seta

4 postagens no blog

Vídeos invadem redes sociais

20/09/2017 15:39

                              A expressão, “Uma imagem vale mais que mil palavras”,  do pensador político e filósofo Confúcio (552 e 479 a.C), parece que  foi ou está indo por água abaixo, agora elas se multiplicaram, são bilhões por segundo, ganharam movimentos e dominaram a internet, mas muitas vezes não dizem nada com coisa alguma e não são capazes de expressar ou transmitir uma boa mensagem.                                     

             Hoje acordei muito cedo, uma chamada telefônica por engano perturbou meu sono e não consegui mais dormir,  já que  estava com o celular  nas mãos, por causa da chamada e da falta de sono, resolvi dar uma olhadinha nas minhas redes sociais. Quem nunca,rs?!               Pela primeira vez me  chamou   atenção  a quantidade de vídeos que estão sendo despejados nas redes (até no whatsApp que se supõe mais privado e com objetivo mais especifico), quase  não se vê mais uma foto bonita, expressiva, mostrando ‘coisas’ do dia a dia dos amigos virtuais, que eu tanto curto.  No meu Feed de Noticias, por exemplo, chegou a quase 100% a proliferação desses vídeos, sendo na sua quase totalidade,  banais, incômodos, repetitivos, barulhentos, perturbadores e de mau gosto (assim como também algumas imagens, é claro), 99% deles são compartilhamentos que viralizaram e continuam sendo multiplicados. Zero virgula zero, zero, zero...1%, são interessantes e  mostram ‘ coisas ‘  do dia a dia dos próprio internauta que o publicou , o que pensa, o que sabe e gosta de fazer, suas viagens, suas comemorações, seus amores, suas festas, etc.. Isso eu acho legal!   Mas não é assim que está acontecendo. Podem até  ser interessantes, atrativos,  para uns, aceitáveis para outros, mas para mim é um saco, irritante. Não vou negar, tem coisas boas sim, raras, mas tem.                                                                                                                

               Quando  vejo uma boa foto meu pensamento divaga,  voa longe buscando interpretações possíveis para ela.  Uma imagem tem o poder de congelar o tempo, ela evoca para si  toda poesia e sonoridades do momento, ela diz mais que mil palavras,  da mesma forma como um bom filme que narra uma boa história e que em muitos casos nem precisa de palavras.   Mas a invasão desses  vídeos que  estão sendo compartilhados em nossos feeds,  na sua esmagadora maioria, com  narrativas e mensagens banais, tolas e bobas (redundância para reforçar mesmo) que só servem para poluir o mundo virtual, estão desconfigurando os tradicionais e bons  APPs e levando-os para rumos incertos, por exemplo o facebook.

                Não sou contra a linguagem do vídeo, muito pelo contrário, até estou passando a gostar e produzir alguns, mesmo que ainda meio capenga, meia boca, mas estou fazendo, é um aprendizado, e é isso que proponho, que as pessoas passem a produzir seus filmes, suas imagens e até construir  pensamentos para compartilhar com o mundo, se tornem  criativas e não meros repassadores de criações de terceiros nas suas linhas do tempo. Que  tornem, novamente, nossas redes sociais, mais atrativas e prazerosas de navegar. Política e religião, reforço,  são temas de foro intimo, tenhamos  cautela ao manifestar. Da mesma forma que  manifestamos  publicamente nossos pensamentos, podemos nos ofender com  que outros pensam e manifestam  contraditoriamente.

                Quem está na rede que não possui um computador, um tablet ou celular?  Quem não possui uma câmera fotográfica no bolso ou na bolsa? Basta uma boa ideia ou mesmo só a iniciativa de ligar a câmera apontar para si ou para frente  e contar uma história,  são tantos programas prontos e gratuitos, milhares de tutoriais que ensinam a fazer vídeos e montagens animadas de fotografias,  que ficou muito fácil. Vamos nos  mostrar  ao mundo, vender nossas  ideias.  Não sejamos  apenas meros compartilhadores de histórias que nem sempre tem a ver conosco.  Sejamos críticos, só vamos nos comprometer  repostando em nossas redes sociais um projeto, uma ideia, uma história que realmente acreditamos nela, que diga respeito  à nossa  vida, ao nosso modo de viver, aos nossos ideais.   

               Eu sei que o mundo  virtual é  proativo, dinâmico e está  em constante mudança e deve ser assim, é quase  impossível acompanhar o desenvolvimento  tecnológico  de tão rápido que acontece, mas deveríamos também ser capazes, e  com a mesma velocidade,  de utilizá-los em nosso favor e tornar esse mundo melhor e mais atraente.  

                                                                                                                                                                                                     (Hugo Taques, historiador, fotógrafo e colaborador neste portal).

                                                                                

                                                            

 

 

seta

Censura à Liberdade de Expressão - Queermuseu!

15/09/2017 23:31

Censura a Liberdade de Expressão!

Ainda muito recente, e motivo de fervorosos  debates, a posição arbitrária tomada pelo Santander Cultural em Porto Alegre – RS, no domingo (10), de cancelar a exposição intitulada QueermuseuCartografias da Diferença na Arte Brasileira,  com  mais de 270 obras, de artistas brasileiros, que exploram a diversidade dos gêneros, por insatisfação de frequentadores conservadores  e do posicionamento levado à público pelas redes sociais, de grupos políticos como o Movimento Brasil Livre       ( MBL), que acusam-na  de blasfêmia, de fazer apologia a crimes de pedofilia e zoofilia;  despertou em segmentos da sociedade fortes reações contra eminentes e ocultos riscos da volta da censura intelectual e do fomento a crimes  de LGBTfobia.

Não visitei a exposição e nem é preciso pois o que está nas entrelinhas é mais sério, atitudes  como desses grupos e/ou movimentos e do próprio Santander, pressupõe estar  contra à liberdade de expressão artística e a favor de ações   homofóbicas, o que devemos sobremaneira combater com toda força e  veemência, já tiramos os pés da pré-história, da idade média ficaram sórdidas  lembranças, aprendemos muito com a modernidade e não é possível que em plena era  contemporânea, em uma sociedade que se diz democrática,  tenhamos que conviver com tamanhos absurdos.  Sobre as obras expostas só  tenho conhecimento de algumas mas  com toda certeza esses não são seus propósitos.

A arte tem o papel precípuo de levar  as pessoas a pensarem, a refletirem sobre a realidade em que estão inseridas provocando  nelas mudanças de como enxergam e interagem com o mundo. Há muito ela  deixou de ser a representação única do belo, do sublime, para incomodar, provocar debates, nos tirar da posição de conforto. Historicamente grandes obras  retrataram e denunciaram  praticas abusivas e hediondas da humanidade  mostrando a realidade nua e crua num determinado tempo e espaço, sem, contudo, emitir formação de juízo, cabe a cada um nós encontrar nela a mensagem embutida.

Evidente que nem tudo que é arte nos agrade aos olhos, temos a liberdade de tomar uma posição, podemos até manifestar contra, mas isso está longe do que aconteceu. Uma instituição economicamente poderosa  promoveu a censura na sua forma mais absurda, fechando o acesso ao público e um insignificante bando de protofascistas teve sua voz ouvida. Um precedente muito perigoso para nossa sociedade. Um retrocesso!

Sei o que o do que estou falando e causa-me indignação. Há pouco mais de um ano, quando fiz uma exposição fotográfica individual de nu artístico feminino, aqui em Maceió, senti na pele o que é o poder da censura vinda de instituições publicas e privadas que tem entre seus colaboradores, gestores conservadores, reacionários e entupidos de valores morais, éticos, ultrapassados. E isso porque as imagens, em preto e branco,   mostravam com muita sutileza apenas detalhes do corpo feminino, sem exposição desnecessária e sem "pornografia", sim, entre aspas, porque cheguei a ouvir a expressão para designar o trabalho. Tive que brigar muito e até fazer ameaças de "botar a boca no trombone"  caso não me cedessem  espaço para expor, vergonhosamente negados por causa do tema. Fiz e foi sucesso de público e critica.

Sobre a  exposição, Querrmuseu, ela  deve ser reaberta, mostrada para todo mundo, provocar mais debate com a sociedade, pois os temas que a envolve são de grande relevância social.  Para cada ação reacionária uma (forte) reação contra.

seta

Olá, o prazer é todo meu!

04/09/2017 21:59

Como sou novo por aqui e estaremos nos encontrando  algumas vezes por semana,  acho sensato fazer uma breve apresentação da minha pessoa e do meu trabalho.

Sou, Hugo Taques, fotógrafo, mato-grossense,   e,  exatamente hoje,  05/09, fazendo  12 anos que desembarquei  nesta linda e querida cidade de Maceió,  casei-me com a educadora física alagoana,  Dênia Dantas,  e  somos  pais da linda  Nicole Taques  que em janeiro/18  já completa 9 anos.

Começei  muito cedo a fazer teatro profissionalmente, passei por algumas experiências no cinema e nas artes visuais  e tenho em  meu currículo uma vasta relação dos meus trabalhos  como ator, diretor e produtor.  A fotografia sempre esteve presente em tudo que fiz. Formei em História pela UFMT e estive constantemente  envolvido com assuntos e produções artístico-culturais.

Em Mato Grosso, minha terra natal,   ocupei o cargo máximo de gestor cultural  do estado, fui membro eleito do Conselho Estadual de Cultura, membro do Fórum Permanente da Cultura e Coordenador do Patrimônio Histórico e Cultural do Estado, além de ocupar outros relevantes cargos/funções em cidades pólos, no segmento sócio-cultural.

Hoje tenho a fotografia como minha única ocupação profissional, diariamente me envolvo com ensaios, editoriais, eventos para cobrir,  produção e pós produção de fotos para ilustrar matérias em revistas, jornais e sites, além de ser “metido a rabiscar textos” para minhas postagens nas redes sociais.  Certa vez a respeitada jornalista e colunista alagoana, Gigi Accioly, escreveu sobre mim em uma matéria que produziu para sua revista, ” ...Hugo Taques é um profissional  inquieto, curioso, de um olhar atento e treinado para ver e captar a essência do belo quando fotografa..”, não poderia haver frase mais apropriada para definir aspectos da minha personalidade quando associado ao meu trabalho com a fotografia.

 Aqui em Maceió dediquei-me  à  fotografia publicitária, fotografia de moda/beleza/passarela e de  eventos, com fotos já publicadas em revistas de nível nacional como a CARAS e a internacional, Harper's Bazaar, também sou  colaborador  das 5 maiores e melhores revistas do estado e, em 3 delas,  possuo  uma coluna  onde divulgo meus trabalhos. Sou editor de um blog,  www.hugotaques.com,  e nele publico, exclusivamente,  minhas fotos de eventos relacionados a moda, além de postar diariamente nas contas  do  facebook  ( Hugo Taques )  e instagram (@hugotaques). 

 Agora e a partir de agora, rs, o mais novo e entusiasmado colaborador deste tão importante portal – Primeira Edição –  e do jornal impresso,  com uma coluna denominada Fotografia em Foco.

Apresentação feita, vamos ao trabalho...em breve novas postagens!

seta

Prêmio Selma Brito

30/08/2017 22:55

Em cerimônia realizada no restaurante Bodega do Sertão, no bairro da Jatiúca, em Maceió, na manhã desta terça-feira (29), aconteceu a entrega do 2º. Prêmio Selma Brito – Cultura Instrumento de Desenvolvimento, idealizado por Fafá Rocha e coordenado por Marcos Assunção, Eventur's Ltda, foram homenageados artistas, produtores, incentivadores e gestores culturais que, de forma significante, têm contribuído para o crescimento da cultura alagoana e nacional.
Entre os presentes estavam a secretária adjunta de Estado da Cultura de Alagoas, Rosiane Rodrigues; o presidente da Academia Alagoana de Letras, Carlos Méro; e os empresários Ferreira Hora e Nado Freire; além de convidados.
Cantor Igbonan Rocha fez a abertura da solenidade cantando, a Capela, os hinos nacional e alagoano, numa emocionante performance.

Veja cobertura fotográfica na sessão "Social"

seta

Primeira Edição © 2011