Causa animal em AL: ONG promove bazar para arrecadar dinheiro

Protetores animais de Maceió usam a imaginação em busca de dinheiro para viabilizar tratamentos de animais de rua e de pessoas carentes

14/08/2012 08:17

A- A+

Jessica Pacheco

compartilhar:

Sem um apoio financeiro efetivo por parte de empresas privadas ou órgãos estaduais, a luta para continuar contribuindo com o bem estar animal em Alagoas é grande. Dessa forma, as ONGs de proteção animal do Estado usam da imaginação e buscam outras formas de obter verba, alimentação, medicamentos e outras necessidades para o trabalho continuar.

O Grupo Vida Animal de Maceió (GVAM), que atua com pessoas voluntárias cuidando de animais de rua e de pessoas carentes, viabilizando adoções, tratamento veterinários, castrações e afins, vai realizar um bazar e para isso precisam da ajuda da população maceioense com doação de roupas, bijuterias, objetos de casa, sapatos, utensílios para animais, etc, em bom estado para a realização do evento.

“Para conseguir realizar procedimentos veterinários com animais de rua e de animais carentes, como castrações, cirurgias de tumor, quimioterapia, tratamento de TVT e etc, precisamos muito de dinheiro e como não temos nenhuma ajuda financeira, apenas do próprio bolso, resolvemos realizar um bazar”, explicou a coordenadora do GVAM, Luceli Brito.
De acordo com a coordenadora, as pessoas já começaram a contribuir com o bazar, mas como os materiais serão vendidos com preços bem pequenos, para angariar um bom valor, será necessária uma grande quantidade de materiais e por isso ela pede a população contribua com o evento solidário.

Para doar matérias para o bazar, bastar entrar em contato com as voluntárias do GVAM, pelos números (82) 9625.3013, (82) 8888.6570, (82) 9168.5787, (82) 8834.1302. “Podemos buscar as doações nas casas dos doadores”, finalizou Luceli.

Além das doações para o bazar, a voluntária do GVAM pede a população ajuda na doação de ração para os animais de pessoas carentes ou que tem uma grande quantidade de animais em casa e não tem condições de mantê-los. Quem quiser doar, basta ligar para os números acima.

Primeira Edição © 2011