Vereadores de Rio Largo são acusados de infidelidade partidária

Suplentes de recém empossados entraram com mandado de segurança

20/06/2012 11:52

A- A+

Thayanne Magalhães

compartilhar:

Quatro vereadores recém empossados na Câmara Municipal de Rio Largo estão sendo acusados de infidelidade partidária. A acusação partiu dos suplentes, que entraram com um mandado de segurança na Justiça para requerer os cargos. A ação será analisada pelo juiz Airton Tenório, da comarca da cidade, que também já recebeu documentos procedentes do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AL).

Os suplentes Tereza Cristina (PSD), Edivaldo Correia de Lima (PSD), Val Gonçalves (PSDB) e Ricardo 'Tio' (PSD), acusam os recém empossados de terem trocado de partido, perdendo o direito de serem mantidos nos cargos. Os acusados são Cícero de Almeida de Albuquerque, que saiu do PP para o PTdoB; Reginaldo Alves de Mendonça, o ‘Reginho’, deixou o PMDB e agora integra o PR; além das vereadoras Ana Paula de Morais Moura, que integrava o PV e atualmente está no PMN; e Maria Elieuza dos Santos Euclides, a ‘Elieuza do Posto’, ex – PMDB e atual PSB.

Os parlamentares recém empossados assumiram as vagas deixadas pelos vereadores acusados de participação em um esquema de fraude na venda de um terreno no município e estavam presos desde o dia 17 de maio, quando foi deflagrada uma operação da polícia, para cumprimento de mandados de prisão expedidos pela 17ª Vara Criminal. (Leia aqui)

A Justiça concedeu a liberdade para cinco dos parlamentares que estavam presos, mas eles deverão permanecer afastados dos cargos até que as investigações sobre o caso sejam concluídas. (Matéria relacionada)

O prefeito de Rio Largo, Toninho Lins, continua preso na sede da Academia da Polícia Militar, em Maceió. Ele também é acusado de participação do esquema de corrupção. (Matéria relacionada)
 

Primeira Edição © 2011