seta

392 postagens no blog

Mais uma criança morreu na guerra

26/09/2019 17:24

A lamentável morte da menina Ágatha deu origem a inúmeras matérias às quais não pareceu importante mencionar:

  • as infinitas culpas do crime organizado, principal causador de tais situações;
  • as simétricas responsabilidades de sucessivos governos tolerantes com a formação desses estados paralelos, criados pela covardia de bandidos que usam como escudo humano bairros inteiros das nossas cidades;
  • a cumplicidade de tantos, nos poderes de Estado, a fazer da tolerância com a criminalidade o gatilho ideológico que dispara sua utopia revolucionária;  
  • o falso humanismo que discursa do alto da torre de uma imaginária superioridade moral enquanto faz vítimas na vida real;
  • o lamentável papel desempenhado continuada e historicamente, nos meios de comunicação, pelos que soluçam em textos histéricos a cada bandido morto;
  • o criminoso mercado das drogas, das armas, dos veículos furtados, das cargas roubadas, que faz prosperar o crime, seus agentes e seus protetores.

A GloboNews, durante horas diárias de programação, conta bandidos afastados para sempre do serviço ativo, soma policiais mortos e abalados por problemas psicológicos, ouve familiares de vítimas. No fundo de tudo, a personagem errada das cenas é a autoridade policial, com o modo imperfeito ou impróprio de atuação. E o crime? Ora, o crime e a criminalidade devem ser parte da vida; e a polícia e a segurança pública, parte da morte.

É triste, muito, muito triste a perda de vidas inocentes! Estou inteiramente solidário com os familiares dos que comparecem às estatísticas dessa guerra.O que eu solenemente dispenso é o ataque frontal que alguns meios de comunicação estão promovendo à Polícia, instituição que sequer existiria se não houvesse a criminalidade e, especialmente, em nosso país, o crime organizado. Muito estranho o jornalismo zarolho, que ataca o efeito e não vê a causa. A Polícia não cometeria um único erro se não tivesse contra quem agir. Ou tantos contra quem agir, enxugando o gelo da permissividade processual penal.

O mundo do crime declarou guerra. É uma guerra assimétrica e multiforme. Ele dissemina o vício que debilita a sociedade e faz prosperar os criminosos. Não contente, mata. Mata na dependência, mata na guerra pelo ponto, mata para mostrar poder. Mata pelo valor de um telefone celular, pela cheirada de logo mais, porque o tremor não controla o dedo no gatilho. Mata 60 mil por ano. Organizado, dispõe de recursos incalculáveis e confronta a miséria do Erário.

De que modo entender matérias jornalísticas que, ou trabalham pelo avesso da verdade, ou são incapazes de arranhar a superfície dos fatos, como se, deliberadamente, pretendessem ocultá-los ao discernimento da opinião pública? Raspe a matéria, leitor. Faça uma “raspadinha” no conteúdo que lhe é apresentado e verá que diariamente, em todo país, milhares de homens e mulheres, a serviço da sociedade, saem de suas casas sem saber se vão voltar. Saem para enfrentar criminosos ante cuja conduta os adjetivos, as repreensões e as penas são tragados por certo jornalismo e por incerta justiça.

Tome, agora, o elevador social. Suba vários andares no edifício do banditismo. Desça lá no topo, nos grandes salões acortinados com seus sofás de couro, periodicamente redecorados à sua custa. Verá que ali, outro tipo de crime engravatado, a toda hora encobre pegadas, limpa digitais, toma dinheiro seu para pagar advogados; faz acordos, achaca o governo, extorque a nação. Observe como as notícias a respeito são frias como ata de assembleia de cotistas de fundo de investimento. Não há nelas um único adjetivo. Não revelam nem suscitam qualquer emoção. Raspe, então, a notícia. Veja como querem, agora, impropriamente, valer-se de Ágatha para destruir o pacote anticrime de Moro e restaurar a abstenção anterior. Conjugue os fatos e perceba o quanto tudo serve para serem escondidos os verdadeiros culpados e tenha curso a inculpação dos inocentes.

 

_______________________________
* Percival Puggina (74), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.

seta

Encontre Sugar Baby em Curitiba

17/09/2019 16:32

Curitiba, a 5ª cidade mais rica do Brasil, cresce no número de Sugar Daddies e Sugar Babies inscritos em site de relacionamento 
    A proposição dos relacionamentos Sugar é embasada na participação consensual entre um Sugar Daddy e uma Sugar Baby em uma relação em que amor e afeto dividem espaço com a compensação material. 
    E apesar de ser um tema ainda polêmico, tais relações estão gradualmente se tornando comuns em nossa sociedade.
    No Brasil, por exemplo, esses relacionamentos entre estão se tornando cada vez mais comuns. Dentre os estados brasileiros, a capital do Paraná, Curitiba é uma das mais ricas do Brasil e está entre os estados com maiores números de Sugar Daddies e Sugar Babies.
Como funcionam as relações Sugar? 

    Os relacionamentos Sugar são especificamente fundamentados na transparência dos objetivos e expectativas de ambos os envolvidos, ou seja são relacionamentos em que existe um acordo prévio e consensual onde os Sugar Daddies e as Sugar Babies sejam beneficiados.
    A diferença entre o relacionamento Sugar e uma relação convencional, está na honestidade com que as expectativas são expostas, neste tipo de relacionamento é essencial que tudo que se quer e espera um do outro seja sempre deixado as claras. 
É uma relação onde a comunicação honesta, e o consentimento andam de mãos dadas.
Sugar Daddy

     Um Sugar Daddy é um homem poderoso e bem-sucedido financeiramente que se relacionam com mulheres atraentes geralmente mais jovens.
    São homens generosos que gostam de mimar suas parceiras, com regalias financeiras, presentes, jantares e até mesmo viagens. 
    Estão confortáveis para discutir e negociar os aspectos da relação deixando bem claro o que podem oferecer e o que esperam de suas parceiras. 
Sugar Baby
    Geralmente mulheres atraentes e jovens que estão no começo de suas carreiras acadêmicas ou começando suas vidas profissionais. 
    Sugar Babies são inteligentes e ambiciosas e estão em busca de não só um estilo de vida mais confortável e luxuoso, mas também uma ponte de conexões profissionais. 
    São mulheres confiantes e seguras que não aceitam menos do que merecem. 

    As relações Sugar são baseadas nos benefícios mútuos entre os Sugar Daddies e suas Sugar Babies. Suas relações se dão no equilíbrio entre o carinho e a compensação material. 
    Portanto, para que o relacionamento tenha sucesso, é preciso que haja riqueza, e por isso a 5º cidade mais rica do Brasil, Curitiba, entra na lista das capitais onde o número de Sugar Daddies e Sugar Babies estão em expansão.
    A riqueza econômica de Curitiba se deve em partes à população de mais de três milhões de habitantes e a cidade também se destaca por ter a economia mais forte do sul do país.

    Na plataforma de relacionamentos https://www.meurubi.com , em um levantamento feito a respeito do número de usuários, mostra que entre os inscritos do estados do Paraná, os curitibanos representam em torno de 54% dos cadastros do https://www.meurubi.com 
    O Meu Rubi é a rede social que cria a ponte entre Sugar Daddies e Sugar Babies do Brasil que estão em busca de um relacionamento Sugar verdadeiro cheio de benefícios.

seta

O comportamento suicida

11/09/2019 08:32

O suicídio é o ato de retirar a própria vida,, porém, pode ser evitado se identificarmos os sinais. “A maioria dos suicidas pede ajuda antes, ou seja, é mito que a pessoa que quer se matar, não pede socorro. O suicida não quer morrer, quer aliviar seu sofrimento. O que faz com que alguém cometa suicídio intencionalmente, em geral, é uma dor emocional muito forte, onde a pessoa tem a impressão de que não há o que fazer ou como melhorar, senão cometendo o ato”, explica o Dr. Marcel Padula Lamas, psiquiatra do centro médico Consulta Aqui.

Há divergências na área científica sobre o suicida, alguns autores consideram suicídio apenas se cometido de forma intencional,  exemplo: o indivíduo que toma veneno ou se enforca), outros, são mais abrangentes, e englobam também, pessoas que têm comportamentos suicidas, como o diabético que come açúcar, o hipertenso que exagera no sal, até mesmo, o que ingere grandes quantidades de bebida alcoólica e depois dirige.

Existem também, doenças mentais que aumentam a chance do paciente cometer suicídio, como depressão unipolar ou bipolar, que está associada a 40% dos casos, seguido de etilismo (25%), esquizofrenia (10%) e delirium (5%). Sinais como os famosos "D"s: dor psíquica, depressão, desespero, desesperança, desamparo, dependência química e delirium devem ser notados com cautela, além da presença de fatores precipitantes e/ou predisponentes.

Os fatores precipitantes são agudos, geralmente passageiros na vida de alguém, e levam o indivíduo a tentar o suicídio, por exemplo, alta recente de hospitalização psiquiátrica, modificação de situação econômica e financeira, casos de baixa autoestima e graves preocupações.

Já, os predisponentes são crônicos e, em geral não podem ser mudados. Exemplos: Sexo masculino (cometem 4 vezes mais suicídio), feminino (3 vezes mais tentativas), idade (mais jovens tentam mais o ato, idosos conseguem o maior número), histórico familiar, tentativas prévias, presença de doenças físicas ou mentais.

"O principal é observar os fatores de risco na pessoa, acolhê-la, mostrar o quanto ela é importante, perguntar como está se sentindo e se mostrar disposto a ajudarMesmo que o paciente tenha fatores de risco importantes, mas não estiver com ideação suicida, o acompanhamento pode ser ambulatorial. Mas no momento em que a pessoa está com ideação suicida, é extremamente doloroso, portanto, não julgue e não arrisque! Leve-o à um psiquiatra urgentemente e não o deixe sozinho. Buscar essa ajuda o quanto antes, é essencial", finaliza.

Consulta Aqui:

Centro médico oferece exames e consultas a preços acessíveis.

Em um único lugar, o Consulta Aqui oferece mais de 20 especialidades médicas e diversos exames com agilidade e corpo clínico altamente especializado.

Com o slogan “Sua saúde no lugar certo”, o Consulta Aqui, localizado na Lapa, zona oeste da capital paulista, vem conquistando a cada dia mais clientes que encontram ali uma forma de realizar suas consultas e exames a preços competitivos em relação aos cobrados em clínicas e laboratórios da região.

Entre as especialidades médicas, o centro conta com Cardiologia, Bucomaxilo, Cirurgia Torácica, Cirurgia Geral, Cirurgia Plástica, Clínico Geral, Dermatologia, Endocrinologia, Fisioterapia, Gastroenterologia, Ginecologia, Neurologia, Oncologia, Hematologia, Ortopedia, Otorrinolaringologia, Pediatria, Pneumologia, Proctologia, Urologia e Cirurgia Vascular.

Contando com um corpo clínico especializado, o Consulta Aqui oferece ainda sessões de fisioterapia - motora, respiratória, neurológica, ortopédica, reumatológica e urológica – além de Reeducação Postural Global (RPG) e drenagem linfática pré e pós-operatória.

Disponibiliza também exames laboratoriais, passando por check-ups (clínico, cardiológico, ginecológico, urológico e pré-operatório), escleroterapia, lavagem de ouvido, até procedimentos estéticos não invasivos, realizados por cirurgiões plásticos e dermatologistas.

Entre os muitos benefícios concedidos aos seus clientes, o Consulta Aqui lançou seu cartão fidelidade. Com ele, além de desconto de 10% a partir da quinta consulta, ao atingir dez carimbos o cliente ganha uma consulta com o especialista de sua preferência.

Serviço:

Endereço:

Rua Barão de Jundiaí, 485 – Lapa - São Paulo – SP

Central de atendimento:  (11) 3838 4669

Site:  http://www.consultaaqui.com.br/

Planos de saúde credenciados

ABET – ALLIANZ – AMEPLAN – BRADESCO – CABESP - CARE PLUS - CET - FUNDAÇÃO CESP – GAMA – GEAP - LIFE EMPRESARIAL – MEDSERVICE - GRUPO NOTRE DAME - INTERMÉDICA SANTA AMÁLIA – PLASAC - PORTO SEGURO (FUNDAÇÃO ITAU) –  SÃO CRISTÓVÃO -  SEPACO – SBC SAÚDE - SIND. DAS BORRACHAS - SISTEMA TOTAL DE SAÚDE - SUL AMÉRICA

seta

Sabores de Corupá

03/09/2019 10:23

Minha terra, Corupá, a Cidade das Cachoeiras, o Vale das Águas encravado ao pé da Serra do mar, no norte de Santa Catarina, não é privilegiado apenas por suas belezas naturais. A pequena cidade, ainda um paraíso para se viver, não tem só as suas dezenas de quedas d´água, seus rios e montanhas, uma geografia das mais belas. Corupá tem sabores que só encontramos lá, naquela terra abençoada.

Não sei nem por onde começar. Acho que as passas de bananas, a popular banana seca, representa bem o que quero dizer, pois Corupá é a capital catarinense da banana. As passas de bananas produzidas lá são as melhores que conheço. E olhe que já experimentei muitas.

O Vale das Águas, apesar da grande vocação turística, é uma cidade primordialmente agrícola. Lá ainda se pode colher muita laranja, muita tangerina, além de xinxins, ponkans e limões. E a tangerina e a laranja, no seu tempo de maturação, são deliciosas e emprestam um matiz dourado aos morros do interior, evidenciando o quanto é rica aquela terra.

Ainda encontramos, em docerias da cidade, tortas de ricota da melhor qualidade. Mas não dá pra esquecer a torta de ricota (quando eu era menino, dizia-se torta de queijo branco ou requeijão) da saudosa dona Helena Thieme. Era uma delícia, era tradicional, era feita sempre da mesma maneira e tinha sempre o mesmo sabor. Acho que a receita se perdeu. Ou foi a mão de quem fazia?

Em Corupá também se faz um queijo de porco que não tem igual em nenhum outro lugar. O que é queijo de porco? Vou tentar explicar: todos os miúdos do porco – fígado, coração, rim, etc., mais pedaços de carne, são temperados e cozidos. Depois coloca-se em formas, conforme o formato que se queira, redondo, quadrado – e deixa-se esfriar. A parte líquida do cozido fica firme como um gelatina e dá pra cortar o “queijo” em pedaços. É muito bom. É calórico, como tudo que é bom, mas vale a pena. O pão de milho que se faz na zona rural de Corupá também é inigualável. E as carás, os lambaris e cascudos que a gente pescava na Cidade das Cachoeiras também eram fantásticos. Será que ainda os há?

Os biscoitos de melado (de Natal) que são feitos em Corupá são os melhores de que tenho notícia. Eles são escurinhos, crocantes e coloridos. E são de melado mesmo. 

Aipim com bacon também é uma coisa das mais saborosas que a gente pode comer em qualquer restaurante da cidade. E há muito mais. Mas voltar a Corupá é o mais gostoso, tem gosto de infância.

                              *******************************

Luiz Carlos Amorim é fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA em SC, com 39 anos de atividades e editor das Edições A ILHA. Ocupante da cadeira 19 da Academia Sul Brasileira de Letras. 
Editor de conteúdo do portal PROSA, POESIA & CIA. e autor de 32 livros de crônicas, contos e poemas, três deles publicados no exterior. Colaborador de revistas e jornais no Brasil e exterior – tem trabalhos publicados na Índia, Rússia, Grécia, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Cuba, Argentina, Uruguai, Inglaterra, Espanha, Itália, Cabo Verde e outros, e obras traduzidas para o inglês, espanhol, bengalês, grego, russo, italiano, francês -, além de colaborar com vários portais de informação e cultura na Internet, como Rio Total, Telescópio, Cronópios, Alla de Cuervo, Usina de Letras, etc. 
O autor assina, também, o Blog CRONICA DO DIA, em Http://lcamorim.blogspot.com 

Editor de conteúdo do portal do Grupo Literário A ILHA, em Http://www.prosapoesiaecia.xpg.com.br 

seta

Previdência, queimadas e desmatamentos da Amazônia

30/08/2019 10:59

Como brasileiro apartidário e apolítico, causam-me perplexidade as manifestações de parlamentares, especializados em contestar as ações de governos contrários às ideologias esquerdistas.

Essa forma birrenta de atuação é muito lamentável, pois, independentemente de paixões político-partidárias, os senhores parlamentares deveriam ter os interesses gerais da República sempre presentes,  como bandeira nacional.

Reforma da  Previdência  Social

Na audiência da Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado, sexta-feira 23, que tratava de reforma da Previdência, participava, entre outros, o deputado distrital Chico Vigilante (PT-DF), figura folclórica e de cultura educacional primária, o qual não sabe fazer outra coisa na vida senão viver da política e criticar as decisões de partidos contrários ao PT.

Não é nenhuma surpresa o PT afirmar que a reforma causa prejuízo aos mais pobres e se reveste de inconstitucionalidade. Essa ladainha de sempre já se tornou   mantra bastante surrado. Quando foi que o PT concordou com alguma medida que não tenha sido de sua lavra?

A recente reforma trabalhista para o país se modernizar e se desenvolver, acabando, por exemplo, com a obrigatoriedade do imposto sindical, que só forrava o bolso de biltres chefões sindicalistas, foi também e continua sendo replicada pelo PT.

O senador Paulo Paim (PT-RS) foi autor da PEC paralela, na reforma da Previdência do LULA, que violou direitos adquiridos ao aprovar a contribuição de 11% sobre as aposentadorias e pensões de servidores.

Como ousa agora o senador Paim, acompanhado por Chico Vigilante e outros mentecaptos, falar de inconstitucionalidade da reforma da Previdência? Na reforma protagonizada por  Lula, os direitos adquiridos de servidores foram solenemente desrespeitados, tanto que  a ex-senadora petista Heloisa Helena se rebelou e foi defenestrada do partido.

Por outro lado, concordo que se trata de uma reforma açodada, sem apresentar laudo de auditoria externa comprovando, de forma imparcial, a realidade do déficit e nem apontar a responsabilidade de seus autores. Mas a reforma se faz necessária para ajustar a Previdência aos tempos atuais, corrigindo distorções.

Desmatamento da Amazônia

Por acaso, as queimadas e os desmatamentos inexistiam nos governos do PT? Com todo o respeito, considero pura demagogia e hipocrisia o senador Paim vir agora declarar preocupação com o desmatamento.

Não fosse o destempero verbal do presidente Jair Bolsonaro, que só pensa depois que fala, e compra briga desnecessária, o mundo não estaria agora se reportando apreensivo às queimadas e ao desmatamento da Amazônia, e nem o senador Paim e o deputado distrital Chico Vigilante estariam censurando a política ambientalista do presidente Bolsonaro.

Júlio César Cardoso

Servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

seta

Primeira Edição © 2011