PM reforça segurança na Ceagesp durante segundo dia de protestos

Funcionários fecharam portões e boxes da central na Zona Oeste de SP. Eles protestam contra criação de taxa de estacionamento de caminhões.

29/03/2012 07:11

A- A+

G1

compartilhar:

A Polícia Militar reforçou o policiamento na região da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulox (Ceagesp), na Zona Oeste de São Paulo, por volta das 9h desta quinta-feira (29) onde funcionários da central de distribuição fazem uma manifestação desde o início desta manhã. Pelo segundo dia consecutivo, eles protestam contra a cobrança de uma taxa para a permanência de caminhões no pátio da Ceagesp.

Os manifestantes fecharam os portões e boxes, além de grupos reunidos dentro da central. O helicóptero Águia, da PM, sobrevoava o local às 9h15.

A assessoria de imprensa da Ceagesp informou no horário ao G1 que o protesto já afeta o abastecimento de frutas e hortifrutigranjeiros em São Paulo sem, entretanto, especificar quais são os problemas causados. A Ceagesp ainda não calculou os prejuízos causados.

Segundo a assessoria da Ceagesp, o portão 3 foi fechado, e os caminhões foram impedidos de entra nesta manhã. Os manifestantes são donos de bancas, carregadores e caminhoneiros que trabalham no entreposto.

Pouco depois das 8h, um grupo menor de manifestantes tentou interditar a pista local da Marginal Pinheiros. Entretanto, eles ficaram menos de um minuto na pista e logo voltaram para o entreposto.

Este é o segundo dia de protestos contra a cobrança. O valor da taxa para permanência no pátio ainda não começou a ser cobrado nem foi definido - uma licitação está em andamento. A cobrança faz parte de um projeto de controle de circulação no entreposto, que também prevê a instalação de câmeras de monitoramento. As medidas visam também ajudar o Ministério Público a investigar a existência de prostituição infantil e outros crimes dentro da Ceagesp.

Os manifestantes dizem concordar com as medidas de segurança, mas não com a taxa – eles alegam já pagar outros valores, e dizem que se houver mais uma cobrança ela será repassada para o valor dos produtos.

Ainda segundo a assessoria da Ceagesp, o sindicato que representa os trabalhadores iria se reunir nesta quinta para apresentar uma proposta concreta com sugestões para eventuais mudanças.

Primeira Edição © 2011