Religiosos e profetas pregam o fim do mundo em 2012

02/01/2012 14:26

A- A+

Redação

compartilhar:

Chegou o ano de 2012 e um dos assuntos mais comentados é o calendário maia que, segundo algumas interpretações, prevê o fim do mundo em 21 de dezembro de 2012. Maias, Egípicios, Celtas, Nostradamus e diversos profetas, Chineses e Budistas, cientistas e religiosos das mais diferentes crenças dizem que o mundo como o conhecemos pode estar com os dias contados.

A teoria a respeito dos maias, amplamente conhecida no México, teve sua origem em achados arqueológicos, com alusões a um evento místico que ocorreria no dia 21 do último mês de 2012. Eles eram interpretados como uma profecia sobre o baseado nos supostos entendimentos maionistas sobre o fim dos tempos. Mas segundo o Instituto Nacional de História Antropológica do México, a civilização maia jamais previu isso.

“Eu garanto que o mundo não vai acabar em 2012. O apocalipse começou na verdade em 1979, quando eu tive a consciência de que sou Jesus reencarnado. O ano de 2012 vai acabar para aqueles que morrerem nesse ano. O mundo vai acabar um dia, mas como disse há 2 mil anos, eu mesmo fico agradecido ao Pai por não saber quando isso ocorrerá”, disse Inri Cristo. Ele firma ser a reencarnação de Jesus Cristo na Terra

Outro que tenta desmistificar a crença de que o mundo irá acabar em 2012, o Cônego Antônio Aparecido Pereira, o padre Cido, vigário episcopal para as comunicações da Arquidiocese de São Paulo, diz que é preciso tomar cuidado com quem afirma que o mundo irá acabar ou que Jesus Cristo voltará à Terra em 2012. “Não há nada na Bíblia que indique que o mundo irá acabar este ano. Digo isso em nome da Igreja católica”, afirmou o padre Cido.

Em diversas culturas ancestrais o ano de 2012 é marcado nos calendários como o ‘apocalipse’, ‘o fim do mundo’, ‘o juízo final’, ‘o fim de um ciclo’ e, no mais otimista, o ano em que esta era terminará e outra, melhor, será iniciada. Mas o que de fato acontecerá na fatídica data de 21 de dezembro de 2012?

*Com G1

Primeira Edição © 2011