Vampira-do-inferno, peixe-diabo e gonostomatídeo se expõem

Criaturas luminosas do oceano viram atrações em Nova York

28/03/2012 13:50

A- A+

Uol

compartilhar:

A lula-vampira-do-inferno, o peixe-diabo e o gonostomatídeo são três das raras criaturas "luminosas" das profundezas dos oceanos, recentemente visitadas pelo diretor de cinema James Cameron, que fazem parte de uma mostra em Nova York dedicada aos organismos capazes de produzir luz.

Organizada pelo Museu Americano de História Natural, situado em frente ao famoso Central Park, a exposição "Criaturas da Luz: bioluminescência na natureza" será aberta no sábado com o objetivo declarado de apresentar um dos fenômenos mais estranhos da terra.
Dos vaga-lumes, talvez o exemplar mais acessível, até os organismos que decoram como fitas luminosas o teto de cavernas na Nova Zelândia ou iluminam a superfície da água na Baía Mosquito em Porto Rico, a natureza não deixa de surpreender.

"'Criaturas da luz' revela ao público alguns dos mais mágicos, assombrosos e verdadeiramente extraordinários fenômenos e criaturas que podem ser encontrados no mundo natural", indicou a presidente do museu, Ellen Futter, ao inaugurar a exposição para a imprensa.

Reprodução, defesa, isca para atrair presas: as razões pelas quais as criaturas "bioluminescentes" produzem luz são várias, como fica demonstrado ao longo das seis salas temáticas, afundadas em uma escuridão quase total, que compõem a mostra.

Se na terra há vaga-lumes, escaravelhos e vermes que produzem luz própria, 80% destes organismos se encontram nos oceanos, informou o curador John Sparks.
"É louco aqui embaixo, é estranho", resumiu Sparks ao se referir a este mundo que provoca tanta fascinação e do qual ainda pouco se sabe.

Efetivamente, é na profundidade oceânica, começando já a partir dos 400 metros, onde surgem criaturas de ficção científica, algumas com formas curiosas e, em certos casos, aterradoras.

Uma delas é o tamboril, o único animal conhecido que produz luz de duas formas diferentes, através de bactérias brilhantes e com suas próprias reações químicas.

Outra é a lula-vampira-do-inferno, ou "Vampyroteuthis infernalis", que vive a partir dos 600 metros de profundidade e se caracteriza por seu manto negro e seus olhos vermelhos ou azuis.

Mais horrendo ainda em sua constituição é o malacosteus, ou peixe-diabo, conhecido por suas mandíbulas pouco ortodoxas e abertas e por ser o único peixe que produz bioluminescência vermelha, além das habituais azul e verde.

O misterioso mundo dos abismos do oceano voltou a ter destaque nesta semana com a viagem de James Cameron ao fundo da Fossa das Marianas, no Oceano Pacífico, na primeira expedição tripulada a este local em mais de meio século.

O cineasta recolheu amostras para pesquisa em biologia marinha, microbiologia, astrobiologia, geologia marinha e geofísica.

A mostra está aberta até o dia 6 de janeiro de 2013 e é organizada em colaboração com o Museu Natural do Canadá e o Field Museu de Chicago.

Primeira Edição © 2011