Luxemburgo: ‘Os jogadores não são marqueteiros, são profissionais’

Técnico sai em defesa do grupo e condena vice de finanças Michel Levy

10/01/2012 14:22

A- A+

GLOBOESPORTE.COM

compartilhar:

A guerra está declarada e cada um com suas armas. A declaração do vice-presidente de finanças do Flamengo, Michel Levy, de que “um ou dois marqueteiros estão fazendo barulho” em referência aos jogadores por conta das pendências financeiras gerou reação do grupo, que se recusou a dar entrevistas. E Vanderlei Luxemburgo, que tem atrito constante com Levy, tentou amenizar a crise interna entre grupo e diretoria, mas deixou clara sua insatisfação com o departamento financeiro.

- Tem muita coisa à flor da pele, se não tiver cuidado vai tudo para o espaço. As entrevistas dos jogadores (sobre os atrasados), a declaração do vice financeiro Michel Levy... Se partir para o confronto, não vai chegar a lugar nenhum. Os jogadores estão se empenhando, mas é um direito inalienado de todo cidadão brasileiro reivindicar seus direitos, e o clube tem algumas pendências com os jogadores. Foi um pouco de infelicidade da declaração do Michel Levy de que tem marqueteiros de plantão, essas coisas.

Os jogadores são profissionais. Também sei que a Patricia (Amorim, presidente) está buscando recursos para cumprir seus compromissos. Não quero que meus jogadores sejam chamados de marqueteiros, eles são profissionais - afirmou Vanderlei Luxemburgo.

Vanderlei destacou que, caso as coisas estivessem bem, o assunto seria outro.

- Se tivéssemos contratado jogadores e sem atraso de luvas, a conversa seria outra. Os jogadores estão certos em falar (sobre dívida). Eles não são mercenários, falaram a verdade. Os jogadores que falaram estão certos, e sei que o clube vai cumprir, mas, quanto mais rápido, melhor para evitar esse confronto. O desconforto vai acontecer, como tem sido agora, mas não pode virar uma crise. Sinto que não tem atrapalhado o trabalho - afirmou o treinador.

Certo é que grande parte dos jogadores não engoliu a posição do vice de finanças, que disse não haver crise. Os atletas questionam ainda a falta de uma satisfação por conta do atraso, já que nenhum dirigente rubro-negro conversou com o grupo sobre a questão das dívidas.

A crise interna deixa o clima pesado. Durante a entrevista, Vanderlei defendeu a presidente Patricia Amorim e alfinetou Levy. Questionado se a situação dos atrasados incomoda e o impediria de fazer cobranças, Vanderlei explicou:

- Você fica mais experiente, toma decisões com mais calma. Eu continuo incomodado, foi uma reivindicação que fiz a Patricia quando cheguei ao clube em outubro de 2010, que para cobrar dos jogadores é importante eles estarem com os compromissos em dia, senão cria esse desconforto. Isso é ruim. Cobro sempre deles, brigo por eles. Não estou satisfeito, poderia ser diferente. Às vezes, você fica tolido de cobrar, o cara pode dar uma resposta atravessada. Precisamos de agilidade - completou o treinador.
 

Primeira Edição © 2011