seta

406 postagens no blog

22 de março Dia Mundial da Água

21/03/2016 13:43

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, a crise hídrica é o risco mais impactante que o mundo enfrenta. Enquanto alguns lugares, como a Somália, sofrem com longos períodos de seca, em outros, como no Sul no Brasil, o excesso de chuva causa estragos de grandes proporções, essas grandes variações acontecem até mesmo dentro do mesmo país, em todos os casos há consequências importantes no desenvolvimento socioeconômico. E as mudanças climáticas já estão agravando essa situação. Nós estamos preparados para cenários cada vez mais imprevisíveis e extremos?

Há anos a gestão da água é um assunto prioritário para a ONU (Organização das Nações Unidas), mas hoje o tema também está nas agendas de discussões de um número significativo de companhias em todo mundo. Isso porque está claro que sociedade, governo e empresas devem atuar em conjunto para desenvolver políticas que melhorem, em todas as esferas, a eficiência e a produtividade desse recurso natural insubstituível.

Se, tradicionalmente, a gestão da água industrial estava focada apenas em reduzir custos e melhorar a eficiência – cerca de dois terços das maiores companhias globais reportaram estar sujeitas a riscos relacionados ao recurso –, atualmente, empresas ambientalmente responsáveis já perceberam que tal estratégia é um componente crítico para o desenvolvimento sustentável. Não querem e não podem competir com a comunidade, pelo contrário, tem que se engajar na solução do problema.

Da porta para dentro das indústrias, além de entender como a água é utilizada e o destino dado aos efluentes, a gestão hídrica deve analisar e otimizar todos os recursos de uma unidade produtiva e levar em conta fatores externos, como as mudanças climáticas. Ou seja, é uma questão estratégica e deve ser incorporada à estratégia de negócios. As empresas precisam identificar riscos e oportunidades associados ao uso desse recurso olhando para o curto, médio e longo prazo. Crescimento da população nas cidades, excesso ou falta de chuva, a integração regional olhando a situação das bacias, mudanças de padrão de uso de solo, são questões que estão em crescimento e devem motivar as empresas a fortalecer o assunto.

Por outro lado, onde há um grande desafio, há também uma vastidão de oportunidades. Muitas iniciativas interessantes e possíveis de replicar já são realidade e muitas outras podem ser desenvolvidas por meio da inovação. No ABC Paulista, por exemplo, o Projeto Aquapolo é o resultado de uma parceria público-privada que pode fornecer até mil litros por segundo de água de reúso, a partir do tratamento de esgoto doméstico, para outras empresas do Polo Petroquímico de Mauá. Os benefícios vão além da economia de água potável, uma vez que ao tratar esgoto vários problemas ambientais e de saúde pública são minimizados. Há um ganho social claro. Mas também as indústrias da região ganharam por reduzir o risco de desabastecimento.

Outra demonstração dos esforços empreendidos por companhias é o engajamento, ao lado das comunidades, na busca de solução de problemas. No Brasil, o Movimento pela Redução de Perdas de Água na Distribuição – uma iniciativa da Rede Brasileira do Pacto Global da ONU e liderado pela Braskem e pela Sanasa – tem como objetivo debater amplamente a respeito das perdas de água nos sistemas de distribuição, com a participação de governos, sociedade civil e setor privado. Além disso, há iniciativas como o CEO Water Mandate da ONU, que mobiliza líderes empresariais de todo mundo em busca de avanços no gerenciamento da água e do saneamento; a Comissão Técnica para Água, do Cebds (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável); e o Instituto Trata Brasil.

As soluções para os problemas socioambientais continuarão sendo discutidas ao redor do mundo. A ONU acabou de propor a nova agenda para 2030, os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Não há dúvidas de que as indústrias têm um papel fundamental na entrega de soluções para esse desenvolvimento que tanto almejamos. Para tal devemos continuar a fazer nosso dever de casa, minimizando os eventuais impactos negativos e potencializando os impactos positivos nas três dimensões da sustentabilidade: econômica, social e ambiental.

Jorge Soto é diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem

 

 Sobre a Braskem

Controlada pela Organização Odebrecht, a Braskem é a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, com volume anual de 16 milhões de toneladas, incluindo a produção de outros produtos químicos e petroquímicos básicos. Com faturamento de R$ 54 bilhões, a Braskem também é a maior produtora mundial de biopolímeros – com capacidade de 200 mil toneladas anuais de polietileno derivado do etanol de cana-de-açúcar (Plástico Verde).

Com o propósito de melhorar a vida das pessoas, criando as soluções sustentáveis da química e do plástico, a Braskem atua em mais de 70 países, conta com mais de 8 mil integrantes e opera 40 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, este último em parceria com a mexicana Idesa.

 

 

seta

18.03 é comemorado o Dia Mundial do Sono

18/03/2016 16:03

Nesta sexta-feira (18/3) é comemorado o World Sleep Day e, para celebrar a data, o Hospital Santa Paula e a marca de amaciantes Fofo, da Unilever, dão dicas para acordar disposto e de bom humor

 Você já parou para pensar no quanto uma noite de sono pode influenciar no seu dia? Uma noite mal dormida apresenta grande impacto na qualidade de vida e na saúde das pessoas e está associada a distúrbios do humor, dificuldades de concentração e memorização, entre outros problemas de saúde. 

World Sleep Day, comemorado nesta sexta-feira (18/03) é uma iniciativa da Associação Mundial de Medicina do Sono (World Association of Sleep Medicine – WASM) e tem como objetivo melhorar a qualidade do sono. De acordo com o pneumologista e diretor técnico do Hospital Santa Paula, João Geraldo Simões Houly, os distúrbios do sono acometem toda a população e são muitas vezes negligenciados ou desconhecidos, apesar de serem cada vez mais frequentes. 

E para orientar a população sobre a importância da qualidade do sono, o Hospital Santa Paula e a Unilever, dona da marca Fofo, dão algumas dicas para uma boa noite de sono:

Passo 1: prepare o corpo

- Use roupas confortáveis para dormir, com tecidos mais leves e frescos, de preferência de cores claras, que absorvem menos calor;

- Tenha uma dieta balanceada e não coma alimentos de difícil digestão à noite;

- Vaporizador e bacia com água nos ambientes são medidas paliativas que, apesar de não terem nenhuma comprovação científica, podem oferecer uma sensação de conforto durante o sono;

- Procure dormir entre 7 e 8 horas diariamente. Essa é a média de tempo para um sono reparador;

- Evite dormir com abajur e TV ligados. Ambiente com luminosidade inadequada e barulho oferecem estímulos que atrapalham o início do sono, sua qualidade e duração;

- Café e estimulantes do sistema nervoso central devem ser evitados de 4 a 6 horas antes de dormir, pois a liberação de neurotransmissores estimulantes leva a um estado de alerta que atrasa a sonolência.

Passo 2: prepare a cama 

- Troque os lençóis da cama pelo menos uma vez a cada duas semanas. Desta forma, você elimina toda pele morta, cabelo e ácaros que podem atrapalhar seu sono;

- Lave as peças de acordo com a cor e tipo de tecido. A mistura de cores pode manchar as roupas, o ideal é separar as brancas das coloridas. Já a mistura de tecido pode acabar estragando as fibras mais delicadas, como seda e linho;

- Para ter uma cama macia e perfumada, lave os lençóis com amaciante. Uma boa opção é o Fofo Concentrado, que além de deixar super perfumado amacia os fios. 

- Evite guardar as roupas úmidas, pois isso pode facilitar o aparecimento de mofo;

- Para manter lençóis e fronhas ainda mais cheirosos e protegidos, guarde-os em saquinhos. Já para edredons, mantas, cobertores e colchas devem ser embalados a vácuo, o que permite um perfeito estado de conservação. 

O cuidado na hora de lavar, secar e guardar as roupas de cama é fundamental para obter os melhores resultados da lavagem, garantindo a perfumação de suas peças e uma boa noite de sono para você e sua família. Para saber mais dicas sobre como cuidar das roupas de cama, acesse: http://www.fofo.com.br .

seta

A Páscoa e o Jacatirão

14/03/2016 15:26

A quaresmeira, tipo de jacatirão que tem esse nome porque floresce na quaresma, está em plena florescência, talvez a temporada com mais flores de que me lembro. Em Rancho Queimado, na grande Florianópolis, há um trecho da 282 que está uma beleza, tingido de vermelho e vinho dos dois lados da estrada. Na serra gaúcha também há muitos deles, principalmente nos jardins, e a quantidade de flores é um espetáculo à parte.
Este tipo de jacatirão, a quaresmeira, tem as flores menores do que o jacatirão nativo, que floresce no final da primavera e entre pelo verão adentro, mas é mais colorido, tem cores mais vivas, mais vibrantes. Então não dá pra não notar uma quaresmeira fechada de flores. O manacá-da-serra, outro tipo de jacatirão que floresce no inverno, é mais parecido com o nativo. E, por incrível que pareça, por causa da indefinição do tempo e do clima, alguns manacás-da-serra ainda estão florescendo, como o meu e alguns outros por aí, esticando o seu tempo de florescência, que é em julho, até o início do ano seguinte, dando as boas vindas às flores do jacatirão nativo e tornando este nosso 2016 mais bonito.
Fico encantado com as manchas vermelhas que as quaresmeiras deixam na mata, nos jardins, nas beiras das estradas. Mas não é um encantamento comum, simples, é um encantamento mágico, pois meus olhos são atraídos pelas cores das pétalas vermelhas e lilazes, no meio do verde, e meu olhar flutua em direção a elas, como se minha alma seguisse com ele, rumo às cores. E então meus olhos brilham, como faróis, e o raio de luz é o canal de ligação com meu coração.
É assim que me sinto encantado com a generosidade das flores do jacatirão, encantamento que envolve meu olhar, minha alma, meu coração.
Pois então não sou filho da terra, irmão gêmeo da natureza, como a árvore de jacatirão?

                                               ***********************************************

Sobre o autor: Luiz Carlos Amorim é Coordenador do Grupo Literário A ILHA em SC, com 35 anos de atividades e editor das Edições A ILHA, que publicam as revistas Suplemento LIterário A ILHA e Mirandum (Confraria de Quintana), além de mais de 50 livros. 
Foi eleito a Personalidade Literária de 2011 pela Academia Catarinense de Letras e Artes e ocupa a cadeira 19 da Academia Sul Brasileira de Letras. Foi o representante de Santa Catarina no Salão Internacional do Livro de Genebra, com o lançamento de 3 obras suas, participação na antologia Varal do Brasil e com a divulgação de escritores que nãopuderam ir, com a revista Suplemento literário A ILHA.
Editor de conteúdo do portal PROSA, POESIA & CIA. e autor de 29livros de crônicas, contos e poemas, três deles publicados no exterior. Colaborador de revistas e jornais no Brasil e exterior, como Jornal do Brasil, Diário de Notícias, Correio do Povo, Folha de Pernambuco, O Estado, de Fortaleza, A Noticia, Noticias do Dia, Folha de Pernambuco, Roraima em Foco, Folha do Espírito Santo, etc.
 – tem trabalhos publicados na Índia, Rússia, Grécia, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Cuba, Argentina, Uruguai, Inglaterra, Espanha, Itália, Cabo Verde e outros, e obras traduzidas para o inglês, espanhol, bengalês, grego, russo, italiano -, além de colaborar com vários portais de informação e cultura na Internet, como Rio Total, Telescópio, Cronópios, Alla de Cuervo, Usina de Letras, etc.

Leia o blog Crônica do Dia, em 
Http://luizcarlosamorim.blogspot.com 

seta

As coisas aconteciam

09/03/2016 15:25

Dia desses vi um garotinho, quase adolescente, ficar boquiaberto em frente a um radinho de pilha: ele nunca antes vira um.

Achei engraçado e me assustei. Afinal, são muitas, muitas coisas que ao longo dos últimos anos simplesmente desapareceram e ninguém se lembra de que um dia existiram ou surgiram e ninguém sabe como é que vivemos tanto tempo sem tê-los.

Até a alguns anos escrevíamos cartas, falamos em orelhões e ouvíamos rádio à pilha. Quem muito podia tinha toca fitas e radiola. Os documentos eram redigidos em duas vias, com papel carbono, em máquinas de escrever, por quem tivesse feito curso de datilografia.

O telefone azul, vermelho ou verde água, tinha lugar de destaque na sala e um ou outro era conectado à secretária eletrônica.

A televisão transmitia determinada programação que era localizada por números de apenas dois dígitos, muito bem relacionado com o nome da emissora.

Não preciso lembrar-me de muitas coisas para chegar aonde quero: essas coisas todas desapareceram e continuamos vivendo sem elas.

Até melhores se até hoje as tivéssemos.

Cada uma delas, em sua área específica, foi substituída ou “complementada” por outras mais modernas.

E, para as que vieram, olhamos tão admirados quanto o garotinho do começo do texto e dizemos: “Como vivíamos sem?”

Parece até que toda essa novidade tecnológica trouxe um surto de amnésia e faz esquecer como as coisas eram resolvidas sem todas as facilidades que temos à mão hoje.

Inacreditavelmente tudo era solucionado sim, de verdade!

Passagens aéreas eram compradas, amizades e namoros eram mantidos à distância, programação de TV era assistida mesmo só com cinco canais, trabalhos escolares eram realizados sem o Google, computador ou impressora. Enfim, as coisas aconteciam. Mesmo que hoje, você que fez tudo isso por anos, esteja tão acostumado com as “novidades” que nem se lembre, ao certo, de como é que conseguia fazer tudo isso, sem ter nada disso.

seta

08 de março Dia Internacional da Mulher.

04/03/2016 16:49

Ser Mulher

*Paula Guimarães

 

Você já parou para pensar quantas mulheres admiráveis estão à sua volta? Mulher batalhadora! Que não desiste! Acorda cedo, arruma os filhos para escola, cuida do esposo, que vai ao trabalho, e, no final do dia, está de prontidão para acolher sua família. Mas também encontramos mulheres que conciliam a vida profissional e familiar com a rotina de estudos, seja na faculdade, em um curso técnico ou até mesmo em casa.

Hoje podemos dizer que a mulher assumiu novas responsabilidades, está inserida no mercado de trabalho, em um mercado cada vez mais competitivo e veloz. Tudo é imediato e não pode esperar. Mas será que ser mulher é somente isso? Trabalho, estudo e família? Muito mais do que ter uma carreira profissional estável ou estar em busca dessa estabilidade, a mulher é um ser humano que tem os seus valores e princípios, que adquiriu desde a sua infância e que certamente a acompanharão para sempre.

Não perdemos e não podemos perder os nossos valores e as raízes que nos sustentam e nos impulsionam a seguir.  Como uma casa, que precisa ter as bases sólidas para então se construir as paredes e o restante da obra, assim é a nossa vida também.

Enquanto não nos conhecermos e não tivermos plena ciência de nossas raízes, as nossas decisões serão vazias, não terão sentido! Reflita! Você pode dizer a seu filho que é importante que ele não desista de seus sonhos. Mas, e você? Também luta pelos seus sonhos? Qual foi a sua última conquista? O que significa sonhar para você? Qual foi a última vez que você alimentou algum? Não tenha medo! Não tenha medo de sonhar, de decidir e de fazer escolhas. Corremos o risco de nos acomodarmos, de cairmos na rotina, de achar que somos velhos demais para começarmos um curso, para fazermos determinada viagem.

O meu conselho é que você, mulher, seja capaz de sonhar, de acreditar, movida sempre pela  esperança de dias melhores. Faça uma retrospectiva das mulheres especiais que passaram por sua vida: sua mãe, avó, tia, amigas e quantos ensinamentos você recebeu delas... É hora de colocá-los em pratica! Acredite em você!

Seja feliz! Feliz Dia Internacional da Mulher!

 

*Paula Guimarães é missionária da Comunidade Canção Nova. Jornalista e apresentadora do Programa Sorrindo pra Vida na TV Canção Nova. Autora do Livro TV Canção Nova a vida por trás das câmeras pela Editora Canção Nova.

Blog:blog.cancaonova.com/paulaguimaraes

 

seta

Primeira Edição © 2011