Governo da China admite recuo da economia e prevê crescimento de 7,5% neste ano

05/03/2012 06:30

A- A+

Agência Brasil

compartilhar:

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, admitiu hoje (5) que a economia do país vive um período delicado, causado pelos impactos da crise econômica internacional. Ele tentou, no entanto, amenizar esses efeitos. 'No conjunto, a situação é favorável ao desenvolvimento pacífico da China', disse. O assunto é tema da Assembleia Nacional Popular, cuja sessão anual vai até o dia 14, no Grande Palácio do Povo, em Pequim.

'Estamos ainda em um importante período de oportunidades estratégicas para o desenvolvimento da China e há condições favoráveis para mantermos um firme e robusto desenvolvimento econômico durante um longo período', acrescentou Jiabao ao apresentar o relatório anual sobre a economia chinesa na Assembleia Nacional Popular.

O primeiro-ministro disse que a pressão internacional gerou alta dos preços e redução no crescimento econômico chinês, que caiu 1,2 ponto percentual, atingindo 9,2% em 2011. Segundo ele, algumas indústrias chinesas sofrem com o 'excesso de capacidade de produção'.

No relatório, de 30 páginas, Jibao fez um alerta para os cerca de 3 mil delegados presentes à Assembleia Nacional Popular. 'A economia global e os padrões políticos vivem profundas mudanças', disse. 'Internacionalmente, o caminho para a recuperação econômica global será tortuoso.'

Para 2012, o governo chinês apontou como objetivo um crescimento econômico de 7,5% - o mais baixo dos últimos sete anos e que representa um abrandamento de mais de 2 pontos em relação à media anual alcançada nos últimos 32 anos. As autoridades chinesas querem, no entanto, incrementar o comércio externo em 10% e reduzir o desemprego urbano a menos de 4,7%.

Primeira Edição © 2011