IFAL emite nota em que nega envolvimento em fraudes de Carlinhos Cachoeira

A matéria foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo

10/04/2012 15:53

A- A+

Assessoria

compartilhar:

O Instituto Federal de Alagoas (IFAL) esclarece, em resposta à matéria veiculada nos sites de notícia de Alagoas, que não está envolvido no esquema de lavagem de dinheiro para a máfia dos caça-níqueis, com suspeita de participação da Calltech Combustíveis e Serviços Ltda. A instituição foi citada na matéria devido a um abastecimento em um posto de combustíveis da rede, localizado em Brasília, no valor de 250 reais, no dia 24 de novembro de 2009.

A viagem, que ocorreu em um ônibus que levava alunos e servidores do IFAL, foi motivada em uma participação no Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica. “Na época, cada motorista abastecia com um cartão de pagamento do governo federal, em qualquer posto que aceitasse a bandeira, de forma que todo o procedimento se dava de forma regular, acompanhado e transparente”, detalhou o chefe de Departamento de Contabilidade e Finanças do IFAL, Luís Oliveira.

Ele explica que na ação do instituto não há irregularidade. “É fato que o posto de combustíveis está sendo acusado de participação na lavagem de dinheiro, mas o motorista do IFAL, que escolheu aleatoriamente um posto de combustíveis para abastecer o ônibus, não agiu com base na ilegalidade, mas de maneira formal, inclusive com prestação de contas”, ressaltou Luís Oliveira.

Atualmente, o IFAL possui um contrato com uma empresa de abastecimento que venceu licitação, onde os motoristas da instituição percorrem o país abastecendo com um cartão magnético da empresa, também em rede credenciada. 

Primeira Edição © 2011