Cresce a Aids entre homens jovens e gays

Campanha pelo uso da camisinha no Carnaval deste ano é voltada para este público, com idade de 15 a 24 anos. Entre os heterossexuais, a incidência da doença caiu

03/02/2012 05:41

A- A+

O Dia Online

compartilhar:

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, lançou ontem na quadra da Acadêmicos da Rocinha a campanha de prevenção da Aids para o Carnaval de 2012. Esse ano, o foco será principalmente em rapazes de 15 a 24 anos que fazem sexo com homens. O conceito da campanha é “Na empolgação pode rolar de tudo. Só não rola sem camisinha”. A campanha também se dirige às travestis.

Segundo Padilha, levantamento realizado pelo governo revelou que, de 1998 a 2010, o percentual de casos de Aids entre jovens heterossexuais dessa faixa etária caiu 20,1%. Entretanto, entre os gays, o índice de infectados aumentou 10,1%.

“O aumento da incidência de Aids neste público nos chama a atenção. Os jovens de hoje não têm ídolos, artistas, jogadores de futebol — como tivemos há 20 anos — que enfrentaram a luta contra a Aids. Então, eles são menos sensibilizados. É fundamental falar com esses jovens sobre a importância do preservativo”, disse o ministro.

Segundo Padilha, há uma redução de 50% a 60% no uso da camisinha nas relações casuais. “Outro fator de risco é o uso descontínuo. O jovem usa na primeira e na segunda relações, mas depois acha que não precisa mais.Estamos enviando 70 milhões de preservativos para todos os estados, para completar o estoque, que é de 140 milhões”, afirmou Padilha, destacando ainda que qualquer pessoa pode — e deve — pegar camisinhas gratuitamente em postos de saúde.

Padilha também anunciou que serão disponibilizados 3,5 milhões de testes rápidos de Aids, que mostram o resultado em até 20 minutos. De acordo com o ministro, os testes, que fazem parte da campanha “Fique Sabendo”, serão distribuídos para todos os municípios brasileiros.

“Sabemos que 250 mil pessoas têm Aids no Brasil e não têm conhecimento. Então, vamos distribuir postos do ‘Fique Sabendo’ para que as pessoas façam o teste durante as festas”, explicou.

Primeira Edição © 2011