Em casa, a Miss Brasil 2010, Débora Lyra, planeja a vida após acidente

09/01/2012 15:49

A- A+

G1

compartilhar:

A Miss Brasil 2010, Débora Lyra, deu a primeira entrevista após o acidente na BR-101, em Guarapari, na Grande Vitória, ocorrido no dia 27 de dezembro. A modelo capixaba disse que ficou inconsciente por quatro dias e quando se recuperou não se importou com as cicatrizes no corpo. “Eu não vi nada. Falaram que o carro ficou destruído. Não me lembro de ter entrado no carro”, disse.

A irmã de Débora contou a ela o que aconteceu após ter passado duas cirurgias. A primeira para a retirada do baço e a segunda, na coluna. "Um médico disse que eu era um milagre de Deus. Poderia ter ficado paraplégica. Ele falou que eu não tinha cicatrizes no rosto e não me importei com as que eu fiquei pelo corpo", contou.

Débora disse que, por causa do acidente, vai voltar melhor, mais confiante, madura, disposta, batalhadora, com mais fé em Deus e ao lado da família. “O importante é que eu estou viva, mexendo tudo. Vou ficar bem e voltar ao que eu era antes. Posso dizer que mudei bastante e que sou uma nova Débora Lyra”, relata.

Sonhos

Depois de passar pelas sessões de fisioterapia e recuperar todos os movimentos, Débora deseja voltar às passarelas e ser apresentadora de televisão. "Meu maior sonho era ser Miss Brasil, e consegui. Agora quero ter um programa de TV e, com certeza, vou conquistar”, conta.

A Miss Brasil 2010 diz que quer ajudar as pessoas, escrever um livro contando sua trajetória e relatar a experiência do acidente. “Quero ser um exemplo de superação, de fé e garra. Hoje, até levantar sozinha, considero uma vitória", enfatizou.

Família

Os pais, aliviados com a recuperação da filha, dizem que ela sempre foi determinada, desde pequena. “Ela começou a modelar com 9 anos, e eu achei engraçado essa passagem de modelo para miss. Com 12 anos, ela falou: ‘Pai, eu não quero mais ser modelo’. Eu tomei um certo alívio. Ela falou: ‘Agora eu quero ser Miss Brasil’. Eu falei: ‘Como é que é?’. ‘É, eu quero ser Miss Brasil’”, lembra o pai.

A faixa de Miss Brasil ganhou destaque na casa dos pais, na parede do quarto dela. Débora Lyra venceu o concurso por Minas Gerais, mas ficou no Espírito Santo até os 18 anos, onde desfilou e foi muito fotografada. Saiu do estado, ganhou o Brasil e o mundo.

A família da Débora, claro, sempre guardou as faixas dos concursos de beleza. Débora tinha apenas 12 anos quando ganhou a primeira faixa como Miss Espírito Santo Juvenil de 2003. São muitas fotos também, de uma carreira muito bem sucedida. Agora, para recomeçar, Débora vai precisar de muita força de vontade e persistência. O processo de fisioterapia deve demorar pelo menos seis meses.

Acidente

Chovia muito. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o carro em que Débora estava invadiu a contramão em uma curva e bateu de frente na caminhonete onde havia três pessoas, que, por sorte, escaparam com vida. Mas no carro da miss, dirigido pelo namorado, também viajavam uma amiga e a mãe do rapaz, Maria Auxiliadora de Souza, que morreu na hora.

A sogra de Débora estava no banco de trás, sem cinto de segurança. Na batida, seu corpo foi projetado sobre o banco do carona, onde estava a ex-miss. “Essa é uma prova de que o cinto de segurança não precisa ser usado só nos bancos da frente. Tem que ser usado também no banco de trás. Porque o paciente que está no banco de trás pode ferir o que está no banco da frente. Provavelmente foi isso que aconteceu com a coluna cervical dela”, explica o médico.

Paramédico

Débora agradeceu a pessoa que a socorreu no dia do acidente. Caso o procedimento tivesse dado errado, a modelo poderia ter seus movimentos comprometidos, podendo ficar paraplégica. "Em seis meses, quero ficar recuperada. Agradeço muito ao paramédico que me socorreu. Acredito que se não sobrevivesse ou perdesse os movimentos das pernas e braços eu também compreenderia a vontade de Deus”, comenta.

 

Primeira Edição © 2011