Após escândalos, vice-prefeita de Rio Largo divulga carta à população

Fátima diz que ficou calada para evitar interferências nas ações policiais e judiciais

09/06/2012 11:20

A- A+

Marigleide Moura

compartilhar:

Está circulando em Rio Largo uma carta aberta para a população. O comunicado é assinado pela vice-prefeita da cidade, Fátima Correia, e é intitulado “Todos Juntos na construção de um novo tempo”. Nele a vice-prefeita diz que ficou calada para evitar interferências nas ações policiais e judiciais que investigam os escândalos na cidade. 

O prefeito de Rio Largo, Toninho Lins, sem partido, pois foi afastado do PSB, após ser preso por determinação judicial, é acusação pelo Ministério Público Estadual de chefiar um esquema de fraude de venda de terras na cidade.

Toninho é acusado pelo MP de apropriação de bens e renda pública em proveito próprio, alienação de bem público em desacordo com a lei, falsidade ideológica, dispensa ilegal de licitação e formação de quadrilha. Os vereadores do município também foram presos e são acusados de participação no esquema fraudulento.

DivulgaçãoComo Toninho continua despachando de dentro da Academia de Polícia Militar, em Maceió, onde está preso desde o dia 22, Fátima não assumiu o Executivo da cidade. Rio Largo vive uma situação jurídica inusitada. O legislativo municipal também não funciona por que os vereadores foram detidos.

Os suplentes de vereadores reivindicam o direito de posse dos cargos. No entanto, eles tiveram posse negada pela juíza da 1ª Vara, Marcli Guimarães e agora esperam o julgamento de um recurso pelo Tribunal de Justiça.

Leia a íntegra da Carta

“Nossa querida cidade de Rio Largo, que vai completar 97 anos de existência no próximo dia 13 de julho, está sangrando com os últimos e lamentáveis acontecimentos. Eu, que nasci em Cachoeira, bairro de Gustavo Paiva, e aqui me criei, junto com minha família, tenho um profundo sentimento de amor a minha terra. Portanto, a revolta que observo no olhar das pessoas, é também a minha revolta, é também a minha indignação.

Nesses últimos dias, tenho permanecido em silêncio, para evitar qualquer tipo de interferência nas ações que se desdobrem no campo policial e judicial. Como cidadã, desejo que as instituições fiscalizadoras e a Justiça de meu Estado apurem tudo, passem a administração de Rio Largo a limpo, e quem tiver alguma responsabilidade com o malfeito, que pague na forma da lei.

Como vice-prefeita do município, estou pronta para cumprir a Constituição e acatar qualquer decisão determinada pela justiça. É preciso que todos compreendam: a hora não é de precipitação, mas de transformar essa crise num momento de oportunidade e mudança de costumes. Rio Largo vai renascer desse processo.

Juntos, teremos a força necessária para fazer as mudanças e construir um novo tempo em nossa terra, com ética, honestidade, transparência e compromisso com a nossa gente.”

Primeira Edição © 2011