Especialista ressalta importância das atividades físicas para qualidade de vida

Além de benefícios de saúde, exercícios também podem melhorar parte psicológica e interação social; cuidados são maiores para idosos e fumantes

12/01/2012 12:19

A- A+

Ascom - Sesau

compartilhar:

Correr, nadar, pedalar ou simplesmente subir escadas. Nem todo mundo gosta, mas a verdade é que se mexer é mais que necessário para manter a saúde em dia. Além dos benefícios para o corpo – como a prevenção de doenças cardiovasculares –, as atividades físicas ajudam também na interação social e no bem estar psicológico, preservando o organismo como um todo.

Segundo o profissional de educação física e técnico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau),Sidney Arruda,praticar exercícios é importante para uma vida mais longa e saudável. “Fazer atividades auxilia o controle de males como a hipertensão, o diabetes, o estresse, a depressão e a ansiedade, contribuindo também para a mobilidade, já que, sem isso, a musculatura encurta e as articulações ficam mais rígidas”, explica.

Especialista em treinamento esportivo e desenvolvimento de saúde, ele ressalta que pequenos hábitos do cotidiano já podem reverter alguns dos problemas causados pelo sedentarismo. “Práticas do dia a dia, como subir escadas ou estacionar o carro em um local mais distante, já contribuem no condicionamento. São costumes saudáveis que acabamos esquecendo”, diz.

Uma das práticas mais aconselhadas é a caminhada, que deve ser realizada no mínimo três vezes por semana e é benéfica especialmente para o coração. Em uma hora, são queimadas cerca de 300 calorias. Nos primeiros quinze dias, no entanto, é aconselhável andar entre 30 e 40 minutos, aumentando o tempo e a velocidade a partir da terceira semana.

A atividade não tem contra-indicações e pode ser praticada por pessoas de qualquer idade. A única dica é procurar um médico para fazer o acompanhamento. ”A tendência é que o organismo queira repor as calorias, levando o indivíduo a sentir mais fome e fazendo com que ele coma mais. Por isso, é necessário ir a um nutricionista e seguir uma dieta”, expõe Sidney.

O mesmo vale também para outros exercícios e para os esportes. “É fundamental procurar um médico para que ele avalie o quadro. No caso de pessoas com artrite, por exemplo, ele vai dizer se elas podem se submeter ao esforço ou até se não precisam passar por um fisiatra antes”, diz o profissional de educação física, que já foi jogador de basquete e futsal.

Idosos e fumantes

Sidney reforça que, para a terceira idade, as atividades mais indicadas são a caminhada, o pilates e em especial a hidroginástica, já que o processo de envelhecimento encurta os músculos e danifica as articulações, o que pode ser retardado com o movimento na água. Outra boa pedida é a dança, que, por ser o hobby de muitos idosos, consegue unir o útil ao agradável.

“Isso traz até um benefício psicológico, pois eles se lembram dos tempos antigos e estão fazendo algo que sempre gostaram. Neste caso, além de combater as tensões emocionais, a dança dá mais motivação e melhora o equilíbrio biopsicológico e a autoestima”, diz o educador físico, que também tem pais adeptos da prática. “Eles saem e dançam a noite toda”, conta o educador físico.

Já para os fumantes, os cuidados devem ser maiores. Devido ao desgaste do pulmão, o organismo precisa trabalhar mais para manter a oxigenação necessária. “O coração tem que bombear mais sangue para manter os níveis, ficando sobrecarregado, e isso é um perigo”, explica Sidney, lembrando que os exercícios estão até liberados, desde que sejam leves e acompanhadas por um médico.

As únicas que não têm conta-indicação são mesmo as crianças, que estão livres para qualquer prática. De acordo com o especialista, as atividades são bem-vindas nos dias atuais, quando cada vez mais jovens apresentam problemas ligados à obesidade. Todos os esportes estão liberados e, no caso das academias, é bom apenas ter a orientação de um profissional de educação física.

“Não existe uma idade certa para fazer musculação, desde que haja o acompanhamento de um professor, que vai analisar o que pode ou não ser feito pela criança, até porque ela está em fase de formação e não terá as mesmas condições de um adulto. Ela não vai pegar 10 quilos, por exemplo, mas pode começar com um”, afirma Sidney Arruda.

Para completar o quadro e ter uma vida mais produtiva, a última dica é prestar atenção na alimentação, preferindo pratos menos calóricos e com baixo índice de gordura. A recomendação é fazer pelo menos três refeições diárias e dois lanches saudáveis, que devem incluir cereais, tubérculos, grãos, legumes, verduras e frutas. A dieta também deve conter leite, carne e bastante água.

Primeira Edição © 2011