Alagoas busca integração com Pernambuco para implantar aeroporto de Maragogi

Governadores Teotonio Vilela Filho (AL) e Eduardo Campos (PE) se reúnem na manhã desta quinta-feira (26)

26/04/2012 09:27

A- A+

Divulgação

compartilhar:

O governador Teotonio Vilela Filho viajou a Recife-PE, na manhã desta quinta-feira (26), para discutir com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a implantação do aeroporto regional de Maragogi. Acompanhado do secretário de Estado da Infraestrutura, Marco Fireman, e do secretário adjunto de Transporte da Seinfra, Manoel Messias Costa, Teotonio Vilela busca consolidar uma integração entre os dois governos para garantir a sustentabilidade do projeto.

De acordo com o secretário Marco Fireman, é fundamental pensar no aeroporto como um projeto que vai além das obras físicas.

“Implantar o aeroporto não significa apenas construí-lo, mas também pensar em como ele será utilizado de forma sustentável, para não transformá-lo em um elefante branco e gerar prejuízos para o Estado. Pela localização estratégica, em Maragogi, ele pode atender, inclusive, ao Porto de Suape, no litoral sul de Pernambuco. Por isso viemos apresentar o projeto e discuti-lo com o governo pernambucano, para que tenhamos um aeroporto regional para os dois Estados”, explicou Marco Fireman.

O projeto

As obras de implantação do aeroporto de Maragogi estão orçadas em cerca de R$ 70 milhões. O Governo de Alagoas já firmou convênio com o Ministério do Turismo, por meio do Prodetur, garantindo R$ 15 milhões para o início das obras.

O projeto também foi revisto pela Secretaria de Estado da Infraestrutura, buscando ampliar as oportunidades do novo empreendimento. Entre as principais novidades inseridas está a inserção de um terminal de cargas aéreas no aeroporto.

“Aeroporto não é somente pista de pouso, precisa ser sustentável”, esclarece Fireman. “Um terminal de cargas atrai investimentos. Na maioria dos aeroportos brasileiros, o terminal de cargas é o setor mais rentável do empreendimento. Além disso, queremos atrair voos internacionais”, completou o secretário.
 

Primeira Edição © 2011