AL avança para acabar lixões e modernizar gestão dos resíduos sólidos

Até abril de 2018 serão encerrados mais de 80 vazadouros e todos os municípios terão o prazo de um ano para construir os planos de recuperação das áreas

18/12/2017 12:14

A- A+

Agência Alagoas

compartilhar:

Os municípios de Poço das Trincheiras e Quebrangulo encerraram na última semana seus vazadouros e passaram a integrar a lista de 45 lixões finalizados entre os anos de 2015 e 2017. Antes disso apenas Maceió destinava os resíduos produzidos para um aterro e o Estado estava longe de cumprir a lei que tornava todos os gestores infratores, desde 2014.

A expectativa é de que, a partir do acordo firmado entre municípios e Ministério Público Estadual (MPE), Alagoas alcance a marca de 86 lixões encerrados, até abril de 2018. “Isso é um avanço incrível, porque o encerramento significa, além da mudança da disposição dos resíduos, uma mudança geral de perspectivas e comportamento”, comentou Gustavo Lopes, diretor-presidente do Instituto do Meio Ambiente (IMA).

Ele explica que o passo seguinte que todos deverão dar é a construção do Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD), dentro do período de um ano após o encerramento da área. Depois, seguem mais quatro anos para a execução do Plano analisado e aprovado pelo Instituto.

Para se ter ideia das mudanças de perspectivas, em Quebrangulo, junto com o encerramento, foi implantada a coleta seletiva e a prefeitura colocou um caminhão à disposição dos catadores organizados em associação.

Segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída na lei nº 12.305/10, todos os municípios deveriam ter fechado seus lixões até 2014.

Entres os anos de 2015 e 2017 foram encerrados lixões de 45 municípios alagoanos, em todas as regiões do Estado, mais 42 se comprometeram, junto ao MPE, de fechar até abril de 2018. Outras 11 prefeituras estão em fase de negociação para a assinatura do chamado Termo de Acordo de Não Persecução Penal.

 

Primeira Edição © 2011