Mesmo com decisão judicial, pacientes do Glaucoma não conseguem atendimento

Justiça determinou que Estado e Município forneçam medicamentos de forma imediata aos portadores da doença que pode levar à cegueira irreversível

04/06/2012 08:40

A- A+

Marigleide Moura

compartilhar:

Mais de uma semana depois de a Justiça ter acatado o pedido da Defensoria Pública de Alagoas e determinado que Estado e Município de Maceió forneçam medicamentos a pacientes com glaucoma, os portadores da doença ainda encontram dificuldades para conseguir atendimento. Dona Elizete Silva é uma dessas pessoas. Ela está tentando seguir com seu tratamento, mas não consegue nem agendar uma consulta com o oftalmologista.

Na semana passada, dia 24 de maio, segundo a Defensoria Pública, a juíza Maria Ester Fontan Cavalcanti Manso determinou que os gestores tanto estadual quanto municipal forneçam de imediato os medicamentos para portadores de glaucoma residentes em Alagoas.

No entanto, na prática, os pacientes estão a mercê da burocracia e temem que a doença se agrave. “Eu não sei o que pode acontecer. Todo mundo sabe que o paciente tem que ter o colírio pra não ficar cego”, contou Elizete.

A Defensoria havia interposto uma Ação Civil Pública por meio do Núcleo Dos Direitos Difusos e Coletivos para garantir o direito dos pacientes. A medida judicial foi tomada depois que o Ministério da Saúde constatou irregularidades no programa do Governo Federal e pelo menos 18 mil pessoas foram prejudicadas em todo o Estado.

Procurada pela reportagem do Primeira Edição, a Defensoria Pública informou por meio da Assessoria de Comunicação que os pacientes que encontrarem dificuldades no acesso ao tratamento em Maceió devem recorrer a Secretaria de Saúde para agilizar o atendimento.

Primeira Edição © 2011