Convenções de PSDB e PMDB neste domingo esquentam eleições em São Paulo

24/06/2012 08:26

A- A+

R7

compartilhar:

Depois de o PPS lançar no último sábado (23) a candidata Soninha Francice, chegou a vez de dois pesos pesados mostrarem seus candidatos: o PSDB lança às 9h deste domingo (24) José Serra, enquanto, às 10h, será a vez de o PMDB apresentar Gabriel Chalita a seus eleitores. Enquanto a festa dos tucanos está marcada para o ginásio do Ibirapuera, os peemedebistas vão poder gritar o nome de seu candidato na Praça da Sé.

 

Enquanto os tucanos comemoram sua coligação de seis partidos (PR, DEM, PSD, PP e PV), o que lhe dá 8 minutos e 14 segundos de tempo de televisão no horário eleitoral gratuito, o PMDB só fechou acordo com os nanicos PSC, PTC e PLS. Até agora, a coligação conseguiu 5 minutos de televisão no programa eleitoral.

Apesar de as convenções desses partidos já ocorrem neste fim de semana, as negociações para novas alianças continuarão até o dia 30 de julho, data limite estipulado pela Justiça Eleitoral.

Quem ainda está na mira do PMDB é o PCdoB, que até agora promete lançar candidato a prefeito o vereador-pagodeiro Netinho de Paula. Mas para conseguir a adesão da legenda, Chalita vai ter de enfrentar o rival petista Fernando Haddad, que assim como Chalita ofereceu a vaga de vice aos comunistas, que até agora não decidiram o que fazer.

Largada

Na prática as convenções deste domingo dão fôlego à campanha municipal, mas na prática ela já foi dada a largada na semana passada, quando a deputada federal Luiza Erundina (PSB) desistiu de se candidatar à vice-prefeita na chapa encabeçada pelo petista Fernando Haddad. O motivo? A contraditória aliança entre PT e PP, do ex-prefeito Paulo Maluf.

Depois de abandonar o barco, Erundina afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cedeu a chantagens de Maluf ao comparecer à sua residência para o encontro em que foi selada aliança com o PP.

— Há informações seguras de que, por exigência do Maluf, ele só anunciaria seu apoio ao candidato com o Lula na sua casa. Inclusive, ele ameaçou adiar o anúncio da aliança com o PT caso o Lula não comparecesse à sua residência para celebrar o acordo.

Primeira Edição © 2011