Relator do caso Demóstenes vai usar escutas da PF em seu voto

Parecer de Humberto Costa deverá ser votado ainda hoje no Conselho de Ética

25/06/2012 12:42

A- A+

R7

compartilhar:

O senador Humberto Costa (PT-PE), relator do processo de cassação de Demóstenes Torres (sem partido-GO) no Conselho de Ética do Senado, disse que as gravações da Polícia Federal que envolvem o parlamentar acusado de defender os interesses do contraventor Carlinhos Cachoeira serão levadas em consideração no seu voto.

O petista explicou que o processo em andamento na Casa é político, não é jurídico e, portanto, dispensa "preciosismos" como exigência de autorização do STF (Supremo Tribunal Federal) para a execução de gravações envolvendo um senador. A votação do relatório de Costa está prevista para as 18h de hoje.

— Não estamos em um processo judicial, e sim político, por isso não cabe esse preciosismo da prova. São os fatos reais que nos interessam.

Costa lembrou que o relatório também vai levar em consideração o material produzido pela Polícia Federal, as justificativas da defesa e os depoimentos colhidos no caso.

O parlamentar evitou, durante entrevista concedida à rádio Estadão/ESPN, antecipar a conclusão do relatório.

— Temo que qualquer afirmação que eu faça agora possa vir a ser entendida como antecipação de julgamento e estimular qualquer ação protelatória da defesa.

Após a leitura do voto do relator, a defesa de Demóstenes fará seus apontamentos antes de o documento seguir para votação no Conselho de Ética.

O senador goiano está sendo processado com base em denúncia do PSOL que diz que ele teria trabalhado em favor da organização criminosa comandada por Cachoeira, que está preso em Brasília.

Serão, ao todo, 15 votos nominais e abertos. O presidente do colegiado, senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), só se manifestará em caso de empate.

Caso a maioria opte por cassar Demóstenes, o caso seguirá para a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e depois para o plenário do Senado, onde haverá uma nova votação — esta será fechada. 

Primeira Edição © 2011