Conselho de Cultura aprova dois nomes como Patrimônio Vivo de Alagoas

Artesãos Pedrocas e Zezito Gomes são os novos mestres; o registro do Doce de Caju como bem cultural de natureza imaterial também foi analisado em reunião

01/08/2013 06:47

A- A+

Divulgação

compartilhar:

O Conselho Estadual de Cultura se reuniu nesta quarta-feira (31), no auditório do Museu da Imagem e do Som de Alagoas (Misa), para deliberar, entre outras pautas, sobre Registro do Patrimônio Vivo de Alagoas de 2013 e a solicitação de registro, como bem cultural de natureza imaterial, do Doce de Caju de Ipioca.

A diretoria do Pró-Memória da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) apresentou aos conselheiros o relatório da Comissão Especial para Seleção dos Candidatos ao Registro do Patrimônio Vivo. A Comissão teve a missão de escolher dois nomes, dentre os 32 inscritos do edital de 2013.

O Conselho acatou por unanimidade os nomes de Pedro Cassino dos Santos (artesão) e José Gomes Pereira (artesão, poeta e pesquisador). O processo agora segue para determinação do Secretário de Estado da Cultura e divulgação no Diário Oficial do Estado.

Mestre artesãos

Pedro Cassino dos Santos, conhecido Pedrocas, é escultor em madeira e reside no município de Rio largo. Teve seu trabalho iniciado ainda criança produzindo estátuas de argila. Por meio de estímulo de um pintor de Olinda, começou a realizar trabalhos em madeira.

José Gomes Pereira ou Zezito Gomes, como é mais conhecido, é paraibano, radicado em Alagoas e reside na cidade de Arapiraca. O artesão, poeta e pesquisador, também é formado em Letras.

Doce de caju

Outra pauta discutida pelo Conselho foi a solicitação da proposta de Registro de Patrimônio Imaterial do Doce de Caju de Ipioca. A diretoria do Pró-Memória apresentou Parecer Técnico ao Conselho sobre o pedido encaminhado pelos alunos do curso de arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

De acordo com o parecer, a proposta trata da intenção de preservar a manifestação da diversidade cultural do Estado, representada pelo doce tradicionalmente produzido pela comunidade de Ipioca, localizada no Litoral Norte de Alagoas.

O conselho aprovou a continuidade do andamento do processo de Registro, que aguarda elaboração de Instrução Técnica pelo Pró-Memória, onde será reunida uma descrição mais aprofundada sobre o tema.

Na ocasião, o secretário Osvaldo Viégas apresentou aos demais conselheiros sua manifestação sobre a representação encaminhada ao Ministério Público Estadual. Ele destacou os dados e informações sobre a utilização do Fundo de Desenvolvimento de Ações Culturais durante sua gestão.

Presidida pelo secretário de Estado da Cultura, a reunião também contou com a participação de representantes da Secretaria de Estado do Turismo (Setur), da Educação (SEE), do Planejamento e Desenvolvimento Econômico (Seplande), da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), do Sebrae Alagoas, da Associação de Folguedos Populares de Alagoas (Asfopal) e da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA).

Primeira Edição © 2011