Pedro Lucena lança em Maceió a exposição ‘O que me habita’

Conjunto de ilustrações do artista alagoano discute a relação entre corpo, sexualidade, tatuagens e histórias

23/03/2015 07:50

A- A+

Divulgação

compartilhar:

Em sua terceira exposição individual o ilustrador alagoano Pedro Lucena apresenta ao público o trabalho ‘O que me habita’. Conjunto de 25 ilustrações que remonta com traços próprios corpos de mulheres tatuadas, numa narrativa que dialoga com espectador discutindo questões sobre a relação do corpo com imagens, sexualidade, histórias pessoais e ancestralidade.

Resultado de um trabalho de 6 meses, as 25 ilustrações que compõem a exposição é, segundo Pedro, um desdobramento de seu processo de tentar estabelecer diálogos com os elementos do feminino através de seus desenhos.

“Em ‘O que me habita’ o exercício que faço é sugerir que o que está impresso nos corpos das personagens podem ser tanto tatuagens, como o reflexo de suas histórias pessoais, fantasias e até mesmo fetichismo. A necessidade de preencher vazios é o norte da obra. Assim, o feminino nas obras se faz presente não só nos corpos desenhados, mas também nos símbolos e elementos que eles carregam. A mulher aceita-se plena e revela-se não pela nudez, mas pelo seu interior exposto”, explica Lucena.

Abrigada no Galpão 422, na rua Celso Piatti, 422, em Jaraguá, a exposição será aberta na noite da sexta-feira (27), às 18 h, e prossegue com visitação gratuita até o dia 24 de abril.

O artista

Pedro Lucena é natural de Maceió, onde vive e trabalha. Ele tem 37 anos e desde 2007 se lançou como artista visual. Sua trajetória na arte começou cedo, mas foi após uma viagem de iniciação à Amazônia, em 2006, que ele decidiu que abraçaria com compromisso e paixão seu dom e estudos. Desta forma, decidiu cair em campo para divulgar seus desenhos escolhendo a internet como modo de divulgação.

Hoje Pedro coleciona várias vitórias no campo das Artes Visuais. Publicou em revistas nacionais e estrangeiras, como Saúde é Vital, Metrópole, Zupi, Encontro Unilever, Prana Yoga Journal, A5 Magazine, Pagesonline, entre outras. Ilustrou livros infantis publicados pelo selo alagoano Passarada (www.selopassarada.com.br) e pela Editora Cortez.

Lucena fez sua primeira exposição individual intitulada Ars Liberat, pelo Sesc de Maceió, em 2008. Também participou de duas exposições coletivas em Maceió, em 2009, pelo Sesc, a exposição Sete Pecados, e em 2010, pela Pinacoteca da UFAL, a exposição Refrações.

Em 2011 e 2012 fez sua segunda exposição individual, denominada Ciscos, com projeções no Brasil e em Portugal. Trabalho ilustrativo que faz uma releitura da poesia do mato-grossense de Manoel de Barros e da arte dos artesãos da Ilha do Ferro (AL).

Em 2014, Lucena ilustrou o livro infantojuvenil, "Sete histórias de amor e encantamento", lançado na VI Bienal Internacional do Livro de Alagoas, e também colaborou com o estilista Alexandre Herchcovitch para sua coleção outono/inverno 2014. Pedro também participou da exposição coletiva Triangulações, que foi apresentada em Maceió, Belém e Salvador.

Ainda neste ano assinou as ilustrações do projeto Autorretrato Nordeste, que em sua terceira edição trabalhou com adolescentes que vivem em comunidades quilombolas de Alagoas (www.retratonordeste.com).

O artista compartilha seus trabalhos na internet em redes sociais e em seu portfólio no endereço http://cargocollective.com/pedrolucena.

Exposição ‘O que me habita’

Onde: Galpão 422 (Rua Celso Piatti, 422, Jaraguá)
Quando: 27 de março a 24 de abril de 2015
Visitação: Seg a Sex das 16h às 20h / Sábado das 10h às 14h
Entrada: Gratuita

galeria de fotos seta

Primeira Edição © 2011