seta

358 postagens no blog

41 anos: Codevasf comemora história de sucesso

15/07/2015 16:23

Há mais de quatro décadas, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) impulsiona o crescimento econômico e social de uma das áreas mais carentes do país, mas também de grandes potenciais. Ao longo da sua história, a empresa destaca-se pelos investimentos em diversas ações, cujos impactos contribuem para a melhoria da qualidade de vida da população dos 894 municípios situados na sua área de atuação, que incluem regiões do Nordeste brasileiro – nos estados da Bahia, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Piauí, Maranhão e Ceará, além do norte de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal. 

Criada em 16 de julho de 1974, a Codevasf é uma empresa pública vinculada ao Ministério da Integração Nacional, cuja missão é promover o desenvolvimento e a revitalização das bacias hidrográficas dos rios São Francisco, Parnaíba, Itapecuru e Mearim com o uso sustentável dos recursos naturais e a estruturação de atividades produtivas para inclusão econômica e social. 

Por meio de execução direta ou parcerias, a Companhia desenvolve expressivo número de obras e ações relacionadas à implantação de perímetros de irrigação; revitalização das bacias do São Francisco e do Parnaíba – esgotamento sanitário, controle de processos erosivos, resíduos sólidos e oferta de água para consumo humano e animal; Arranjos Produtivos Locais (APLs); obras de infraestrutura hídrica – adutoras, sistemas simplificados, barragens e outras inúmeras intervenções. 

Dentre as ações desenvolvidas nos últimos anos, a Codevasf destaca-se como principal executora do programa Água para Todos, integrante do Plano Brasil Sem Miséria, que visa promover a universalização do acesso à água em áreas rurais, tanto para consumo humano como para produção agrícola. Até o final de 2014 foram instaladas mais de 172 mil cisternas em diversos municípios da sua área de atuação. 

No tocante à agricultura irrigada, a empresa vem dando continuidade às obras de revitalização, modernização e implantação da infraestrutura dos projetos públicos de irrigação, viabilizando a manutenção e a geração de milhares de empregos diretos e indiretos. Os projetos públicos de irrigação da Codevasf trouxeram significativos benefícios sociais e econômicos às populações do Vale do São Francisco. Somente em 2014 a produção agrícola obteve uma receita bruta de R$ 1,6 bilhão em área cultivada de 76,6 mil hectares, gerando cerca de 2,6 milhões de toneladas em alimentos e outros produtos, tendo a fruticultura como o maior atrativo de investimentos.

No apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional (SDR/MI), a empresa destaca-se como uma das principais executoras do eixo de Inclusão Produtiva para o Desenvolvimento Regional. As ações incluem o fornecimento de kits apícolas; construção ou adequação de unidades de extração e beneficiamento de mel; implantação de kits de irrigação para agricultura familiar; distribuição de mudas de caju e a construção de unidades de beneficiamento da castanha e do pseudofruto; e apoio à produção de ovinos e caprinos, com a construção de unidades de transferência de tecnologia, capacitação de produtores, fornecimento de animais melhoradores e outras ações que impulsionam essa atividade tradicional no Nordeste.

A empresa também atua na revitalização dos rios na sua área de abrangência com ações que visam a recuperação dos recursos pesqueiros, por meio da produção de alevinos nativos, realização de peixamentos e o desenvolvimento de estudos e pesquisas, além de proporcionar alternativas de trabalho e renda fomentando a aquicultura em tanques-rede e viveiros escavados, promovendo assim a inclusão produtiva de pequenos produtores. A Codevasf também realiza a inserção de jovens no mercado de trabalho por meio do Projeto Amanhã, mediante ações de apoio à educação e profissionalização. 

No ano de 2014, foi atribuída uma importante missão para a Codevasf. Por meio do Decreto nº 8.207, a Companhia foi designada para exercer a função de Operador Federal do Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional (PISF). A empresa passou a ser responsável pela operacionalização e manutenção da infraestrutura do projeto, que busca assegurar a oferta de água, em 2025, a cerca de 12 milhões de habitantes de 390 municípios do agreste e do sertão de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte.

Atenta às demandas da sociedade em geral, a Codevasf está aberta a reclamações, solicitações, denúncias, sugestões e elogios relativos às políticas e às ações que desenvolve. Para isso, conta com a Ouvidoria. O setor dispõe de atendimento telefônico (gratuito) por meio do número 0800 610021, opção 3, ou pelo telefone (61) 2028-4610. Além desse, há outros canais: formulário eletrônico, serviço de acesso à informação, correspondência, atendimento presencial e caixa de comunicação (urna). Saiba mais acessando: http://www.codevasf.gov.br/principal/acesso-a-informacao/ouvidoria.

Codevasf em Alagoas

A atuação da Codevasf em Alagoas esteve inicialmente subordinada à 4ª Diretoria Regional, cuja sede estava localizada em Aracajú (SE). Somente em 24 de janeiro de 1984, a unidade alagoana foi desmembrada de Sergipecom a criação da 5ª Superintendência Regional da companhia em Alagoas, com sede em Penedo. Atualmente a Codevasf atua em 50 municípios alagoanos, o que significa estar presente em mais de 53% do território com apoio ao desenvolvimento regional. 

 

 

 

 

seta

15 de julho :Dia do Homem

13/07/2015 14:50

Neste momento, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) está tentando convencer a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a fazer com que os planos de saúde ofereçam mais uma opção de tratamento para a disfunção erétil.

- A SBU está defendendo uma solução mais digna para a disfunção erétil: a prótese peniana inflável, que reproduz a ereção natural. Hoje, a única opção que resta aos pacientes dos planos de saúde que não melhoram com o uso de remédios e precisam de um tratamento cirúrgico é a prótese semirrígida que os obriga a conviver com uma ereção permanente e constrangedora.

 

Ø  Por que é importante falar deste assunto agora?

Porque a ANS, órgão que regula os convênios médicos, está com uma consulta popular aberta para que toda a sociedade possa dar sua opinião sobre a lista de tratamentos disponíveis aos beneficiários de planos de saúde. A participação pode ocorrer até o dia 19/7 por meio deste endereço: http://www.ans.gov.br/participacao-da-sociedade/consultas-publicas/consulta-publica-n-59

 

Ø  A quantas pessoas interessa diretamente esta notícia?

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde, divulgada em junho pelo IBGE com dados de 2013, 28% dos brasileiros têm plano de saúde, o que equivaleria a mais de 55 milhões de pessoas no país.

 

Ø  Quantos homens têm disfunção erétil no Brasil?

- A disfunção erétil é prevalente entre quase metade (48,8%) dos homens brasileiros, segundo levantamento realizado no ano 2000 com amostra amplamente representativa da população masculina no País.[1]

- Com base na população masculina do Brasil à época da pesquisa, seriam mais de 25 milhões de brasileiros com algum grau do problema.

- Desses, 11,3 milhões estariam afetados com os níveis moderado e completo de disfunção erétil, considerados mais graves e possivelmente elegíveis ao tratamento cirúrgico com próteses penianas.

 

Ø  O que é a disfunção erétil?

Disfunção erétil é a incapacidade persistente em obter e/ou manter uma ereção suficiente, que permita uma atividade sexual satisfatória. Quando isso ocorre esporadicamente ou em raras situações, não se trata de disfunção erétil. Embora seja uma desordem benigna, afeta a saúde física e psicológica e tem um significativo impacto sobre a qualidade de vida.

 

Sobre o Dia do Homem

O Dia do Homem é celebrado no Brasil no dia 15 de julho desde 1992. A data tem o propósito de chamar a atenção da sociedade para problemas e circunstâncias que possam atingir, em especial, o sexo masculino. Outro dos objetivos da reflexão que propõe o Dia do Homem é a igualdade entre os gêneros masculino e feminino. O alvo principal dessa proposta é a mudança de comportamento com relação a muitas posturas colocadas, tanto por condutas machistas quanto por condutas do radicalismo feminista. Além disso, há ainda a discussão sobre o paradigma do homem contemporâneo, que já não segue o mesmo padrão comportamental do século passado. Fonte: Ordem Nacional do Escritores.

 

Sobre a Campanha Nacional Contra a Disfunção Erétil – De Volta ao Controle

A Campanha Nacional Contra a Disfunção Erétil – De Volta ao controle é uma ação da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) com objetivo de conscientizar a população brasileira sobre prevenção e tratamentos disponíveis para a doença, sobretudo nos estágios severo e completo. A ideia é desmistificar o assunto, garantir o acesso à informação sobre todas as soluções disponíveis, fazendo o homem procurar tratamento adequado para recuperação da atividade sexual. Melhorar a qualidade de vida de milhões de brasileiros com indicação cirúrgica para o tratamento da disfunção erétil também está entre os objetivos da ação. De Volta ao Controle quer esclarecer os benefícios e as vantagens da utilização da prótese peniana inflável para a disfunção erétil irreversível. A finalidade dessa iniciativa é conscientizar a população quanto à importância da ampliação do acesso às alternativas terapêuticas mais modernas para a disfunção erétil irreversível. Com a campanha, a SBU cumpre seu papel de promoção à saúde urológica no país.

Para mais informações, acesse www.devoltaaocontrole.com.br.

 

Sobre a SBU

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) é uma associação científica sem fins lucrativos, representativa dos médicos brasileiros especializados em urologia, especialidade clínica e cirúrgica responsável pelo diagnóstico e pelo tratamento das enfermidades do sistema urinário de ambos os sexos e do sistema genital masculino. A entidade foi fundada em 13 de maio de 1926 e possui hoje 27 seccionais espalhadas pelo Brasil, com a função de coordenar e monitorar a atividade urológica nas unidades federativas. A SBU congrega cerca de 90% dos urologistas brasileiros, ou seja, mais de 4 mil profissionais. Aproximadamente 90% dos profissionais são homens. A maioria trabalha na região Sudeste (58%); no Sul, são 16,5%; no Nordeste, 14%; no Centro-Oeste, 8,2%, e no Norte, 3,3%. Para mais informações, acesse www.sbu.org.br/publico.

 

seta

Hambúrguer caseiro com aveia

13/07/2015 14:33

Hambúrguer caseiro com aveia

Receita Sanavita

Ingredientes:

- 500g de carne moída (escolha carnes mais magras)

- 1 xícara de aveia em flocos ou farelo de aveia (fina)

- 1 gema

- 1 cebola picada

- 2 dentes de alho amassados ou pasta de alho

- Temperos à gosto, salsinha e coentro

- sal e pimenta do reino à gosto

Modo de preparo:

Em um recipiente coloque a carne moída e os demais ingredientes. Amasse até que fique uma massa homogênea. Monte os hambúrgueres e coloque para assar.

seta

Aumente seu derrière com a prótese de glúteo

09/07/2015 13:11

Um dos atributos físicos mais valorizados nas mulheres é o bumbum. Infelizmente, nem todas as pessoas podem se vangloriar de ter nascido com um "derrière", como é chamado pelos franceses, avantajado. Para resolver esse problema, existe uma cirurgia que tem conquistado cada vez mais pessoas; a prótese de glúteo.

Segundo os dados mais recentes da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), houve um aumento da busca das brasileiras pelas próteses de bumbum. Só em 2011, mais de 21 mil pessoas realizaram esse procedimento, contra as 4,5 mil pessoas de 2009 que fizeram a mesma intervenção.

De acordo com o cirurgião plástico Alderson Luiz Pacheco, que atua em Curitiba, normalmente, os pacientes procuram essa cirurgia para aumentar sua autoestima. "As mulheres não se sentem satisfeitas com os seus corpos, e, por isso, optam por esse procedimento. Normalmente, são pessoas com nádegas pequenas ou que, após emagrecerem, perderam muito volume, sem que houvesse uma flacidez expressiva (ptose)", observa.

Pacheco explica que essa cirurgia, que pode ser feita com anestesia peridural ou geral, é realizada colocando uma prótese de gel de silicone dentro do músculo do glúteo maior. "A cicatriz não é aparente, pois localiza-se no sulco glúteo (prega entre nádegas). Apesar do que pode-se pensar, existem muitos modelos de glúteos, que devem ser analisados, para que o paciente escolha o adequado para seu corpo", afirma.

O cirurgião pontua que o pós-operatório dessa cirurgia é mais doloroso do que o de implante de seios, mas que não é impossível. "Como há uma distinção das fibras musculares, a dor pode ser um pouco agravada, mas nada que não possa ser solucionado com  anestésicos e anti-inflamatórios. O uso de cintas modeladoras, manter a região higienizada e evitar esforços físicos são necessários para a boa recuperação", fala.

Ele finaliza, lembrando que é extremamente importante procurar um cirurgião de confiança, e que os resultados são completamente visíveis depois de seis meses.

Serviço: Doutor Alderson Luiz Pacheco (CRM-Pr 15715)

Cirurgião Plástico

Sites: http://www.alplastica.com

http://www.michelangeloclinica.com.br

Blog: http://draldersonluizpacheco.wordpress.com

Emailplastica.pacheco@yahoo.com.br

Fone: (41) 3022-4646 e 4141-4424

Endereço: Rua Augusto Stellfed, 2.176, Champagnat, Curitiba/PR.

seta

Carta aos Governadores do Brasil

06/07/2015 09:42

Vamos pensar um pouco, sociedade, carrasco de nós mesmos. Há exemplos mundo afora de boas ideias que fazem bem a qualquer país. Caso a que estiver sendo usada não resolver nossos problemas, que mal há em copiaruma boa ideia. Na fórmula um onde os valores são de bilhões de dólares, há uma máxima, nada se cria tudo se copia. Não há mal algum ou vergonha em copiar bons exemplos. O absurdo seria a continuidade do erro. Os erros estão a nossa frente, basta prestar atenção e não errar mais.

Usando como paradigma ao governo brasileiro, a situação governamental da França no século XVIII, era de extrema injustiça social. O Terceiro Estado era formado por trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os impostos eram pagos somente por este segmento social, com o objetivo de manter os luxos da nobreza. A situação era tão grave e o nível de insatisfação popular tão grande, que o povo foi às ruas com o objetivo de tomar o poder e arrancar do governo a monarquia comandada pelo rei Luis XVI. O primeiro alvo dos revolucionários foi à queda da Bastilha. O Brasil socialmente vive um momento parecido com a revolução francesa do século XVIII.

Os impostos pagos aqui são terrivelmente ALTOS. O retorno deste, ineficaz. Faz-se necessário os mesmos ideais Franceses do século XVIII, "Liberdade, Igualdade e Fraternidade”.

O povo brasileiro deve resignar-se ante esses escândalos e tomar atitudes dignas de amor ao próximo. Sim, amor ao próximo, por que cada vez que um cidadão é conivente com uma falcatrua, no fim da fila morre um inocente. Toda vez que uma verba é desviada, uma obra superfaturada, um equipamento é deixado num deposito qualquer, um burocrata não faz um processo andar, alguém paga por isso. E quem paga todos sabemos, é a população mais carente. Esses desvios podem atrasar o tratamento de doenças, mas não atrasam a evolução de um câncer. O câncer predominante no Brasil é o câncer conhecido como jeitinho brasileiro.

Jeitinho brasileiro em levar vantagem para si, sem importar-se com quem vai perder.

Esse câncer ceifa mais vidas que qualquer doença conhecida no mundo todo. É um câncer cultural e está enraizado na sociedade brasileira há muitas gerações. Quando a educação, o amor ao próximo e principalmente a cultura brasileira priorizar a cidadania como sinônimo de qualidade de vida, seremos detentores de todos os adjetivos que qualificam nosso país como o Éden terreno. Há décadas detemos o status de país mais feliz do mundo. Porém o titulo não reproduz fielmente essa colocação. A disparidade social é gritante. A culpa desta disparidade é esse câncer.

       Somadas todas as verbas desviadas nos últimos anos por este câncer, poderíamos construir um país muito melhor.

Os bilhões de dólares roubados dos cofres públicos, bem distribuídos, poderiam ser transformados em estradas de ferros. Nossa safra escoaria num custo bem mais atrativo para nossos compradores. O desperdício seria bem menor. Nossas estradas teriam uma vida útil muito maior. Os acidentes seriam reduzidos drasticamente. A construção de novas rodovias sairia mais em conta. Caminhões diminuem a vida útil das rodovias. Sem deixar de mencionar a importância ambiental, quanto menor o numero de caminhões, menor também é a poluição.

Poderia também esta dinheirama toda ser investida em educação. A construção de novos campos universitários. Manter no país professores com salários mais atrativos. Ter escolas especiais e professores para estes alunos. Uma merenda mais nutritiva.  Bibliotecas bem equipadas.

A sociedade poderia ter mais segurança às ruas. Policiais bem treinados, bem equipados, mais viaturas. Presídios mais humanos, mais seguros, com uma estrutura para ressocilializar o preso através de programas próprios.

A saúde do brasileiro seria outra, com hospitais bem aparelhados, excelentes profissionais, especialistas para todas as áreas. Equipamentos de última geração. Consultas realizadas na hora que o paciente precisar. Disponibilidade de profissionais a qualquer hora.

Um sistema jurídico eficaz, justo, sem distinção de classes sócias, políticas, ou qualquer outra que separe o ladrão de galinha do colarinho branco. Paridade a todo cidadão, roubou cadeia, matou cadeia, burocrata cadeia, ate por que se fosse feita justiça, o ladrão de galinha nem deveria ser apenado. Tendo em vista as consequências, estes que desviam milhões, deveriam pagar por cada vida inocente que ceifam.

Estes são apenas alguns exemplos citados, há uma gama infinita de outros projetos que transformariam o país.

Eis o ponto a ser discutido. A solução da eminente falência do país não reside pontualmente, este é globalizado. Ou seja, resolver os problemas de apenas uma classe, não ira trazer ao país o conforto econômico que este precisa. Já a junção das necessidades coletivas sim.

Que pode ser entendido assim. Todos os sindicatos, lideres comunitários, síndicos, feirantes, tocadores de sanfona, brasileiros anônimos ou não, devem eleger prioridades e lutar por estas. Uma andorinha só não faz verão.

Recentemente acompanhamos na mídia a luta dos professores paranaenses. Esses pleiteiam direitos de sua categoria. Solidariamente são apoiados por toda classe no país. Temos assim um belo exemplo de que a união faz a força. A classe paranaense reivindica seus direitos, e solidariamente tem o apoio do país todo. Muito bom, mas a que ser melhorada e amplamente difundida está ideia.

Melhorada no sentido de mostrar a toda população, que essas atitudes podem mudar o rumo do país. Esperar isso do governo é uma utopia. Não vai acontecer nunca. E temos exemplos que o poder corrompe Fidel Castro, Muammar kadafi, Saddam, dentre outros tantos ditadores.

E temos este mesmo exemplo em nosso país. Na década de 60 no século passado, a atual presidenta da republica lutou contra o então governo. Era esperado por todos que esta não cometesse os mesmos erros, aos quais lutou contra. E está repetindo-os.

A greve dos professores é extremamente justa. Mas a luta em prol de apenas uma categoria, só beneficia um segmento da sociedade. E o país precisa da união de todas as forças, dos professores, dos tocadores de sanfona, dos bancários, dos garis, da sua, enfim da sociedade toda.

E há duas formas simples e eficazes de alcançarmos este objetivo. Por voto, não reelegendo as pessoas que estão no poder a anos e não fazem nada. Como também copiarmos a França do século XVIII, quando está fez a queda da bastilha, só que nós aqui faremos a queda de Brasília.

Sem nunca nos esquecermos de uma coisa, somos os governadores do país. Somos nós quem decidimos nosso futuro. Como você quer o seu?

Paulo César

santosekiwel@hotmail.com

seta

Primeira Edição © 2011