Dilma define ação da PM no Pinheirinho como ‘barbárie’

Em reunião com movimentos sociais, presidente teria feito duras críticas à operação de reintegração

27/01/2012 16:06

A- A+

Estadão.com.br

compartilhar:

A presidente Dilma Rousseff teria feito duras críticas à ação da Polícia Militar na reintegração de posse da área conhecida como Pinheirinho, em São José dos Campos, no interior de São Paulo. Em reunião fechada com movimentos sociais em Porto Alegre, onde participou do Fórum Social Temático, a presidente teria classificado a operação como ‘barbárie’, de acordo com reportagem da Folha de S.Paulo desta sexta-feira, 27.

Participantes do encontro, realizado nessa quinta-feira, 26, relataram as declarações de Dilma, que também teria afirmado que o modelo de reintegração usado no episódio jamais seria usado pelo governo federal. A remoção de cerca de 6 mil pessoas do terreno no domingo, 22, teve confronto entre policiais e moradores, que relataram ter sofrido agressões. Após a reintegração, famílias foram levados para abrigos improvisados.

No dia seguinte ao início da ação, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, fez críticas à operação. Em nota, o PSDB rebateu o ministro e disse ser “deplorável a intromissão do governo federal” na desocupação.

Eleições

No início do mês, petistas também criticaram a ação do governo e da Prefeitura de São Paulo na cracolândia. O episódio serviu de estopim para PT e PSDB trocarem acusações de omissões no combate ao tráfico de drogas. Em ano de eleições municipais, especialistas afirmaram que a operação na capital paulista pode pautar a campanha eleitoral na cidade. Na quarta-feira, 25, quando esteve em São Paulo para receber homenagem do prefeito Gilberto Kassab, Dilma evitou comentários sobre cracolândia e Pinheirinho.

Primeira Edição © 2011