Risco de derrame é menor em mulheres que bebem moderadamente

Isso não significa que as pessoas devam começar a beber para prevenir derrames, dizem cientistas

23/03/2012 16:05

A- A+

Reuters

compartilhar:

Mulheres que bebem moderadamente - até sete taças de vinho ou copos de cerveja por semana - são levemente menos propensas a sofrer um derrame do que as abstêmias, diz um novo estudo americano.

Os resultados da pesquisa, que avaliou milhares de mulheres de quase 30 anos, foram publicados na revista científica Stroke. Os dados coincidem com as recomendações da associação americana do Coração, que recomenda que as mulheres não bebam mais do que uma dose ao dia.

No entanto, isso não significa que as pessoas devam começar a beber álcool para prevenir derrames, assinalam os pesquisadores.

"Não incentivamos a beber mulheres que não bebem atualmente", diz Monik Jimenez, do Hospital de Brigham e Mulheres em Boston, líder do estudo.

"O álcool é uma faca de dois gumes, pois altas taxas podem aumentar a pressão arterial e o risco de arritmia cardíaca, fatores de risco para acidente vascular cerebral", diz ela.

Vários artigos anteriores demonstram que níveis baixos de ingestão alcoólica estão ligados a menores possibilidades de sofrer um derrame.

Jimenez e seus colegas empregaram dados de um estudo sobre enfermeiras que avaliou a saúde, dieta e estilo de vida de mais de 83 mil mulheres durante 26 anos. Os autores levaram em conta fatores de risco, como tabagismo, sobrepeso e histórico familiar.

O estudo não provou que o álcool previne o AVC, e não há uma explicação pelo momento para a relação entre ambos. Uma das hipóteses é que, em baixas doses, o álcool poderia prevenir a formação de coágulos ou alterar os níveis de colesterol no sangue. 

Primeira Edição © 2011