Núcleo de tratamento auxilia pessoas a parar de fumar

06/09/2018 18:31

A- A+

Ascom SMS

compartilhar:

A aposentada Cármen Vilani Pinheiro, de 75 anos, é uma das 20 pessoas contempladas com o novo Núcleo de Tratamento do Tabagismo, inaugurado na manhã desta quinta-feira (6), na Unidade de Saúde da Família Durval Cortez, no Prado. Fumante desde os 11 anos, ela contou que quer comemorar os 50 anos de casada, em 2019, sem o vício.

“Eu já tentei parar de fumar, já disse para a minha família que tinha parado de fumar, mas fumava escondido, estive internada e tive uma crise violenta de abstinência. Esse grupo vai trazer muitos benefícios e é perto da minha casa, porque eu não tinha como ir para a Praça da Maravilha (2º Centro), e os médicos já disseram que eu não posso fumar de jeito nenhum mais”, contou Dona Cármen.

Gilda Teodósio, coordenadora do Programa Municipal de Controle e Cessação do Tabagismo, explicou a importância da criação de mais um centro de tratamento, que conta com médico, fisioterapeuta, nutricionista, educador físico, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, psicólogo, enfermeiros e os agentes de saúde da unidade.

“O que nos fez lançar aqui essa nova unidade foi a procura da região, porque muitas pessoas não tinham a disponibilidade de se deslocar daqui para o 2º Centro. E a partir do momento que as pessoas nos procuram e dizem que querem parar de fumar, 50% do tratamento já está concluído, então o resto é só o apoio, a força de vontade e não desistir”, disse Gilda.

O psicólogo da unidade, José Benedito dos Santos, atuará no núcleo. Ele explica que o tratamento levará benefícios não apenas na questão de cessar com o vício e sim de uma maneira geral para a saúde. “Nós percebemos que as pessoas que são usuárias do tabaco, geralmente são depressivas e com alto nível de ansiedade. Então tratar o tabagismo é também tratar doenças psíquicas, é cuidar da nutrição, da atividade física, ou seja, é um trabalho que extrapola a questão do parar de fumar”, frisou.

O motorista socorrista Genival Teixeira será auxiliado pelo tratamento. Com 38 anos de idade, fuma há 19. “Chegou uma hora que eu não estou aguentando mais, então decidi parar. Eu sinto falta de ar, insônia, tudo isso o fumo prejudica. E agora que estou na área de saúde, eu vejo outros pacientes com problemas por causa de cigarro, e hoje decidi dar um ponto final”, relatou.

De acordo com Maria Helena Santa, gerente da Promoção e Educação em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a intenção é ofertar núcleos de tratamento cada vez mais próximos das comunidades. “Nós temos avançado esse anos, conseguimos implantar na Dídimo Otto, na unidade do Jacintinho, e estamos em fase de formação e implantação no sistema prisional, que será inicialmente para o funcionários e depois para os reeducandos, e é um ganho muito grande pra população e pra gente conseguir efetivar a promoção da saúde na comunidade”, contou.

Primeira Edição © 2011