CPI do Cachoeira foi esvaziada a pedido do governo, diz Delcídio

17/02/2017 08:29

A- A+

Veja

compartilhar:

O ex-senador Delcídio do Amaral disse hoje, em depoimento ao juiz da 7ª Vara Federal Criminal da Justiça Federal no Rio de Janeiro, Marcelo Bretas, que a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira sofreu um esvaziamento por orientação do governo da ex-presidente Dilma Rousseff. A comissão foi instalada em abril de 2012 para apurar o envolvimento do contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, com políticos e agentes públicos. Delcídio foi ouvido no processo da Operação Saqueador.

“O governo percebeu, nitidamente, que era uma CPI que poderia trazer problemas e, consequentemente, como todo governo faz, não é só aquele governo à época, mas outros também o fizeram, quando há risco, abafa”, acrescentou à imprensa após o depoimento.

Delcídio não citou o nome da então presidente, mas disse que, por questões políticas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva incentivou a criação da CPMI. O ex-senador disse que a comissão foi instalada no “sentido de justiçar”, o que tinha sido feito na CPMI dos Correios.

“Ele [Lula] foi um dos incentivadores dessa CPI, porque atingiria líderes de oposição fortes que estavam em Goiás, porque era uma visão territorial. Uma CPI restrita aos líderes do estado de Goiás, o que não aconteceu”, disse. “[Incentivou] no sentido de que se assinasse, para que se tivesse o número de assinaturas necessárias, que tinha que investigar e assim foi feito. Depois das consequências todas que vieram, o próprio governo agiu no sentido de tirar o pé”, completou.

Segundo Delcídio, a CPMI foi criada para atingir o atual governador de Goiás e ex-senador, Marconi Perillo (PSDB) e o senador Demóstenes Torres, que pertencia à bancada do DEM-GO e foi cassado em 2012 após denúncias de que recebia recursos de Cachoeira. “Diz que chumbo trocado não dói e então o chumbo voltaria. Só que aí, quando perceberam, o chumbo não estava voltando. O chumbo ia bater em quem estava querendo se vingar e esvaziaram a CPI”.

Reuniões de bancada

Ainda no depoimento, acompanhado pelos procuradores da República, Leonardo Freitas, coordenador da Operação Lava Jato no Rio; e Sérgio Pinel, Delcídio contou que não era membro da CPMI e que sua participação na comissão foi apenas de acompanhamento dos trabalhos como senador. Ele acrescentou, no entanto, que em reuniões de bancada da base de apoio ao governo o assunto era discutido com preocupação de novos envolvimentos.

“Falavam que, com as quebras de sigilo, outras empresas apareceram e aí poderiam aparecer contribuições de campanha ligando essas contribuições de campanha com várias obras em andamento. Aí acho que foi por este motivo que resolveram esvaziar e a CPI terminou, melancolicamente, sem resultado nenhum”, revelou, acrescentando, que tinha orientações de líderes da base do governo.

Primeira Edição © 2011