Engenheiro cria carro movido a álcool, gasolina e energias eólica e solar

12/01/2012 06:01

A- A+

G1

compartilhar:

O engenheiro cearense Fernando Alves Ximenes criou um carro movido a quatro combustíveis, que, segundo ele, é o primeiro “quadriflex” do mundo. O veículo usa álcool, gasolina, energias eólica e solar. “A ideia é ambiental. É reduzir a emissão de CO² na atmosfera”, diz o engenheiro. O automóvel foi apresentado no encontro Inova 2011, em junho, no Ceará, e na EcoEnergy, feira internacional de tecnologias limpas e renováveis, que ocorreu em São Paulo em setembro.

Desenvolvido a partir de um FIat Uno, que já tem motor bicombustível, o chamado carro “quadriflex” ganhou potência e economiza 40% de combustível. Com isso, lança 40% menos de CO² no ar, segundo seu criador. “O carro ganha seis cavalos potência. Passa para 81 cavalos”, explica o engenheiro. Para chegar ao carro “quadriflex”, ele conta que foram dez anos de pesquisa o que, segundo diz, dificulta a contabilidade dos investimentos.”Mas foi tudo com o meu próprio capital”, afirma.

Ximenes explica que no motor convencional existem correias e engrenagens que fazem rotação para produzir a energia demandada pelo veículo e, segundo o engenheiro, no “quadriflex” essa energia é produzida pelo ar e pelo sol. Com isso, o automóvel fica mais econômico e emite menos CO² na atmosfera. A energia solar é captada por uma placa fotovoltaica no teto do veículo, que tem geradores eólicos embutidos nas laterais. Os geradores capturam energia quando o carro está em movimento.

Dono da empresa Gram Eollic, o cearense afirma que já foi procurado por uma montadora norte-americana e que, se as conversas avançarem, uma unidade de fabricação deve ser montada no Ceará dentro de três anos. “Será uma holding, com as duas marcas. E eu faço questão que seja no Ceará, para gerar empregos no estado”, aposta.

Carro autossustentável – O engenheiro explica que seu próximo projeto é apresentar em 2012 o carro autossustentável. Segundo Ximenes, o automóvel vai funcionar apenas com energia eólica e fotovoltáica (solar), sem emissão de nenhum poluente gasoso. “O carro ‘quadriflex’ é ainda emite CO², embora haja redução. Com o novo carro, a pessoa poderá viajar de Fortaleza ao Rio Grande do Sul sem ter de parar em posto de gasolina”, acrescenta.

Além disso, ele argumenta que, para atingir o objetivo ambiental, é preciso disseminar o uso do mecanismo em carros populares. “A linha de produção tem de ser em série. Se não eu não ia conseguir o objetivo ambiental. Jamais conseguiria um número que significasse uma redução de CO² na atmosfera”, diz. Para isso, argumenta, tem de se unir a alguma empresa que já tenha filiais no mundo inteiro.

Primeira Edição © 2011