Rádio Primeira Edição - Ouça agora!

notícias > Alberto Fragoso - Jurídico setas

Portabilidade bancária: um direito do usuário

02/09/2012 11:42

A- A+

compartilhar:

Com a admissão da portabilidade de contas-salário entre instituições bancárias, por meio da Resolução nº. 3.402, de 06 de setembro de 2006, alterada pela Resolução nº. 3.424, de 21 de dezembro de 2006, ambas do Conselho Monetário Nacional (CMN), foi possível aos consumidores o direito de optar, com mais liberdade, pelo recebimento de seus salários nas instituições de sua preferência. A isto se convencionou denominar de portabilidade bancária ou portabilidade de créditos salariais.

Assim, as instituições financeiras, responsáveis pela prestação de serviços de pagamento de salários, proventos, soldos, vencimentos, aposentadorias, pensões e similares, absorveram o encargo de efetuar as transferências de créditos de seus usuários desde que presente a solicitação expressa do usuário neste sentido. É que o preconiza, aliás, o art. 2º, da Resolução nº. 3.402/2006, do CMN, quando prescreve que “a instituição financeira contratada deve assegurar a faculdade de transferência, com disponibilidade no mesmo dia, dos créditos para conta de depósitos de titularidade dos beneficiários, por eles livremente abertas na forma da Resolução 2.025, de 1993, e alterações posteriores, ou da Resolução 3.211, de 2004, em outras instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil”.

Neste sentido, é fácil concluir que os referidos regulamentos emitidos pelo CMN permitiram o exercício do direito, a critério exclusivo do consumidor, de opção pela transferência entre esse tipo de conta bancária. O banco gerenciador da conta, a partir do objetivo dessas regras, passou a ser obrigado a acatar o pedido, garantindo a portabilidade. Cabe apenas ao usuário indicar o banco e a conta para os quais está sendo feita a migração, devendo, como dito, a instituição financeira respeitar a conteúdo do requerimento, no prazo máximo de 5 (cinco) dias, contado da data da comunicação (§ 2º, do art. 2º, da Resolução nº. 3.402/2006, do CMN).

Importante anotar, ainda, que, no caso dos serviços e empregados públicos que percebem seus vencimentos através de contas-salário, cujos contratos sejam firmados em decorrência de procedimento realizado pelo Poder Público, nos termos da Lei nº. 8.666/93, a portabilidade está assegurada desde 1º de janeiro de 2012, conferindo-se, na mesma esteira dos demais casos, a faculdade de escolha da instituição financeira através do exercício do direito à portabilidade (inciso II, do art. 6º, da Resolução nº. 3.424/06, do CMN).

Apesar de todo acervo de regulamentos, alguns bancos, inclusive neste Estado, insistem em não atender, no prazo, aos pedidos, seja pela falta ou pouca informação dos gerentes a respeito, seja por uma simples desorganização administrativa, ou mesmo pela demora desarrazoadamente excessiva em realizar a transferência dos créditos salariais. O que surpreende é que essas instituições, em decorrência do poder regulatório exercido pelo Conselho Monetário Nacional (inciso VIII, do art. 4º, da Lei nº. 4.595/64), sofrem fiscalização externa, sendo alvo de aplicação de penalidades administrativas, e, mesmo assim, não hesitam em descumprir a legislação e outras normas de nível infralegal pertinentes. 

Pela desobediência, fica o consumidor penalizado e o descaso tende a eternizar-se, sedimentado, cada vez mais, pelo desleixo continuado dessas instituições, além da insuficiência no controle da prestação dos serviços desta natureza pelos órgãos competentes.

Portanto, o usuário tem direito inquestionável à portabilidade bancária, devendo a instituição financeira acatar a solicitação dentro do prazo de 5 (cinco) dias da comunicação endereçada.

Na hipótese de recusa injustificada ou atraso no atendimento, o consumidor pode contatar o Banco Central do Brasil através do site www.bcb.gov.br, no link “fale conosco”, formalizando a sua reclamação, e/ou pelas Ouvidorias dos próprios bancos. Caso seja de interesse, pode o usuário instalar o Procon diretamente ou ajuizar uma ação cominatória para uma obter ordem judicial, determinando o banco à realização da transferência bancária, inclusive, neste último caso, com probabilidade de uma condenação por danos morais.

Convém destacar que a portabilidade bancária se aplica também aos empréstimos, desde que a opção do usuário seja feita para outra conta-salário do banco da transferência. Nesta hipótese, esta é realizada já com o abatimento referente ao valor da prestação.
 

* campos obrigatórios

  • Enviar »
  • Ranilson Pinto @RanilsonPinto 02/09/2012

    Parabéns Alberto Fragoso! Texto muito esclarecedor.

  • Alberto Fragoso 02/09/2012

    Obrigado, Ranilson Pinto.

  • Joilson Gouveia http://gouveiacel.blogspot.com 04/09/2012

    Apraz-me felicitá-lo pelo elucidativo texto, mas, ainda assim, urge dirimir pequena e sutil dúvida, a saber: são cinco dias a contar da protocolização do pleito, mas dias úteis ou corridos? Explico: protocolizada a solictação em 24.08, véspera de feriado e sendo segunda dia 27, também, feriado, cor

  • Alberto Fragoso 04/09/2012

    Olá amigo. Agradeço a indagação. São cinco dias úteis, a teor do § 2º, do art. 2º, da Resolução nº. 3.402/2006, do CMN. Abs.

  • Tarsila 06/11/2012

    Por favor ,me ajude.Tenho um financiamento junto a um banco, com pagamento das parcelas em débito em conta corrente, e gostaria de levar meu salário para outro banco.O banco de origem do salário pode reter parte do meu salário para pagamento da dívida, ou é obrigado a transferir meu salário ?

  • Albero Fragoso 11/11/2012

    D. Tarsila, a portabilidade é um direito. Nesse caso, a transferências de seus créditos salariais é feita com o abatimento referente ao valor da prestação do empréstimo.

  • Anderson Gomes da Silva 21/11/2012

    Quero fazer uma portabilidade, so que meu salario não irar direto para o novo banco escolhido, meu pagamento vai para o atual banco e atraves de doc ou ted irar para o novo banco, isto e correto????? Não teria que ir direto para o nova conta ?

  • reginaldo 23/11/2012

    Tenho duvida sou servidor e tenho a portabilidade mediante acordo judicial antes da vigencia da resolução 3426 o banco atrasa a transferencia do salario para o outro 1 dia, ganhei uma indenização por danos, posso processar de novo por outro atraso em mes futuro? É fato novo ou ja é coisa julgada?

@primeiraedicao seta

anterior proximo
  • João Julio da Silva

    Presas se sentem mais livres para serem gays na prisão http://t.co/EbagfsTjj9 via @primeiraedicao

  • João Julio da Silva

    Organizador de rolezinho é morto na zona leste de São Paulo http://t.co/Dtbw0UvtWs via @primeiraedicao

  • João Julio da Silva

    Jogadores fazem 1º treino em novo estádio http://t.co/XBKJiCuHCG via @primeiraedicao

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Primeira Edição © 2011

Plus! Agência Digital