Onda de manifestações inspiram "revolução" cultural em AL

SarAL pretende dar um impulso nas produções artísticas genuinamente locais

21/06/2013 11:53

A- A+

Marcos Filipe Sousa

compartilhar:

Saúde, educação, melhor qualidade no transporte público e contra a corrupção. Essas são algumas revindicações das manifestações que estão ocorrendo no país. Pesando neste momento histórico, um grupo de amigos alagoanos se reuniram e através de um movimento também estão fazendo a sua "revolução", só que esta é cultural.

Para o grupo, a cultura é a melhor arma contra todo tipo de ditadura. O músico Tulio Fernandes explicou que manipulação também ocorre através da imposição de produtos midiáticos que geram somente o lucro e entretenimento. "Em Alagoas possuímos uma leque de manifestações artísticas que não são valorizadas. Queremos algo genuinamente nosso", colocou.

O escritor e também músico, Felipe de Vas, escreveu um manifesto onde coloca a opinião do grupo: "As manifestações são necessidades de expressar uma opinião ou ideologia, engasgada ou não! Bem como a essência da música, da poesia, da pintura e das artes em geral. Fomos exímios artistas nas ruas expondo nossa sinceridade e engasgo com a realidade brasileira", diz o texto.

Para isso, os amigos se reuniram e montaram o SarAL, um evento que tem o propósito de reunir artistas locais e compartilhar seus trabalhos. A edição ocorre no dia 12/07 com a participação de Renata Peixoto, Elisa Lemos, The High Club, Poesias e Exposições de Artes. Essa edição ocorre no Teatro de Arena (anexo ao Teatro Deodoro) a partir das 19h.

A segunda parte acontece em uma residência na Barra Nova dia 14/07 a partir das 10h e contará com oficinas de fotografia, reciclagem, cinema, Stencil e exposições. Além de bandas que poderão fazer sua inscrições. 

Será cobrada a taxa de R$20,00. Como um passaporte, o participante tem entrada livre nos dois dias do evento. 

Entre as exposições estará as fotografias tiradas nas manifestações ocorridas na capital.

Para mais informações acesse a página do movimento no Facebook, clique aqui.

Primeira Edição © 2011