Fernández lamenta que Bolsonaro "não entenda" gravidade da pandemia

30/03/2020 18:57

A- A+

EFE

compartilhar:

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, lamentou nesta segunda-feira que Jair Bolsonaro "não entenda a gravidade do problema" da pandemia do novo coronavírus, o que, na visão do mandatário argentino, "complica" a situação regional.

"É claro que complica, e lamento muito que ele não entenda a gravidade do problema. Isso me preocupa muito", expressou Fernández em entrevista à "Radio con Vos", de Buenos Aires, ao ser perguntado sobre as atitudes do presidente brasileiro a respeito da pandemia.

"Em outro dia, conversando com Andrés Manuel López Obrador, falei de minha preocupação com o Brasil. Pois o Brasil é 70% do produto interno bruto (PIB) sul-americano e nosso principal parceiro econômico. A verdade é que tememos que, com esta lógica, entre na mesma espiral que entraram Itália e Estados Unidos, que quando adotaram a quarentena já era tarde e não tinham como parar a queda", declarou Fernández.

O mandatário argentino afirmou que López Obrador "entendeu" a gravidade do problema, embora inicialmente tenha incentivado a população mexicana a sair normalmente às ruas e não se isolar em casa.

"Acho que Andrés Manuel entendeu que o assunto era perigoso demais do que pensou inicialmente. De fato, está tomando medidas agora, inclusive o discurso que fez no G20 é um discurso que levou em conta as medidas que estão sendo tomadas", analisou.

 

SEM MEDO.

A Argentina registra 820 casos confirmados de pessoas com coronavírus, das quais 21 morreram, segundo informaram autoridades sanitárias nesta segunda-feira.

Fernández afirmou que todas as manhãs cumpre a rotina de caminhar 5 quilômetros. Segundo ele, "é um momento para movimentar o corpo, relaxar e se desintoxicar um pouco" em meio à crise de saúde.

"Inevitavelmente, vamos passar um mau bocado, mas quero que doa o mínimo possível", disse o presidente, que disse não sentir medo.

"Não sei se a palavra que me cabe é medo. Sinto que nessas horas fico mais racional, e então começo a ver como esse momento passa e como supero o que tenho que viver, o que é ruim, mas tenho que viver. Que me estremece, me estremece", confessou.

Primeira Edição © 2011