Técnicos são orientados para elaboração da Lei Orçamentária para 2018

10/07/2017 16:17

A- A+

Agência Alagoas

compartilhar:

O Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), deu início, nesta segunda-feira (10), às orientações para elaboração do Orçamento de 2018, que agora passa a ser desenvolvido por meio do Sistema Integrado de Administração Financeira e Contábil do Estado (Siafe). O treinamento se estende até o dia 13 de julho e ocorre na unidade administrativa da Secretaria da Fazenda, em Jacarecica.

Mediadas por analistas da empresa responsável pela plataforma, as capacitações relativas ao sistema também contam com o acompanhamento de técnicos das Superintendências de Orçamento Público (SOP) e de Planejamento e Políticas Públicas (Suplan) da Seplag. O intuito é auxiliar os gestores do Estado no período de implementação da ferramenta, que deve reunir, em um só espaço, os procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros da administração pública local.

“O intuito do Siafe é justamente integrar e facilitar procedimentos como os utilizados para a elaboração da Lei Orçamentária Anual, do Plano Plurianual, da Lei de Diretrizes Orçamentárias e da execução financeira e orçamentária do Estado como um todo, que anteriormente eram realizados em plataformas diferentes. O momento é de tornar tudo mais claro para que consigamos dar início, já dentro do sistema, ao desenvolvimento do Orçamento de 2018”, explica o superintendente da SOP, Wagner Sena.

De acordo com o secretário titular da Seplag, Fabrício Marques Santos, o treinamento é essencial para alinhar conhecimentos entre os técnicos e disseminar, cada vez mais, a prática de uma elaboração orçamentária mais integrada e que esteja dentro das possibilidades dos cofres públicos.

“A fase de implementação do Siafe é mais uma oportunidade para que possamos discutir e aperfeiçoar as metodologias e diretrizes utilizadas na elaboração da peça orçamentária. Essa maior proximidade que o momento proporciona é indispensável, principalmente porque temos adotado medidas que viabilizem o ajuste fiscal e, nesse ponto, precisamos estar alinhados, falando a mesma língua”, reforça o secretário do Planejamento e Gestão.

Primeira Edição © 2011