Sindicato dos Policiais Civis pede interdição de quatro delegacias do interior

As regionais de União dos Palmares, São José da Laje, Paulo Jacinto e Santana do Mundaú estão em situação precária de funcionamento

12/01/2012 15:08

A- A+

Fran Ribeiro

compartilhar:

Insalubridade, condições mínimas de higiene, celas com excesso de presos, falta de equipamentos e policiais para garantir os trabalhos de segurança para a população, o Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol), fez visitas em quatro delegacias regionais do interior do Estado e constataram a situação de precariedade.

O 2º vice-presidente Carlos José e o diretor de Comunicação do Sindpol, Bartolomeu Rodrigues, foram às Delegacias Regionais de União dos Palmares, São José da Laje, Paulo Jacinto e Santana do Mundaú e presenciaram os problemas põe em risco a saúde de agentes, detentos e da própria população.

Durante as visitas, o Sindpol flagrou celas de 10 metros quadrados abrigando dezesseis presos. Além do lixo que se acumula próximo à carceragem, algumas têm menores detidos entre os adultos. A falta de higiene se contrasta com as dificuldades de convivência entre os presos, que precisam se revezar na hora de dormir. Os relatos de condições subumanas se prosseguem, como problemas nas instalações hidráulicas, descargas dos banheiros que não funcionam, iluminação insuficiente e fios expostos, que já levaram alguns a sofrerem com descargas elétricas. Além dos problemas estruturais, os presos reclamaram do aparecimento de ratos, escorpiões, baratas e do excesso de calor por falta de ventilação. Sem estrutura, eles não têm direito a banhos de sol.

Falta contingente para garantir a segurança nas delegacias, viaturas e materiais. Mobílias velhas, falta computadores para a confecção de boletins de ocorrência e outros trabalhos. Tanto em União dos Palmares quanto em São José da Laje, o Sindpol presenciou as mesmas situações. “A delegacia funciona em uma casa velha que não oferece segurança nem condições estruturais para os policiais civis e a população. A cela da carceragem já foi interditada pela justiça. Os presos foram transferidos para a delegacia Regional de União dos Palmares, mas os policiais continuam na mesma delegacia insalubre”, informou Carlos José. Ainda segundo o sindicalista, falta viatura em São José da Tapera.

Em entrevista ao Primeira Edição, o 2º vice-presidente do Sindicato, Carlos José, informou que as situações foram documentadas e relatadas aos juízes das cidades União e São José da Laje. Em União, o juiz titular está em gozo de férias. Uma reunião sobre a situação da Delegacia só será marcada para a segunda semana do mês de fevereiro. Até lá, os policias, presos e população permanecem esquecidos. Em São José da Laje, o juiz Alberto Ramos se mostrou contra a interdição. “A violência já está um caos aqui, e se fecharmos a delegacia, a tendência é piorar”, disse. De acordo com o sindicalista, o juiz reconhece os problemas, mas teme que a interdição aumente a violência na cidade. “Durante a semana, apenas cinco agentes fazem a segurança na cidade. Nos finais de semana, o plantão é com apenas dois policiais, que tem que atender toda a região. Além da falta de pessoal, faltam viaturas e armamentos. É impossível garantir a segurança assim”, disse Carlos.

Condições semelhantes foram encontradas nas regionais de Paulo Jacinto e Santana do Mundaú. Também nessas, o Sindpol solicitou a interdição das delegacias junto ao juizado das cidades. Ofícios relatando a situação das duas delegacias foram entregues aos juízes e promotores das duas cidades, solicitando providências urgentes. De acordo com Carlos, as situações de descaso são relatadas pelo sindicato ao governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) há anos, mas o problema é que falta política de Estado na segurança pública de Alagoas. “O governador não sabe como gerenciar o problema, por que não tem uma política para a segurança pública. Recebemos verba federal para serem investidos, mas a verba volta por falta de investimentos”, relatou durante a entrevista.

Nesta sexta-feira (13) às 10h, representantes do Sindpol se reunirão com o secretário de Gestão Pública para discutirem o Plano de Cargos e Carreiras (PCC) dos policiais civis. Caso as reivindicações solicitadas não forem atendidas, novas mobilizações em Maceió e no interior serão realizadas pela categoria.
 

Primeira Edição © 2011