seta

365 postagens no blog

Muniz Falcão – 51 anos de lealdade e honestidade

26/02/2019 17:52

Em 1965 no auge da revolução de 1964 houve um pleito eleitoral histórico com os candidatos Muniz Falcão para governador e Cleto Marques Luz, vice-governador, eles candidatos da oposição foram super-combatidos por parte de alguns candidatos governistas ao mesmo cargo.

No decorrer do pleito, Muniz Falcão e Cleto Marques acompanhados por outros amigos de fé, não tiveram tempo suficiente nem recursos financeiros para contatos políticos na capital e demais cidades alagoanas.

Com todas essas dificuldades, Muniz Falcão e Cleto Marques saíram vitoriosos do referido pleito, porém, uma manobra antidemocrática impedira as posses de Muniz e Cleto, de saudosas memórias.

Muniz Falcão, após o pleito faleceu no hospital Português em Recife com a idade de 51 anos, sepultado aqui em Maceió, no cemitério N.S. da Piedade no Bairro do Prado, com grande número de pessoas jamais vista em outros sepultamentos, de acordo com dados divulgados pela imprensa falada e escrita.

No momento do seu sepultamento foram rasgados e jogados em cima do seu túmulo grande quantidade de títulos eleitorais de pessoas revoltadas.

Após o seu falecimento em 14 de junho de 1966, faltando 111 dias para a eleição de três de outubro do mesmo ano foram eleitos mais votados os seus irmãos:

 Camucé Muniz Falcão – Vereador Maceió

 Alcides Muniz Falcão - Deputado Estadual e

 Djalma Muniz Falcão – Deputado Federal, sem ocuparem gráficas para produzir propaganda eleitoral

 

Depoimento do Ex-Senador Alcides Muniz Falcão.

seta

Novo golpe no Whatsapp oferece vagas de emprego

20/02/2019 17:01

O início do ano é um período no qual muitas pessoas estão procurando emprego. Aproveitando esse momento de predisposição para encontrar novas oportunidades, criminosos estão enviando pelo WhatsApp links falsos de anúncios de vagas de emprego.

Criminosos criaram uma mensagem falsa que oferece vagas de trabalho para o SAMU, com remuneração de até R$3.348,21. Segundo a ESET, empresa especializada em segurança digital, cerca de 6 mil pessoas já caíram no golpe.

De acordo com o Diário prime o falso informativo contém um link em que o usuário do WhatsApp seja redirecionado para participar do suposto processo seletivo. Ao acessar o link, a vítima é direcionada para outra página. O site exibido pede que dados sejam preenchidos para que o suposto processo seletivo tenha continuidade, não sendo possível prosseguir sem o preenchimento dos mesmos.

Após o preenchimento das informações, o site solicita que, para que o usuário comprove que não é um robô, a vaga seja encaminhada para 10 pessoas ou grupos no WhatsApp e, assim, terá o direito de encaminhar o currículo.

Na tentativa de dar mais credibilidade ao golpe uma imagem que simula comentários de usuários nas redes sociais é exibida. Segundo a montagem, um post sobre a vaga teria recebido mais de 52 mil comentários.

Fuja dos golpes

Para evitar cair em golpes do WhatsApp, não clique em link que oferecem, brindes, descontos ou vantagens exageradas. Busque confirmar as informações no site oficial da empresa ou no perfil verificado de alguma rede social.

Por último, ao identificar uma situação de risco, não compartilhe a mensagem com outras pessoas.

[caption id="attachment_8514" align="aligncenter" width="487"]

Novo golpe no Whatsapp. Foto: Pixabay[/caption]

Segundo o Ministério da Saúde, para saber sobre possíveis editais do SAMU, é necessário procurar a Secretaria de Saúde Municipal. E afirma que é um boato a informação sobre contratações de forma emergencial profissionais sem experiência pelo SAMU.

ATENÇÃO

A ESET listou abaixo algumas dicas de segurança para que os usuários possam evitar ataques deste tipo:

  • Não acesse links que aparentemente sejam suspeitos.
  • Procure sempre avaliar a credibilidade e a fonte das informações.
  • Não divulgue informações a pedido de sites ou e-mails.
  • Evite fazer cadastros em sites pouco conhecidos.
  • Tenha fontes de proteção sempre ativas e atualizadas em todos dispositivos que contam com acesso à Internet.
  • Tenha cautela ao baixar/acessar qualquer tipo de arquivo na Internet.
seta

Fim do horário de verão pode desregular o sono

12/02/2019 13:26

Neste fim de semana, a partir das 00h do dia 17, chega ao fim o horário de verão. Os relógios devem ser atrasados em uma hora, nas regiões, Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país. Com a mudança, é comum que muitas pessoas estranhem e demorem para se acostumar, o que pode atrapalhar o sono e causar desconforto na hora de dormir.

De acordo com a Consultora do Sono da Duoflex, Renata Federighi, o corpo é regulado pelo ciclo circadiano, uma espécie de relógio interno que identifica a duração dos períodos luminosos e não luminosos (dia e noite) e é responsável por ajustar as funções fisiológicas no período de 24 horas, aproximadamente. “Nosso relógio biológico está acostumado com horários regulares para dormir e acordar. Quando essa rotina é quebrada, o organismo leva um tempo para se adaptar. Por isso, é possível sentir oscilações de sonolência e energia em determinados períodos”, explica Renata.

Essa alteração pode causar irritabilidade, estresse e baixa produtividade. Cansaço, fraqueza muscular, dores de cabeça, mau humor, alteração do apetite e diminuição na capacidade de concentração são outros sintomas muito comuns.

Nesta mudança o relógio atrasa, ou seja, “ganhamos” uma hora e por isso as pessoas muitas vezes vão dormir mais tarde. Para que o indivíduo não sofra com os distúrbios citados é aconselhável organizar a rotina aos poucos. A consultora sugere que essa “hora extra” deve ser usada para descansar. “Duas semanas antes do fim do horário de verão, tente também ir para cama 5 minutos mais cedo a cada dia. Esta mudança gradual vai ajudar na adaptação quando o relógio atrasar uma hora.”

Além disso, é apropriado evitar refeições muito pesadas no dia da mudança, principalmente no fim do dia. Alimentos muito pesados para a digestão e bebidas energéticas, como café e alguns chás, podem prejudicar o sono. Aproveitar a luz do dia para praticar exercícios é ideal. Nesse período de adaptação é mais adequado optar por atividade mais leves, como yoga ou pequenas caminhadas. Caso faça exercícios mais pesados, é indicado praticar, no máximo, até três horas antes de ir para a cama, para que a liberação de endorfina não prejudique o sono.

Para se acostumar aos relógios adiantados, a “higiene do sono” também pode ajudar. O termo consiste na organização ou mudança de alguns hábitos para melhorar a qualidade do sono. Ingerir bastante líquido, manter o ambiente silencioso, arejado e escuro, e escolher um travesseiro adequado ao biótipo e a postura ao dormir, também são importantes para um sono relaxante.

“O travesseiro deve preencher o espaço entre a cabeça e o colchão, em um ângulo de 90º no pescoço, mantendo a coluna cervical e lombar sempre alinhadas. O recomendado é dormir de lado com as pernas semiflexionadas com um travesseiro baixinho entre elas para evitar a rotação da coluna e os atritos entre os joelhos e os tornozelos”, orienta a consultora da Duoflex.


 Sobre a Duoflex
Empresa 100% nacional e referência mundial em tecnologia do sono, a Duoflex está presente há mais 25 anos no mercado, totalmente focada na produção de travesseiros de espumas especiais de alta qualidade e performance, voltados para a saúde e o bem-estar de seus usuários. Lançou, com exclusividade no Brasil, a espuma especial viscoelástica NASA, além de ter sido a primeira empresa da América do Sul a fabricar travesseiros de látex natural, extraído da seringueira. Dentre os diversos modelos, desenvolveu e patenteou o mais avançado sistema de molas em travesseiros, o Spring Case, que garante conforto e sustentação ideais para o sono. Criou também o inovador travesseiro Altura Regulável, o original e refrescante travesseiro GELFLEX NASA e o recém lançado travesseiro BEAUTY FACE, que ameniza a formação de rugas durante o sono, reforçando assim sua imagem como empresa inovadora. Site: www.duoflex.com.br

seta

Vale, triste momento atual

06/02/2019 10:16

Vamos falar da ação da Vale? Neste momento a abordagem é simplesmente técnica, uma vez que temas éticos e morais devem ser tratados em outros fóruns. São tantas vidas que se perderam que não haveriam palavras para dissertar por esta abordagem ... muito, muito triste mesmo.

A pergunta é: qual será o comportamento dos papeis da Vale nos próximos dias? Difícil tentar uma previsão, mas certo é que os mercados punirão estes papeis, por considerar que as incertezas aumentaram e que a companhia tem vários riscos novos no ar. Com certeza as punições acontecerão e multas pesadas virão, mas, ninguém consegue definir o tamanho. As medidas judiciais de bloqueio aconteceram, mas em caráter liminar e não ainda definitivo. As licenças de operação da Vale foram suspensas nestes complexos, mas o que acontecerá com os outros? Vale lembrar que o complexo Ferteco, localizado no lindo município de Brumadinho e região responde por 6 a 7% da produção total da Vale.

E o que falar da reincidência da empresa? Quanto custará isto para uma das maiores empresas do país?

E no exterior, como os clientes da Vale irão se comportar? Deixariam eles de comprar minério da empresa por conta do acidente e da perda acentuada de vidas? Vale lembrar que reconhecidamente a produtividade do minério da Vale é bem acima de seus concorrentes. Interessante que na sexta-feira (25), após divulgação do acidente no mercado internacional, as ações de empresas concorrentes tais como Rio Tinto e BHP subiram.

E os principais acionistas da Vale tais como Mitsui e Bradesco, como enfrentarão este momento? Quanto custa para implementar um plano de contingência nestas barragens, para realmente colocar fim a riscos destes e por que não foi executado? É viável?

Também é incerta qual será a profundidade na punição da empresa pelo governo do presidente Bolsonaro e do Governador Zema.

Por ser uma das maiores empresas pagantes de impostos no país e em Minas Gerais, manter a solidez da empresa também deverá ser de consenso aos governos. Neste momento de aperto fiscal e necessidade de manter as arrecadações, o impacto de uma redução no tamanho de uma empresa como a Vale seria desafiado. Mas até clarificar este horizonte de incertezas, uma coisa é certa: a instabilidade e volatilidade na ação serão altos.

E quem possui a ação, o que fazer?

É complexo dizer, mas quem carrega o papel visando longo prazo e recentemente teve impacto destas quedas acentuadas, pode ter uma oportunidade de melhorar um preço médio em algum momento. A dúvida é qual seria o fundo do poço e a que nível o papel atingiria o menor nível. O preço está relacionado ao lucro e é totalmente impossível prever com exatidão qual o impacto do acidente no lucro da Vale e a futura projeção.

Quem estava comprado no papel visando ganhos de curto prazo e agora tem perdas fortes, o menor prejuízo é aquele que você sabe qual é, vender e realizar as perdas seria recomendável neste momento.

Com certeza comprar o papel agora é precipitado diante de um número muito grande de incertezas.

As ações da Vale vinham bem por conta do potencial de distribuição de dividendos, mas atualmente como pensar em distribuição se a prioridade do management da cia será mitigar todos os impactos que virão e garantir a continuidade da empresa?

Enfim muita coisa pra vir e definições a serem tomadas. Fatores como apetite de risco e tempo no horizonte devem ser fundamentais para determinação sobre como posicionar as carteiras de cada investidor.

Por Julio Lage, sócio e CEO do grupo Belvedere 

seta

O grande engodo

30/01/2019 17:57

Assistimos a cada dia, a cada semana, a cada mês, há mais de dois anos, capítulos de uma novela que não termina, como tantas outras, sobre as mudanças que salvarão o Brasil da miséria, da fome, do desemprego, da violência, do sucateamento da saúde, da precariedade da educação básica e superior, das polícias, dos presídios.

Lamentavelmente as mudanças parecem se resumir em uma só: “Reformar a Previdência Social”.

A declaração é atribuída a entidade fantasma: o mercado, seja os que tem muito dinheiro e aplicam em ações e títulos públicos e privados.

Ora, meus senhores, já vimos esse filme várias vezes, com Sarney, Collor, FHC, Lula, Dilma, Temer e agora Bolsonaro, querendo usar a reforma “Frankenstein” de Michel Temer. Brincadeira!

FHC, Lula e Dilma fizeram reformas em nome de reduzir privilégios e déficit e nada disso aconteceu. Só ampliaram o favorecimento de um mercado que não quer saber de programas sociais, só de lucros em aplicações financeiras.

Não há no mundo civilizado uma linha sobre o Brasil, a economia brasileira.

Dizer que as bolsas de Nova Iorque, Paris, Frankfurt, Xangai, Hong Kong, Tóquio, exigem a reforma da Previdência é uma farsa do engodo que dimensiona a tragédia nacional.

Ninguém fala em reduzir a dívida pública que suga a poupança nacional beneficiando justamente total mercado de um neoliberalismo perverso e não tem paralelo em economias capitalistas modernas.

Ninguém fala que o problema principal da Previdência Pública (RGPS) está no seu financiamento e não fiscalização e cobrança dos que se beneficiam como o agronegócio (que deixa de pagar R$ 100 bilhões/ano), bem como os as renúncias, (principalmente de filantrópicas, agronegócio, Supersimples e Mei), as desonerações, os Refis e os subsídios, com contribuição de 50% e benefícios dede 100%.

É certo que a Previdência da União, estados e Municípios (os chamados regimes próprios) está no fundo do poço, mas os militares nunca pagaram. Estados e Municípios recolhem dos servidores e não pagam o INSS ou transferem por seus fundos.

Preocupo-me, como previdenciário há 40 anos, com o RGPS, com o INSS.

Todos que fizeram a reforma da reforma da Previdência não economizaram um tostão. Pelo contrário, escancararam os ralos com os Refis e mais Refis para honrar seus compromissos com os financiadores de seus partidos e políticos os caloteiros públicos (mais de R$ 100 bilhões para estados e municípios, uns R$ 500 bilhões para indústria, comércio, transformação e serviços, e R$ 20 bilhões para o agronegócio.

O novo ministro fala que a inadimplência é de 40%. Por que não cobra deles, primeiro. Por que não cobra a dívida ativa que cresce exponencialmente e ainda entrega a PGFN, que deveria cobrar a dívida ativa, a parasitas e incompetentes?

O novo ministro fala em 40 milhões de informais. Porque não buscar mecanismos para que paguem corretamente se sonham em se aposentar?  Que paguem 50% e tenham um benefício de 50%. É correto. Não como fizeram Lula e Dilma que em nome da inclusão previdenciária criaram seis novos funrurais que, se não forem revistos com urgência, vão implodir o RGPS mais adiante?

O ministro fala em ralos. Por que que não acabar com renuncias, desonerações, Refis.  Benefícios criados sem o devido custeio, para agradar a base política na base do toma lá dá cá?

O modelo previdenciário brasileiro é ímpar, no mundo contemporâneo. O ministro não fala nos R$ 1,5 trilhão dos ativos da previdência complementar aberta dos planos e fechada dos fundos. Nenhum país como nosso tem ativos que financiam 100% a dívida pública a paga 31 milhões de aposentados e pensionistas; 4,5 milhões de benefícios assistenciais e financia quase 70% dos municípios e ainda é a maior redistribuidora de renda.

O novo ministro fala em copiar o modelo chileno totalmente falido e com os aposentados na miséria. Modelo criado pelo irmão do atual presidente na ditadura chilena e que ele está revendo. Lembremo-nos que o Chile não tem 20% da população do Brasil (são 18.5 milhões para 205 milhões!).

O novo ministro fala em instituir o regime de capitalização, mas na realidade é instituir a previdência sem contribuição patronal, (sonho de todo empresário é deixar que o trabalho se vire) o que inexiste no mundo. Se existe diga onde.

Fala em mudar o modelo alemão, modelo perverso, um sistema orientado somente pela remuneração, privilegiando somente os de alta remuneração, sem o regime de solidariedade. Os alemães pobres, com remuneração baixa dependem na velhice de ajuda social do governo. 

O ministro erra redondamente quando acha que o regime de repartição simples está superado. Nem a Escola de Chicago acha!

O grande engodo foi nos enganar que fariam a reforma necessária, com quem entende de Previdência, os previdenciários, mas me parece que já vem um prato feito e requentado para atender os interesses de banqueiros   e de seguradoras e de investidores ávidos e sequiosos pelos rendimentos de ações.

Nosso novo presidente pregou durante sua campanha esperança, mudanças, doa a quem doer, acabar com as desigualdades, acabar com a violência, sem roubar e sem mentiras.

Prefiro admitir que quem mente também rouba, corrompe, pois rouba o direito de se saber a verdade do que está por trás da reforma da Previdência, RGPS e Regimes Próprios.

(*) Paulo César Régis de Souza é vice-presidente Executivo da Associação Nacional dos Servidores Públicos, da Previdência e da Seguridade Social - Anasps.

seta

Primeira Edição © 2011