelo menos nesse particular poderia ser diferente, deveríamos morrer  firmes e fortes.  Pode rir, mas é verdade!!! É onde  tenho  inveja e sinto -me inferior a mulher.

Nesses anos de vivência, muitos deles na política, aprendi que não vale a pena acreditar nessa famigerada politicagem, perdi esperança em ver mudanças nessa geração de políticos profissionais...há exceções, é claro,  como em tudo na vida. Mas continuo sonhando com um mundo mais justo, com um futuro melhor. E quero viver bastante para alcançar essa transformação. Não vale a pena ter ódio no coração, ser racista, fazer guerra, só pensar no trabalho, em enriquecer e esquecer de viver. O amor é o que importa...e o amor nos rejuvenesce, faz com que sejamos sempre jovens, á a fonte da juventude. Amem muito!

A vida não para e hoje mesmo sendo um dia igual ao de todos os outros,  não é um dia qualquer, afinal  é  meu  aniversário de 60 anos e eu  só quero agradecer e comemorar. Tim, tim...e parabéns pra mim.

 

 

seta

8 de março - dia internacional da mulher

06/03/2018 19:09

8 de março - dia internacional da mulher

Hoje cedo fui a uma floricultura encomendar umas rosas com serviço de delivery para ser  entregue à minha esposa na manhã do  dia 08 de março, dia internacional da mulher.

No mesmo local comprando flores para decorar sua sala em um jantar que será oferecido à amigos, estava uma distinta senhora e sua submissa e gentil secretária, a primeira, com um salto alto dourado, em um lindo vestido longo em tons verdes com um sensual decote nas costas, pelo acabamento, uma peça exclusiva, feita sob medida e muito bem  produzida, cabelos e maquiagem impecáveis. Extrovertida e bastante falante  perguntou-me  para quem eu estava comprado rosas, “...está de namorada nova?”, sorridente indagou a já desagradável e indiscreta madame! Respondi incontinente: “ Olá, bom dia,  é sim para  minha namorada nova que tem quase a minha idade e que há mais de 12 anos somos casados e todos os dias descubro nela uma nova e linda mulher...mas estas são especialmente para homenageá-la no dia internacional da mulher, depois de amanhã”.   As minhas últimas palavras  foram em tom mais sério,  áspero e já  me afastando daquela chocalheira. Ainda assim  mesmo  longe  ouvi um murmúrio  “...não sei pra que tem esse dia,  eu mesma acho ridículo e desnecessário essa data, é coisa de mulher que não tem o que fazer e fica inventando moda”.   De cabeça quente ( quem me conhece  sabe que me esquento fácil com besteiras) voltei para ela e disse: “- Com certeza você (já nem usei mais Srª.) nasceu em  berços de ouro e nunca precisou trabalhar, lutar por algum objetivo, reivindicar algum direito e talvez nem saiba o real significado dessa data, pergunte à sua secretária que, com certeza, ela saberá lhe dizer a importância e valor desse dia...”.  Quando acabei de falar já estava de costas pra ela e com os pés na calçada da loja. Fui procurar outra floricultura para fazer a encomenda!

 Aquela cena “martelou” minha cabeça o dia todo  até que agora, em frente ao computador, resolvi compartilhar minha angústia e indignação e a primeira certeza que tenho é que aquilo não foi um fato isolado, devem existir dezenas de milhares de homens e mulheres que pensam igualmente àquela “distinta” madame. Somente o acesso à informação, à educação,  poderia fazê-los refletir mais um pouco e ajuda-los a entender o real significado das lutas de classes minoritárias que sofrem criminosos e desumanos preconceitos,  desvalorização pessoal e profissional e,  para quem pensa que não, a mulher, mesmo com tantas conquistas, ainda faz parte dessa triste realidade, tanto aqui quanto no mundo todo.

A data de 8 de março, em que se comemora o dia internacional da mulher, não foi estabelecido por causa dos “lindos olhos e do charme que elas têm”,   mas sim pelo resultado de anos de  lutas e constantes reivindicações por mais espaço político-social e melhores condições no trabalho, não é apenas uma data para comemorar  mas um dia para discutirmos, refletirmos o  papel  da mulher na sociedade atual e tentar diminuir ou mesmo acabar com o preconceito e a desvalorização.

Quem olha estatísticas sabe que baixos salários, violência masculina, jornada excessiva e diferenciada no trabalho, desvantagens na carreira profissional, ainda pesam sobre elas e causam vergonha em nossa sociedade.

Mas independente das diferenças, dos preconceitos, das batalhas que precisam ser vencidas, apenas por ser mulher,  merecem ser homenageadas, amadas, conquistadas, endeusadas, respeitadas, admiradas, beijadas e receber flores todos os dias.

Parabéns à todas pelo dia 08 de março e que a luta continue!

 

seta

Como foi o ano de 2017 para os profissionais de Social Media

18/01/2018 13:22

2017 foi o ano em que o Instagram ganhou força total. Quase não ouvimos falar de Snapchat ou ouvimos muito pouco. Ainda no início do ano, o Stories ultrapassou os usuários do fantasminha e esse gráfico só subiu. Em novembro, o Instagram conquistou uma marca importante, atingindo 800 milhões de usuários.                                                                                      
Esse foi o ano em que vimos os Stories se alastrar como um vírus: além do Instagram, foram implementadas histórias no WhatsApp, no Messenger, no Facebook e virou até piada o Stories no Excel.                                           
Leia: Facebook: o dono das histórias 

Entre outras mudanças da rede social de fotos, que vem acompanhando o comportamento das pessoas e as tendências do digital, está a implementação de transmissão ao vivo, os stickers geolocalizados e filtros divertidos, a opção de inserir 10 fotos ou vídeos no feed de uma só vez, de fazer live entre 2 pessoas ao mesmo tempo e a função que permite os usuários seguirem seus interesses através de hashtags. Outra novidade, foi a inserção das enquetes que rapidamente entraram para a rotina das Stories na rede social, UFA!

2017 também foi o ano de algo que nunca iríamos imaginar: o Twitteraumentou para 280 o limite dos caracteres! Tudo começou quando ele flexibilizou as marcações de pessoas e dos replies, que já deixou os tweets mais longos, agora tem uma espécie de “textão” no passarinho azul também. Mas não, ainda não temos a opção de editar um tuíte. Quem sabe em 2018?

O Medium também fez mudanças, substituiu o botão de “coração” que servia para gostar de um texto para as “palmas”, para recomendar um texto. O nível de palmas que o artigo recebe determina qual vai ser a remuneração dos autores em dinheiro. Sim, agora é possível participar de um sistema paywall e pagar uma assinatura para ler textos exclusivos. Será esse o jornal do futuro? Ou já é?

Eu saio do Facebook, mas o Facebook nunca sai de mim, é assim com você também? Nesse ano, a rede social alcançou a marca de mais de 2 bilhões de usuários mensais ativos. Ou seja, 2 de cada 7 pessoas no mundo estão no site e não tem como a gente não depender dele pra muita coisa, mesmo com todas as mudanças frequentes dos algoritmos e feed, com a queda de 70% do alcance orgânico desde o início do ano pra cá e a dor de cabeça que são os anúncios.

E o que falar então da polêmica notícia do novo modelo de feed que o Mark está estudando, em que o conteúdo publicado por amigos e anunciantes fica separado em 2 feeds diferentes? e ainda mais recente, as penalizações para páginas que se utilizarem de alguns recursos conhecidos entre os profissionais da área como “isca de engajamento”?

2017 foi o ano dos chatbots no Facebook (e também em outros canais), ano da realidade aumentada, das lives, e mais uma vez, dos influenciadores. Ano em que vimos a cuca do sitio do picapau amarelo virar meme internacional e a brasileira Gretchen estrela do clipe da Katy Perry, tudo por causa do alcance da internet. 2017 foi o ano dos memes, como todos os outros.

Ano em que os conteúdos em vídeos ficaram ainda mais fortes. De acordo com a Hubspot, 78% das pessoas assistem vídeos online pelo menos uma vez na semana e 55% assistem vídeos todos os dias.

2017 foi o ano que a publicidade, não funcionou tanto como antigamente. Ano em que Domino’s Pizza “inovou” em suas redes sociais com fotos sem produção e que a comunicação que “funcionou” foi aquela que gerou menos interrupção e mais conexão.

 

fonte: fmrp - fantástico mundo rp

seta

ABRACONE - O Norte/Nordeste mais forte.

26/12/2017 19:48

ABRACONE – O Norte/Nordeste mais forte.

Estamos vivendo em um tempo onde a competitividade e a concorrência estão cada vez mais acirradas e as necessidades de constantes atualizações crescem nas mesmas proporções fazendo com que profissionais busquem, incansável e individualmente,  melhorias para se manterem num mercado em que a competência e planejamento é fundamental, porém esse "individualismo" pode fazer com que as relações  entre  profissionais de uma mesma área se tornem cada vez mais restritos,  afastando, inclusive,  possibilidades de parcerias de sucesso.

A recém criada e ainda em fase de regulamentação,   ABRACONE – Associação Brasileira de Colunistas do Norte e Nordeste,  surge como importante elo, não somente entre os profissionais da mídia mas também entre os profissionais e comunidades, oferecendo oportunidades de congregar interesses comuns, de unir forças,  facilitar parcerias, promover intercâmbios, contribuir para o crescimento profissional dos associados, com encontros, cursos, palestras, debates, congressos e, claro, dar maior visibilidade às regiões norte-nordeste e ao trabalho que cada um desenvolve, porém só com a participação de todos será possível identificar necessidades e planejar ações, dai a importância de associar-se e ser um membro atuante com ideias e ações.

A primeira diretoria/fundadores da ABRACONE composta pelos profissionais, Aninha Monteiro/AL ( Presidente); Jaciara Barros/TO ( Vice-presidente );  Fábio Teles/PI ( Diretoria de Comunicação e Relacionamento); estabelece metas para serem desenvolvidas até o final da gestão:

“ - Regulamentação do nome Abracone como instituição registrada em cartório;

- Captação de novos associados e sócios-fundadores e oficializar taxa de anuidade;

- Integrar a rede social do instagram Abracone como meio de visibilidade, interação, fortalecimento e parcerias;

- Realização do Fórum Abracone para palestras, eventos, fantour, discussões entre profissionais de mídia,

- Criar um site na internet e, por consequência, gerar novas fontes de recursos que propiciarão autonomia financeira para que a entidade possa executar seu projetos de forma independente;

 - Lançar o Prêmio Abracone para prestar homenagem a associados, parceiros e colaboradores;

- Proceder ao saneamento financeiro da entidade;

 - Criar a Carteira de Associado, com benefícios diretos para aqueles que estiverem cadastrados e em dia com a tesouraria através da anuidade;

- Mapear os profissionais de mídia para envio de mailing e/ou fortalecer critérios junto a assessorias de comunicação do país e do norte e nordeste;

- Buscar empresas de interesses dos associados para estabelecer convênios vantajosos aos mesmos para divulgação em seu meios de imprensa, instagram e site da Abracone. “

(Hugo Taques – Fotógrafo,  Historiador, Blogueiro e Colunista).

seta

Primeira Edição © 2011