Barrichello mantém a esperança de correr na F1

"O Kimi e o Schumacher voltaram, por qual razão eu não poderia também?”

30/01/2012 09:34

A- A+

Dez na rede

compartilhar:

Mesmo com o grid da F1 praticamente fechado para 2012 (a única vaga que ainda resta é a da Hispania), Rubens Barrichello, que perdeu o seu lugar na Williams para o compatriota Bruno Senna, ainda pensa em um retorno à categoria no futuro.

O brasileiro, que já tinha mostrado a sua vontade de seguir na categoria em uma entrevista durante a última semana, na TV Globo, voltou a expressar a sua vontade ao jornal “O Estado de S. Paulo” em reportagem publicada no último domingo.

Ele confia que pode no futuro voltar a disputar o Mundial, assim como fizeram Michael Schumacher e Kimi Raikkonen, que ficaram três e duas temporadas fora, respectivamente, e depois voltaram.

“Hoje não tem vaga mais em aberto. Mas se surgir uma oportunidade, o sonho de disputar minha 20.ª temporada na Fórmula 1 continua vivíssimo. Nunca se sabe. Às vezes as coisas, pelos mais distintos motivos, mudam e você, com sua velocidade e experiência, pode vir a ser chamado. O Kimi Raikkonen e o Michael Schumacher voltaram, por qual razão eu não poderia também?”, afirmou.

Ele comentou o momento em que foi comunicado pela Williams de que não continuaria na equipe e sobre a proposta que tinha levado para a equipe na tentativa de renovar o seu contrato.

“Frank Williams, pessoalmente, me ligou. Começou dizendo que não tinha uma boa notícia e me explicou que eles decidiram assinar com outro piloto. Como profissional que é, não disse quem era. Pouco tempo depois, no mesmo dia, anunciaram a contratação do Bruno”, explicou.

“Eu também levaria uma cota de patrocínio para a equipe. Havia fechado com a BMC - Brasil Máquinas, o que me deu elevadas esperanças de permanecer no time, também pelas facilidades de meu contrato, condicionando salário aos resultados conquistados”, continuou.

O veterano piloto de 39 anos também falou de uma ligação que recebeu de Bruno Senna após o anúncio oficial da equipe inglesa.

“Ele estava meio sem graça, supercarinhoso. Eu lhe pedi para parar com aquilo, somos amigos. Falei que minha disputa não era com ele, mas com a Williams. O bom dessa história é que eram dois pilotos brasileiros, o que, de qualquer forma, garantiria um piloto brasileiro a mais no grid. Éramos e continuamos amigos. Não muda nada. Torço, agora, pelo Bruno.”

Nesta segunda-feira, Barrichello irá testar o carro de seu amigo Tony Kanaan na equipe KV, da Indy. Ele não descarta correr na categoria, apesar de que talvez não ande nos ovais para cumprir uma promessa feita à sua esposa, que considera o tipo de traçado muito perigoso.

“Como não tenho contrato com ninguém, não há nada que me impeça de testar o carro. Estou indo para esse teste com a mente bem aberta. Se sair do carro com aquela paixão que sempre tenho quando piloto, por que não? Amo as corridas. Posso adiantar que estou ansioso. Usarei o novo modelo da Dallara, equipado com o novo motor Chevrolet turbo. Até os donos da KV confirmaram que estarão em Sebring. E dono de equipe normalmente não vai a teste.”

Primeira Edição © 2011