Três espécies de répteis de ilha australiana desaparecem

05/12/2017 10:12

A- A+

AFP

compartilhar:

Três espécies de répteis da ilha Christmas, pequena ilha australiana do Oceano Índico, desapareceram em seu estado selvagem, por razões desconhecidas - revela um estudo da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) publicado nesta terça (5).

Os geckos da ilha de Christmas (Lepidodactylus listeri), o lagarto-de-cauda-azul (Cryptoblepharus egeriae) e o lagarto da ilha Christmas (Emoia nativitatis) foram removidos da lista de espécies "em perigo crítico" para serem incluídos na de espécies "extintas em estado silvestre" - da lista vermelha da IUCN.

A razão de seu desaparecimento é "um enigma" no momento, segundo o professor John Zichy-Woinarski, do Departamento de Biologia da Universidade Charles-Darwin, situada em Darwin (norte da Austrália), citado em um comunicado da IUCN.

Desde os anos 1970, a população de répteis da ilha Christmas declinou fortemente, segundo a IUCN.

Christmas fica ao sul da ilha indonésia de Java.

Os investigadores suspeitam de que uma serpente predadora introduzida na ilha em meados dos anos 1980, uma doença e as mudanças no ecossistema local vinculados à irrupção da formiga invasiva Anoplolepis gracilipes, conhecida como "a formiga louca", tenham acelerado a queda da população desses répteis, embora não estejam seguros de que essa seja a explicação.

Existem populações cativas de geckos e de lagartos-de-cauda-azul, graças a programas de conservação, mas um programa similar para conservar o lagarto da ilha Christmas, Emoia nativitatis, fracassou em 2013, e a espécie desapareceu completamente, lembrou a UICN.

Em seu informe divulgado hoje, a organização também alertou sobre um marsupial da Austrália, o Pseudocheirus peregrinus, que entrou na lista vermelha de "vulnerável" para espécie "em perigo crítico".

A população dessa espécie caiu 80% nos últimos dez anos, devido ao aquecimento global e à seca, segundo a IUCN.

A atualização completa da lista vermelha da IUCN deve ser apresentada nesta terça em Tóquio.

Primeira Edição © 2011