Que economista é esse?

22/02/2021 16:18

A- A+

Geraldo Câmara

compartilhar:

                          Até os mais leigos sabem que o preço dos combustíveis influencia diretamente no aumento dos preços quase que de maneira generalizada. Que o Brasil, infelizmente é um país que não optou pelo transporte ferroviário, muito menos pelo fluvial e que, desgraçadamente utiliza as estradas, que também não são boas, para o escoamento de uma produção importantíssima para o seu próprio equilíbrio fiscal. No entanto, os “experts” estão aí submissos – assim o dizem – a uma política de preços internacional que envolve o balançar do dólar e os preços dos barris de petróleo no mercado externo fazendo com que a ciranda de preços dos combustíveis no Brasil seja uma indesejada realidade. Ora, até aí, tudo bem, quer dizer, tudo bem não! Mas permitir que uma gasolina, por exemplo, suba seus preços em dois meses em até 37 por cento, prometendo não parar por aí porque o governo diz que não pode fazer nada em se tratando de Petrobrás, me parece uma grande falácia. O economista de plantão deve saber que pode emergencialmente mexer nos impostos federais e também convencer governadores da necessidade, também emergencial, de abrirem mão de parte dos incríveis ICMSs que sufocam os consumidores de todos os níveis. Também sei que mexer em impostos não é o mais correto mas, o que fazer então? Por outro lado, que política é essa que, em função dos problemas internacionais também provoca o aumento dos preços do nosso nacionalíssimo etanol ? Porque, enquanto acompanhamos para a gasolina, o diesel e o gás de cozinha os preços dos barris lá fora, o álcool sai acompanhando no varejo os preços finais daqueles produtos. A propósito de que, senhor economista Paulo Guedes? O povo brasileiro quer entender.

Primeira Edição © 2011