Júlio Cocielo é acusado de racismo; relembre polêmicas envolvendo youtubers

03/07/2018 19:34

A- A+

Famosidade

compartilhar:

No último sábado (30), durante o jogo da França contra Argentina, Júlio Cocielo se envolveu em uma polêmica de racismo ao fazer piada com o craque Mbappé. O youtuber afirmou que com a alta velocidade que alcança, o jogador teria talento para ‘arrastões’, o que não agradou os internautas.

Os usuários da rede social, contudo, logo se mostraram contra a declaração do comediante e promoveram uma verdadeira ‘caça às bruxas’, desenterrando diversos tuítes antigos, de cunho preconceituoso, do jovem.

Após o ocorrido, o humorista chegou até a perder patrocínio de quatro marcas com quem tinha parcerias.

No entanto, essa não é a primeira vez que um influenciador se envolve em situações controversas. Confira, a seguir, dez youtubers que já se envolveram em polêmicas parecidas:

Em 2015, Nicole Arbour teve seu canal excluído temporariamente após compartilhar um vídeo onde ridicularizava pessoas gordas. Na ocasião, a youtuber disse que a forma física seria motivo para “vergonha”, o que revoltou os usuários, que denunciaram a publicação até esta sair do ar.

Em 2016, Kéfera Buchmann foi acusada de racismo após realizar uma paródia da música “Work”, de Rihanna e Drake. Na ocasião, internautas ressaltaram que Gustavo Stockler, seu ex-namorado que participou do clipe, teria feito blackface, termo utilizado para se referir a atores que pintam o rosto para interpretarem negros.

Mauro Morizono, o Japa, foi duramente criticado depois do lançamento de seu livro, “O Diário do Japa”. No exemplar, o influenciador revelou detalhes íntimos de como foi perder sua virgindade com Maju Trindade, sua ex-namorada, o que fez internautas ficarem revoltados. Em resposta, o rapaz pediu desculpas e revelou que, além de a obra não ser de sua autoria, não havia chegado a ler o que foi escrito.

Viih Tube foi outra que se envolveu em um caso delicado ao compartilhar um vídeo em que aparecia cuspindo na boca de seu gato. O caso revoltou ativistas e, além de ter seu canal temporariamente deletado, uma ONG de proteção aos animais chegou a anunciar que processaria a jovem por maus tratos.

PewDiePie, dono do maior canal do YouTube, chegou a perder patrocínio da Disney e do Google após fazer piadas antissemitas em seus vídeos. O youtuber tinha cerca de 9 gravações em que fazia apologia ao nazismo e à violência contra judeus.

Em 2017, Logan Paul, youtuber norte-americano, recebeu ataques ao compartilhar um vídeo em que mostrava uma pessoa morta durante gravação na floresta Aokigahara, no Japão – conhecida por ser palco de diversos casos de suicídio. Na época, o YouTube chegou a condenar o ato em um comunicado público.

Após a situação com Cocielo, Felipe Castanhari foi às redes para defender seu colega de trabalho e acabou em uma situação igual. Internautas descobriram um comentário, feito em 2012, em que o rapaz fez piada com abuso sexual.

Lucas Elioti, conhecido como T3ddy, deixou alguns seguidores ofendidos ao fazer desfeita de cabelos crespos e cacheados.

Uma declaração de Christian Figueiredo, de 2012, também veio à tona. O jovem fez uma brincadeira que promovia a violência contra a mulher. O que, claro, não deixou os seguidores nada felizes

Primeira Edição © 2011