seta

578 postagens no blog

Estreou em 1973 como repórter do Diário de Pernambuco, do qual foi redator e editor setorial. Foi editor-geral do Diário da Borborema-PB, Jornal de Hoje e Jornal de Alagoas. Foi colunista político e editorialista de O Jornal. Exerceu os seguintes cargos: Coordenador de Comunicação da Assembleia Legislativa de Alagoas, Delegado Regional do Ministério do Trabalho, Secretário de Imprensa da Prefeitura de Maceió e Secretário de Comunicação de Alagoas. Atualmente é editor-geral do PRIMEIRA EDIÇÃO.

Rumo ao descrédito total

28/01/2019 17:51

A Rede Globo não está apenas ressentida com a primazia que o presidente Bolsonaro resolveu conferir a outras emissoras de TV. Preocupa, de igual modo, a organização dos irmãos Marinho a decisão já tomada pelo governo de parar com a remessa de bilhões de reais, em publicidade, para a chamada ‘grande mídia’.

Sabem, os dirigentes globais, que nos últimos cinco, seis anos a audiência de seu principal produto, o Jornal Nacional – tem se alimentado de escândalos políticos abastecidos, sobremaneira, pelo interminável fluxo de denúncias da Lava-a-Jato.

À Globo, portanto, não interessa que o novo governo represente quase 60 milhões de votos ou que, se Bolsonaro falhar, o País tomará um rumo imprevisível. Quando a Globo ‘batia’ em Lula, os petistas criam que era marcação. Aí a Globo também bateu em Dilma, em Aécio, em Renan, em Azeredo, e logo se percebeu que não havia alvos preferenciais, mas, sim, um objetivo de empresa: repercutir e ampliar denúncias para otimizar audiência.

Ocorre que, agora, a Globo volta a insistir no denuncismo, mas encontrou uma barreira intransponível: Bolsonaro se comunica pela Record e pelo SBT e, o mais ‘danoso’, não passa recibo à televisão global. Não dá entrevista nem responde a acusações. Não fala à Globo. E qualquer jornalista sabe que noticiário com uma só versão, sem o equilíbrio dos ‘dois lados’, tem tudo, menos credibilidade. O pânico da Globo com essa postura é tal que seus editores tiveram a ousadia de ‘questionar’ perguntas feitas pela reportagem da Record à Flávio Bolsonaro.

Nesse caso em especial, o que preocupa a TV dos irmãos Marinho não é a audiência de seu principal noticioso. Preocupa saber que, sem o crédito que só pode ser proporcionado pala oitiva dos ‘acusados’, toda sua cobertura expondo a família Bolsonaro como foco de denúncias soará como ‘campanha contra o governo’.

Ou seja, falta muito pouco para a notícia global passar a ter a mesma credibilidade que tem o comentário de um inimigo.

 

O PASSADO CONDENA

O grupo Globo pode até se fantasiar de instituição democrática, mas vai ser lembrado como uma organização que apoiou a ditadura e sempre esteve do lado de quem exercia o poder.

 

BOICOTE GLOBAL

Aliados do presidente Bolsonaro começam a se organizar para boicotar a Globo. Vão usar em grande escala as redes sociais, que derrotaram a ‘grande mídia’ na recente eleição presidencial.

 

A FRASE SIMPLES E A ESTUPEFAÇÃO DA MÍDIA

A situação de impunidade vigente no Brasil nos anos petistas pode ser mensurada pela reação da mídia a uma fala simples do presidente Bolsonaro. Ele disse: “Se ficar comprovado que Flávio errou, ele vai ter que pagar”. A mídia reagiu como se a frase, inusitada tratando-se de um presidente da República, fosse um  autêntico escândalo de honestidade.

 

VISÃO DOS CONTRAS

Os inimigos de Bolsonaro qualificaram de ‘vazio’ o discurso do presidente na Suíça. Já Delfim Neto, um gênio da economia, comentou com magistral isenção: “Foi um discurso fundamental”.

 

LIVRO, SEMPRE

O mestre Douglas Apratto, vice-reitor do Cesmac, não abre mão de publicação impressa. Curte a internet como todo intelectual, claro, mas está sempre com um livro de baixo do braço.

 

SEM DISPUTA, AMA MANTÉM HUGO WANDERLEY

Um acordo que envolveu o governador Renan Filho pacificou o cenário na Associação dos Municípios Alagoanos. Feita a composição, o prefeito de Cacimbinhas, Hugo Wanderley, será reconduzido à presidência da AMA nesta 2ª feira (28). Será chapa única, sem disputa. A prefeita Pauline Pereira, de Campo Alegre (que havia se movimentando para disputar o comando da entidade) integra a chapa como vice-presidente.

 

ALE ACOMPANHA

O vice-presidente da Assembleia, deputado Francisco Tenório, formou comissão de parlamentares para acompanhar todo o desenrolar dos acontecimentos envolvendo o bairro do Pinheiro.

 

DIREITA CONVICTA

Intelectual de direita ‘com orgulho e convicção’, o escritor alagoano Rosalvo Acioly elogiou a ‘forma e o conteúdo’ do livro Democracia Digital, lançado pelo senador Renan no Hotel Ritz.

 

HADDAD E ALIADOS TORCEM MUITO PELO BRASIL

Fantoche de Lula, pior prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad exercita seu patriotismo torcendo pelo fracasso do governo de Bolsonaro. Aliás, como o próprio presidente já disse, o novo governo não pode errar, porque, se tal acontecer, estará

criada a oportunidade para a volta do PT. Portanto, se depender dos petistas, o Brasil vira uma Venezuela em quatro anos.

 

PODER É PODER

Que o diga Nicolás Maduro. Ele destruiu a Venezuela, mas, no meio da desgraça nacional, fez uma eleição de cartas marcadas e ainda quer que o mundo o reconheça como presidente legítimo.

 

IMAGEM NA LAMA

A delação de Palocci detonou a imagem que Dilma tinha de ‘mulher séria e honesta’. O ex-ministro aliado fala de corrupção, mas fulmina Dilma denunciando-a como traidora de Lula.

 

 

seta

Senador Renan lança Democracia Digital em noite de consagração

18/01/2019 17:39

No jargão literário seria uma ‘miscelânea’ ou ‘coletânea’ ou mesmo ‘antologia’, mas, tratando-se de política, podemos dizer que Renan Calheiros acaba de lançar uma ‘peneirada’ sob o  sugestivo título de Democracia Digital, seu novo e possante livro de 489 páginas, com ilustrações em gravuras.

Considerando a multidão que se comprimiu no ‘Salão Linda Mascarenhas’, no aprazível Ritz Lagoa da Anta, conclui-se que houve inescapável erro de cálculo: era evento para um Centro Cultural de Jaraguá ou um Teatro Deodoro.

Mas o senador, tratado como ‘O Sobrevivente’ em entrevista de Ana Clara Costa, nas imperdíveis Páginas Amarelas da revista Veja (incluso no volume), fez o que aprendeu a cometer como ninguém: embrenhou-se no meio da massa humana compactada, cumprimentando um a um com apertos de mão, abraços e sorrisos de quem, ao mesmo tempo, agradecia e comemorava uma conquista épica.

Pois Renan Calheiros, alvo preferencial de procuradores que se habituaram a tratá-lo com indisfarçável ‘despeito pessoal’, foi um dos 12 senadores que conseguiram renovar o mandato dentre os 54 que tentaram a reeleição no último sete de outubro.

Líder político em sólida ascensão, o governador Renan Filho compareceu, óbvio, mas que fique bem claro: chegou mais tarde, quando o espaço reservado já não comportava mais ninguém, deixando evidente que o ‘dono da festa’ era o pai e a atração da vez não eram novos atos de governo por Alagoas, mas um livro de abordagem fragmentária, versátil, bem apropriado para indicar o estado de espírito do político saído de um embate eleitoral que mais pareceu uma batalha campal, daquelas em que se contam a dedo os remanescentes ou... sobreviventes.

Eram tantas as figuras ilustres, apinhadas, conversando e gesticulando com dificuldade – não pela pequenez do recinto, mas, de fato, pelo volume de almas reunidas – que mais parecia uma conferência de notáveis. Mas era possível ver também gente simples engrossando a fila para ter em mãos um exemplar do volume disposto numa mesa com três simpáticas secretárias formalizando o ato de distribuição.

Democracia Digital – o título já o diz – coloca Renan Calheiros na era da cibernética e o traslada, em páginas muito bem impressas na Gráfica do Senado Federal, a um público cada vez mais envolvido com o poder incomensurável das redes sociais.

Reúne, quase que por exigência etimológica – pronunciamentos feitos da tribuna senatorial, discursos laudatórios como os que reverenciam Rui Palmeira, o senador, e Teotonio Vilela, o Menestrel da Democracia, e uma sequência tumultuária de textos tuitados pelo novel adepto da comunicação interativa.

A obra fala de Alagoas, do Brasil, do Senado como guardião perene dos valores democráticos, dos poderes, e reserva espaços generosos às investidas de procuradores do Ministério Público Federal, de Gurgel a Janot, ontem, e de Dodge, hoje, que o senador retrata como perseguidores contumazes.

Como em outro volume recém lançado sob o título ‘ Quanto mais perseguição, mais óbvia a verdade’, Renan Calheiros imputa ao MPF, em tom recorrente, a irresponsabilidade de denunciá-lo com o fito único de encorpar o fardo de inquéritos da Lava-Jato, valendo-se, invariavelmente, de forçadas alusões ao seu nome por delatores que acusam sem provas na agônica esperança de serem recompensados na hora do ajuste de contas com a Justiça.

Nessa linha, Renan enfatiza episódio em que um delator disse, perante procuradores do Ministério Público, que, falando do senador Romero Jucá, ‘sentia intrinsecamente’ a presença do senador Renan Calheiros...

Mas é à matemática que o senador recorre para, em registro quase triunfal, assinalar que, das acusações a ele assacadas, nada menos do que 10 já foram arquivadas por absoluta ausência de provas.

O novo livro, a mostrar que o autor é um alagoano que já presidiu o Congresso Nacional em quatro oportunidades e até assumiu a Presidência da República, também se esmera em apresentar o senador das Alagoas como um filho da interiorana Murici ao

enfeixar versos populares dispostos em 15 páginas sob o título ‘O Cordel do Tuiteiro’, assinado pelo afiadíssimo Zé das Alagoas.

Democracia Digital sintetiza, em carne e espírito, em registros tão fugazes quanto surpreendentes, a figura deste intimorato alagoano com espaço reservado na galeria dos grandes políticos da República brasileira. Com ou sem controvérsia.

 

seta

No caminho certo, sem autoritarismo, do jeito que o povo quer

10/01/2019 14:39

O Brasil se libertou do petismo, com o voto livre e consciente de 57 milhões de eleitores, mas falta ao presidente Bolsonaro uma coisa muito simples: arrumar a casa. A ‘despetização’ dos órgãos estatais – que deveria ter ocorrido após a destituição de Dilma, mas Temer temeu represálias e condescendeu – foi o início. Cumpre, agora, definir metas dentro de um projeto consistente e dinâmico. O bater cabeça é natural – houve com Lula e Dilma – mormente em um governo em que cada ungido a cargo do primeiro escalão age como se fosse o próprio vitorioso.

Bolsonaro deve, sim, delegar poderes aos ministros, até porque já provou não ter vocação para ‘centralizador autoritário’, mas que fique claro, sempre, que ele é o presidente e que nada de relevante – principalmente o que implique desgaste para a população – pode ser anunciado ou definido sem o seu prévio conhecimento.

Importante, também, seria a indicação de um porta-voz do governo, um assessor de comunicação categorizado para transmitir à sociedade decisões governamentais no contexto de um discurso unificado, exatamente para evitar conflitos de posições que só servem para confundir a opinião pública e produzir desgaste à imagem do governo, isto é, do presidente.

Bolsonaro gosta de ouvir opiniões de seus auxiliares e já demonstrou ser tolerante, mesmo quando há divergências que atingem sua própria maneira de pensar. É um estilo novo, muito distante do perfil arrogante dos recentes governantes petistas, mas deve ter limites. Um presidente democrata, que põe a Constituição acima de todos (mas abaixo de Deus), e que considera o que pensam as pessoas que o cercam, é o presidente ideal. Desde, no entanto, que faça prevalecer a força nuclear de suas próprias ideias e de seus próprios conceitos. É gratificante, contudo, ver que o Brasil tem um presidente aberto ao diálogo e avesso a imposições que possam lembrar faíscas de autoritarismo.

 

seta

Renan Filho destaca redução da violência com avanços na segurança pública de Alagoas

04/01/2019 13:02

O governador Renan Filho (MDB) anunciou a convocação de 1 mil policiais militares aprovados no último concurso público, no primeiro gesto de impacto para reforçar a segurança pública de Alagoas já nesse início de segundo mandato.

O anúncio foi feito durante entrevista coletiva na manhã e sexta-feira (4), oportunidade em que o governador informou para dentro de três meses a abertura de mais sete Centros Integrados de Segurança Pública (CIsps), estruturas que envolvem delegacias e unidades militares, com o objetivo de otimizar a segurança no interior do estado.

Renan Filho iniciou o Ano Novo disposto a redobrar seu ritmo de trabalho e surpreendeu convocando uma coletiva para informar, dentre outros dados, que Alagoas reduziu em 50% os casos de violência ao longo de 2018, com destaque para a queda da taxa de homicídios, crimes contra o patrimônio e redução dos assaltos aos coletivos urbanos que circulam em Maceió.

O comando da SSP-AL informou que, entre 2015 e 2018, 7130 homicídios foram contabilizados, ao passo que, na gestão passada, Alagoas amargou 9108 assassinatos, o que significa uma redução de 21,7%.  Na capital alagoana, a redução foi de 31,7%, tendo sido registrados 3336 assassinatos entre os anos de 2011 e 2014, e 2280 nos últimos quatros anos, relativos ao seu mandato. 

 

OUTROS CRIMES

Durante a coletiva, no salão de despachos do Palácio República dos Palmares, o governo apresentou dados oficiais sobre diversos tipos de crimes. Com relação a latrocínio (roubo seguido de morte), em 2017, 58 ocorrências foram registradas no estado e 36 no ano passado, o que equivale a uma redução de 37,9%. Em relação aos casos de feminicídio, a diminuição foi de 42,4% entre os anos de 2017 (33 ocorrências) e 2018 (19 ocorrências). 

Na capital, foi igualmente registrada uma redução do número de vítimas nos crimes de latrocínio. Em 2017, 15 pessoas foram vitimadas e, em 2018, 13 pessoas, representando uma variação de 13,3%.

Maceió ainda registrou queda nos casos de feminicídio em comparação com o ano de 2017, quando foram registrados 8 casos, e, no ano passado, 6 ocorrências, o que representa uma diminuição de 25%. Ataques a coletivos urbanos também foram destacados, representando um recuo de 36%, sendo 507 assaltos contabilizados em 2017 e 325 no ano que passou. 

seta

Como lição, presidente Otávio Lessa deveria manter reeleição no Tribunal de Contas

31/12/2018 19:32

Demorou, foi preciso uma manifestação do Supremo Tribunal, mas o enfrentamento chegou ao fim. E chegou com o mesmo cenário que se desenhou desde o início: vitória de Otávio Lessa e derrota de Rosa Albuquerque e Anselmo Brito.

Principal articulador da disputa a favor da situação, Brito cometeu erro primário ao tentar colocar um ato administrativo acima da lei. Para garantir a vitória de seu grupo, e com o que Rosa Albuquerque se reelegeria presidente, Brito queria que uma auditora votasse substituindo o conselheiro afastado Cícero Amélio. Não deu. Perdeu no Tribunal de Justiça do Estado e, logo depois, no Supremo Tribunal. No STF, o presidente Dias Toffoli repetiu o óbvio: vale a Lei Orgânica do Tribunal de Contas.

Nos bastidores circulou uma informação nunca confirmada: a chapa de Rosa e Anselmo teria recorrido ao presidente do TJ-AL, Otávio Praxedes para derrubar a liminar de Elisabeth Carvalho, que proibiu o voto de conselheiro-substituto. O fato é que Praxedes não se manifestou e, se o fizesse, com certeza respaldaria a decisão da colega Elisabeth, acatando, também, o despacho do ministro Dias Toffoli.

Quanto ao acordo que pôs fim à chicana, tratou-se de mais uma derrota. Pior do que perder a presidência foi aceitar cargos como condição para encerrar a disputa perdida. Ficou claro – não foi só impressão – que a chapa derrotada não estava lutando por um direito, mas pelo poder, ou seja, pelo direito ao continuísmo.

Poderia ter sido diferente. Otávio Lessa, o candidato respaldado pela Lei e pela Justiça – e afinal eleito – já havia afirmado que, uma vez no comando, poria fim à reeleição na Corte de Contas de Alagoas. Portanto, não iria trabalhar para se reeleger daqui a dois anos. Estava assumido, solenemente, o compromisso de instituir a alternância entre os conselheiros, situação inédita no TCE. Por que, então, alimentar uma briga intestina?

Rosa Albuquerque, que ao fim do confronto terminou sem cargo e sem prêmio de consolação, poderia ter entendido isso antes de embarcar na canoa sem rumo pilotada pelo timoneiro Anselmo.

Agora, uma perguntinha: e se Otávio cismar e, agindo como seus contendores, desistir da ideia de acabar com a reeleição?

Não seria uma justa lição para seus adversários recalcitrantes?

 

seta

Primeira Edição © 2011