Feira do Peixe Vivo comercializa nove toneladas de pescados para a Semana Santa

Nos dois dias do evento, produtores de pescados arrecadaram R$ 113 mil em vendas

17/04/2017 17:27

A- A+

Agencia Alagoas

compartilhar:

Dados da Superintendência de Aquicultura da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), divulgados nesta segunda-feira (17), revelam que na Feira do Peixe Vivo, realizada nos dias 12 e 13 de abril, no Parque da Pecuária, foram comercializadas nove toneladas de pescados. A feira realizada pela Seagri contou com o apoio do Sebrae/AL.

Os números demonstram, ainda, que a arrecadação com as vendas foi de R$ 113 mil, entre os pequenos e médios produtores que expuseram seus produtos. Com preços acessíveis e peixes frescos e vivos, a feira foi um sucesso entre o público consumidor, apesar das chuvas que caíram na capital alagoana.

Para o secretário da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura, Álvaro Vasconcelos, a Feira do Peixe Vivo foi uma grande oportunidade para os consumidores alagoanos, pelo preço e pela variedade dos produtos ofertados, e um ganho para os pequenos e médios produtores.

Rosilene Cândido, que aproveitou a ocasião para vender produtos da agricultura familiar, a exemplo de verduras, limão, pimenta e o bredo, ficou satisfeita com as vendas. “Foi uma grande oportunidade para ganhar dinheiro, num ambiente adequado e com muitos consumidores”, comemora.

Jailson da tilápia, como é popularmente conhecido na cidade de Junqueiro, participou pela terceira vez e conseguiu comercializar todo o produto que colocou à venda. “Graças a Deus a população está se acostumando com a feira e, na compra direta ao produtor, quem ganha é o consumidor”, assegura.

Além das tradicionais tilápias e surubim vivos, os consumidores tiveram ainda a opção do tambaqui, cavala, curimã, tainha, além de camarão, sururu, maçunim e filé de siri e de tilápia, entre outros.

A Feira do Peixe Vivo contou ainda com a participação de piscicultores dos municípios de Igreja Nova, Junqueiro, Coruripe, Piaçabuçu e das Colônias de Pescadores de Maceió.

Texto de Ronaldo Lima

Primeira Edição © 2011