Inteligência do Afeganistão dá por morto chefe do EI no país após bombardeio

26/08/2018 15:27

A- A+

EFE

compartilhar:

A principal agência de inteligência do Afeganistão, o Diretório Nacional de Segurança (NDS, na sigla em inglês), deu por morto neste domingo o líder do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no país, Saad Arhabi, após um bombardeio realizado ontem à noite no leste do país em parceria com as tropas americanas.

"Com base em informação do NDS, ontem à noite por volta das 22h05 (14h35 em Brasília) aconteceu um bombardeio na aldeia de Jangal Keli, (na província de) Nangarhar, e, como resultado, morreu o líder do EI no Afeganistão, Saad Arhabi, junto com outros dez insurgentes", afirmou o NDS em comunicado.

Segundo a agência de inteligência afegã, no bombardeio também foram destruídos alguns esconderijos nos quais os insurgentes armazenavam armas e explosivos.

O porta-voz do governador de Nangarhar, Attaullah Khogianai, confirmou em comunicado a morte do líder do grupo jihadista no Afeganistão e dos outros dez insurgentes.

Por sua vez, o porta-voz adjunto do Palácio Presidencial, Hussain Murtazawi, assinalou em uma mensagem no Twitter que a morte do líder do Estado Islâmico no Afeganistão "é um sinal claro" de como o governo afegão enfrenta o terrorismo.

A missão da OTAN no Afeganistão, por outro lado, só confirmou que "as forças americanas fizeram um bombardeio" ontem à noite que tinha como alvo "um líder de uma organização terrorista", segundo disse à Agência Efe o seu porta-voz, Martin O'Donnell.

Sobre a identidade do líder terrorista alvo do ataque em Nangarhar, O'Donnell se remeteu à mensagem de Murtazawi no Twitter, sem fornecer mais detalhes.

Fronteiriça com o Paquistão e crucial na ligação entre os dois países, Nangarhar serve de principal bastião ao Estado Islâmico desde o seu surgimento no Afeganistão em 2015.

Desde que o EI começou a operar no país asiático, foram confirmadas as mortes de pelo menos dois de seus líderes.

Em abril de 2017, o antigo chefe do EI no Afeganistão, Abdul Hasib, morreu em uma operação das forças afegãs e dos EUA em Nangarhar, três semanas depois que Washington lançou na região uma das bombas mais potentes de seu arsenal convencional com o objetivo de destruir um dos últimos bastiões do EI.

Apenas nove meses antes, em julho de 2016, outro ex-líder do grupo, Hafiz Sayed Khan, morreu em um bombardeio americano também em Nangarhar.

Desde 2015, e apesar de as autoridades afegãs reafirmarem diversas vezes que reduziram sua presença para poucas áreas remotas, o grupo jihadista reivindicou a autoria de alguns dos atentados mais violentos no país.

Primeira Edição © 2011