Transplante Renal - Entrevista com Dr.Erick Acerb Barbosa

O transplante renal é atualmente a melhor forma de tratamento para o paciente com insuficiência renal crônica,

29/01/2018 15:42

A- A+

Assessoria de Comunicação Hospital vida

compartilhar:

No mês de setembro de 2016 o Hospital VIDA tornou-se uma instituição habilitada e cadastrada no SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTE (SNT) para realização de todos os tipos de TRANSPLANTE RENAL e CAPTAÇÃO DE ORGÃOS E TECIDOS sob a coordenação do Dr. Erick Acerb Barbosa. Em Dezembro de 2017, foi realizado no Hospital Vida o primeiro transplante renal intervivos.

SERVIÇO DE TRANSPLANTE RENAL – HOSPITAL VIDA

O transplante renal é atualmente a melhor forma de tratamento para o paciente com insuficiência renal crônica, tanto do ponto de vista médico, quanto social e econômico. Ele está indicado quando houver insuficiência renal crônica (IRC) em fase terminal, estando o doente em diálise ou mesmo em fase pré-dialítica.

Através de uma cirurgia o rim sadio oriundo de um doador falecido ou vivo é implantado no abdome daquele portador da doença renal, passando esse a exercer as funções dos rins doentes.

Algumas das principais funções que esse novo rim passar a exercer no organismo:

- Eliminar as impurezas através da filtração do sangue

- Regular a pressão arterial

- Produzir hormônios

- Estimular a produção de glóbulos vermelhos

- Participar na formação e na manutenção dos ossos

O indivíduo transplantado tem uma qualidade de vida muito próxima da normal. Não necessita de nenhuma forma de isolamento ou de qualquer cuidado especial. Por outro lado, necessita de um segmento continuado pelo seu médico com visitas semanais no período inicial do acompanhamento e espaçamento progressivo até realizá-las semestralmente.

Para isso a doação de um órgão deve ser um ato espontâneo de amor ao próximo e deve ser totalmente desprovida de qualquer forma de interesse. Todo indivíduo sadio tem condições de viver com um único rim sem prejuízo da qualidade de vida, nem necessidade de qualquer tipo de privação. O doador pode ser um parente ou não, vivo ou em morte cerebral. A vantagem do doador ser parente está na melhor sobrevida do paciente e enxerto, uma vez que existe uma semelhança imunológica e maior compatibilidade entre o doador e receptor. Existe ainda o grupo de doador vivo não parente, os cônjuges ou amigos, que apresentam resultados melhores que os obtidos com doador em morte cerebral.

Confira entrevista com Dr. Erick Acerb Barbosa – Coordenador de transplante do Hospital Vida.

1. Como foi o processo para o Hospital Vida começar a realizar o transplante de rins intervivos?

Antes do procedimento propriamente dito do transplante renal, existiu toda uma burocracia para o credenciamento do Hospital VIDA junto ao Ministério da Saúde e SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTE (SNT), passando também pelas secretarias municipal e estadual de saúde onde perdurou por longos 2 anos. Uma vez a Instituição apta a transplantar, o preparo do primeiro transplante foi rápido, ao redor de 4 meses de estudos e exames até encontrar o par certo para o receptor, que nesse caso foi mãe doando para filho.

2. Quais casos são indicados para o transplante renal?

Primeiramente esse possível candidato ao transplante renal deve ser portador de Insuficiência Renal Crônica numa fase já em diálise ou pré-diálise.  A partir dai, existirão alguns exames para saber se esse individuo toleraria uma cirurgia de grande porte.

3. Os transplantes renais serão só realizados pelo SUS ou particular também?

Hoje no Brasil mais de 95% dos transplantes realizados são pelo Sistema Único de Saúde (SUS) porem sabemos que a fila para conseguir a realização dos exames pré-transplante é longa e morosa, assim grande parte desses exames o próprio Hospital Vida arca com o custo, agilizando a realização dos mesmos e, consequentemente, o transplante. Para aqueles portadores de planos de saúde ou particulares o Hospital está de portas abertas também, conseguindo realizar o procedimento do transplante de forma mais rápida.

4. O paciente que tem indicação para o transplante, o que ele deve fazer para realizar?

Nos procurar no Hospital Vida e agendar uma consulta. Existe todo um setor para consultas pré-transplante organizado pela assistente social Eliane Teles.  Para convênios e particular, é mais simples ainda, só marcar uma consulta, e então tomaremos todas as providências.

5. Qual a expectativa de atendimento do Hospital Vida após esse primeiro transplante?

Ficamos muito felizes com o resultado que obtivemos nesse transplante, um jovem de 28 anos que já estava em hemodiálise há 6 anos sem perspectiva de se livrar da máquina, ansiando por uma melhor qualidade de vida, necessitando dialisar 3 vezes por semana, e hoje o vemos sorrindo com um brilho diferente nos olhos. Atualmente nossa meta é 01 por mês, mas, hoje o Hospital VIDA tem capacidade para realizar 01 transplante por semana.               Aos poucos iremos aumentando o número de transplantes.

 

Dr. Erick Acerb Barbosa - CRM: 6510 / Médico Nefrologista/Doutor em Transplante Renal (USP) Dir. do Pronto atendimento e coordenador de transplante do Hospital Vida 

 

 

Primeira Edição © 2011