seta

279 postagens no blog

O BLOCO “HABEAS CARNAVAL” ESTÁ NA RUA.

16/02/2012 08:48

 

Coincidência ou não, os “habeas corpus” estão funcionando para uns e outros neste período carnavalesco.

 

O ex-coronel Cavalcante vai para a rua dentro do princípio da progressão de pena.

 

O José Maria Tenório também foi solto.

 

E o Francisco Tenório, idem.

 

Parece até um combinadinho com o Rei Momo que, aliás, e quem vai mandar nos próximos dias.

 

Portanto, está tudo certo.

 

Na verdade, o que nós queremos é que tudo aconteça como manda o figurino.

 

Inclusive, deixando claro que, até prova em contrário, à exceção de Cavalcante, todos estão com a presunção da inocência.

 

E, no mais gente, é carnaval e vamos em frente que atrás do bloco sempre vem gente.

seta

RONALDINHO - SÍMBOLO DA CULTURA BRASILEIRA?

11/02/2012 15:20

Não tenho nada contra o jogador de futebol, Ronaldinho Gaúcho.

Na verdade, nem sou um grande torcedor de futebol, a não ser pelo fato de que nasci no Rio de Janeiro, bem em frente à sede do Fluminense.

E aí aprendi a dizer que meu time é o Fluminense.

Agora, vamos e venhamos, chega-me ao conhecimento de que a nossa Academia Brasileira de Letras vai outorgar ao Ronaldinho a medalha Machado de Assis, a mais importante honraria que aquela casa dedica aos gênios das letras.

Pelo que eu saiba a única incursão do jogador nessa área é quando faz um “gol de letra”.

E mais nada.

A título de justificativa dizem os homens dos fardões engalanados que Ronaldinho faz jus à honraria pelos serviços prestados à Seleção Brasileira.

De futebol, gente! Seleção Brasileira de Literatura é a nossa Academia, tão respeitada ao longo dos anos e, acho que será agora tão olhada de banda com o gesto que está a cometer.

É preciso “dar a César o que é de César” e a Ronaldinho o que é de Ronaldinho.

Os melhores títulos esportivos, títulos de cidadania, medalhas de reconhecimento por seu belo trabalho em favor do esporte.

Dêem-lhe tudo, mas, por favor, não aumentem a nossa santa ignorância colocando em seu peito a medalha mais representativa do nosso conhecimento literário.

No entanto, quem sabe, um dia, depois de largar o futebol, ele não sairá por aí escrevendo estórias e fazendo história, até como um futuro acadêmico.

Quem sabe? 
 

seta

Onde termina o direito da Polícia Militar

07/02/2012 15:24

Claro que o direito de um termina quando começa o do outro.

Ou vice-versa.

No caso de determinadas greves o além do limite vem sendo extrapolado e o respeito que determinadas categorias devem ao cidadão não é cumprido.

Sem dúvida, este é o caso da greve da PM da Bahia que vem causando um enorme transtorno à população, que vem permitindo que os bandidos ajam e que os homicídios, assaltos e saques aumentem.

Não fosse a intervenção das forças armadas, cumprindo o que não é o seu papel, a coisa ainda estaria bem pior.

No entanto, precisamos alertar para o fato de que cresce um movimento nacional no sentido de provocar uma greve geral de todas as PMS do Brasil e exatamente na época do carnaval.

Ora, meus amigos, se isto vier a ocorrer e esperamos que seja apenas boato, o caos estará implantado, prejudicando milhões de brasileiros em todo o país.

Sinceramente, acho que a ilegalidade de greves que influenciem o bom andamento da segurança, da saúde, de serviços essenciais, deve ser analisada pelos que fazem a lei neste país.

E que não me acusem de direitista como já o fizeram.

Simplesmente, gosto da ordem que também simboliza desenvolvimento, democracia e liberdade.

E quando essa ordem é perturbada pela categoria que deveria preservá-la, então fica a pergunta:

Quem a manterá?

 

seta

A justiça está arrombada.

05/02/2012 17:38

É duro de acreditar, mas é a pura verdade.

Em São Paulo, na cidade de Birigui, o Fórum foi arrombado por ladrões, pasmem vocês, para que fossem roubadas 100 armas que lá estavam guardadas. E mais 60 mil reais de um cofre por eles aberto.

O mesmo aconteceu com mais duas instituições da justiça, todas no estado de São Paulo.

Quando a ousadia de uma quadrilha, formada e armada, chega a esse ponto, o que mais podemos esperar em termos de segurança?

Os ladrões do passado temiam a justiça.

Os de hoje a desafiam.

Logo eles que a deviam temer, que não deveriam gostar de cair nas suas malhas, estão a enfrentá-la como se estivessem a criar uma simbologia do “não ter medo de nada”

É essa falta de medo deles que nos dá medo.

É essa ousadia que nos faz pedir à justiça que busque mais justiça e que exija dos órgãos de segurança muito mais do que fazem.

A continuar dessa maneira, sinceramente, não saberemos mais onde estará o basta.

E nossas vidas continuarão a mercê dos “modernos e eficientes bandidos”. 
 

seta

Não dê caução em hospitais em casos de urgência

02/02/2012 15:33

Fizemos a denúncia do não cumprimento da lei que proíbe as cauções dos hospitais nas  internações de urgência e aí vai o seu texto:
Lei de n° 3.359 de 07/01/02 - Depósitos Antecipados:
                     Art.1° - Fica proibida a exigência de depósito de qualquer natureza, para possibilitar internação de doentes em situação de urgência e emergência, em hospitais da rede privada.
                     Art 2° - Comprovada a exigência do depósito, o hospital será obrigado a devolver em dobro o valor depositado ao responsável pela internação.
                     Art 3° - Ficam os hospitais da rede privada obrigados a dar possibilidade de acesso aos usuários e a afixarem em local visível a presente lei.
                     Art 4° - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

                     Quando a denúncia foi a público o foi no nosso programa “Almoçando com a Notícia” e com a presença de Rodrigo Cunha, superintendente do PROCON em Alagoas, que ratificou a nossa informação e ainda acrescentou que, diante da recusa de internamento as pessoas devem ligar para o Procon ou para a Polícia ou, se por pressão tiverem que efetuar o depósito denunciem depois.

                     Até sabemos como é difícil estar com um parente em estado de emergência e não ceder às exigências dos hospitais, mas, pelo menos a denúncia posterior é preciso registrar. Só assim o abuso pode, um dia, quem sabe, acabar.

 

seta

Primeira Edição © 2011