Vigilante teria sido morto por causa de dívidas de jogo em Palmeira dos Índios

Carlos, que foi morto a facadas na terça (3), perdeu R$ 2.600 na mesa de jogo

04/01/2012 13:50

A- A+

Redação

compartilhar:

Um dia após ter sido assassinado com golpes de faca, a morte do vigilante Carlos Roberto de Melo Cavalcante, de 56 anos, parece que está sendo solucionada. De acordo com as investigações e os primeiros depoimentos colhidos, a morte teria sido motivada por uma dívida que a vítima tinha com um homem identificado como Valdik.

Em depoimento na 5ª Delegacia Regional de Palmeira dos Índios, Valdik, que é proprietário do estabelecimento Villas Bar, revelou que tudo começou depois que o vigilante contraiu uma dívida com ele de R$ 600, depois de ter perdido o salário de um mês, cerca de R$ 2.600, na mesa de jogo. Valdik emprestou os R$ 600 e recebeu de Carlos um cheque no mesmo valor, que seria compensado nesta quarta-feira (4).

Ainda segundo o proprietário do bar, no final da manhã desta terça-feira (3), dia do crime, Carlos foi até o estabelecimento e indagou por Senival, irmão de Valdik. Ao ser informado pelo dono do bar que seu irmão estava dormindo, Carlos sacou a arma e começou a disparar em direção à Valdik. Mesmo sem ter sido atingido por nenhum disparo, ele caiu no chão e Carlos fugiu.

Ao perceber a gritaria que se formou, por pessoas que acharam que Valdik tinha sido assassinado, Senival acordou e em posse de uma faca, foi atrás do vigilante. Carlos voltou a atirar até que ficou sem munição, quando foi alcançado por Senival que o golpeou por onze vezes, a maioria o tórax. O vigilante morreu no local.

Segundo populares, Senival já teria cumprido pena por homicídio, mas o fato não foi confirmado pela polícia. Carlos era vigilante do Instituto Federal de Alagoas (IFAL) de Palmeira dos Índios.
 

*com 7Segundos.

Primeira Edição © 2011